2010/05/20

Google IO - Dia 2 - Android e Google TV

 O Google não podia perder a oportunidade de mandar umas "bocas" à Apple, e neste segundo dia do Google IO, dedicado ao Android, começaram por comparar a Apple e o seu iPhone ao estado totalitário e "big brother" do célebre 1984 de Orwell.

Claro que rapidamente passaram ao que realmente interessa, as melhorias do Android: mais rápido, mais amigável (com uma App Store toda Web Based), e claro... com Flash.


Como é habitual nestes eventos, o Google não deixou de oferecer uma rica prenda a todos os presentes: desta vez um espectacular HTC EVO 4G!



Mas... aquilo que já se suspeitava estava para chegar... o Google quer chegar às televisões!


Com este Google TV o Google pretende fazer desaparecer a fronteira que separa a TV "tradicional" dos conteúdos na internet. Passará a ser possível fazer uma pesquisa sobre tudo o que pretendam: o horário dos próximos episódios ou jogos desportivos que desejarem; marcarem-nos para gravação; etc... Enfim, tudo aquilo que uma "box" deveria ser (espero bem que a Zon esteja atenta e aproveite esta oportunidade para reformar as suas arcaicas caixas que são um autêntico suplício de utilizar!)

Finalmente, menos um motivo para ter um PC a fazer de media center ligado à TV apenas para se poder pesquisar coisas sobre as séries e filmes que estamos a ver... Venha de lá uma box Google TV que eu nem penso duas vezes!


Claro que poder pesquisar por uma série e descobrir que está disponível via inúmeras vias é interessante... desde que esteja realmente disponível. Cá em Portugal já estou a imaginar a quantidade de "Desculpe mas este conteúdo não está acessível na sua região"!

Espero sinceramente que a questão dos "direitos de autor" seja algo em que o Google "bata o pé" num futuro próximo - tal como agora o está a fazer com o formato de vídeo - para que as coisas evoluam... Talvez começando com os seus eBooks Google Editions...

Bem... amanhã dou-vos mais pormenores sobre as novidades relevantes...

Actualização: vídeo do Google TV

7 comentários:

  1. Essa questão do "oferecer" o telefone parece que não e bem assim, a Gina Trapani (jornalista e web developer) esteve presente, mas comentou que a entrada se paga (e não deve ser pouco), para ela dizer que o telefone se paga com o preço da entrada.

    ResponderEliminar
  2. Fiquei entusiasmadissimo com a possibilidade das TVs terem uma melhor integracao com a web (tinha visto a noticia no tek.sapo http://tek.sapo.pt/noticias/computadores/televisoes_web_juntam_google_intel_e_sony_1066094.html).

    E triste ainda nao termos certas features nas nossas televisoes (e os nossos aparelhos domesticos melhor integrados entre eles) nao por falta de tecnologia (ja temos todas as pecas necessarias) mas por causa dos standards e patentes que tornam extremamente dificil parcerias entre grandes empresas :o\

    E a mesma treta se aplica aos automoveis (e, basicamente, a tudo na nossa vida)!

    Lembraste de um video que andava por ai com as ideias da Microsoft para fazer um sistema / protocolos que se interligavam com TUDO? Inclusive com o teu carro?!

    Se nao e um gigante como a Microsoft e um manufacturer de Hardware a tomar iniciativa estamos fodidos...

    Abraco!
    Luis Miguel

    ResponderEliminar
  3. Bruno Fernandes20/5/10 20:39

    Google a comparar a Apple ao big brother?
    If that isn't the pot calling the kettle black, i don't know what is.. lol

    Espero novidades desse google tv mas não acredito que criem algo como o imdb ou tv.com, já pra nem falar no que abordaste, a disponibilidade de conteúdos em portugal.. espero pra ver..

    ResponderEliminar
  4. By the way, o tal HTC Evo e o telemovel que te tinha perguntado a opiniao :o)

    Parece ser muito interessante...gostava de ter um nas maos durante 1 semanita para ver se me dava com ele!

    Vai sair ca nos States pela Sprint a 2 de Junho ou o camandro!

    ResponderEliminar
  5. João Sousa21/5/10 10:55

    Isto começa-me a recordar o final da década de 90, em que o meu enfado com as politiquices no mundo da informática me levou a deixar de acompanhar os seus bastidores durante vários anos. Se me repugna ver um debate na Assembleia de República em que os chefes lançam umas pilhérias saloias, os empregados atrás deles aplaudem-nas desmioladamente e os fiéis cá fora multiplicam-nas até à exaustão, estes "diálogos empresariais" na tecnologia não são muito diferentes. (E não deve haver nenhuma empresa inocente nisto.)

    Depois, o desgraçado do Orwell e o seu "1984" devem ser os nomes mais invocados em vão, mesmo por gente que nunca leu uma linha de ambos.

    "Como sabe a TMN que o meu saldo está abaixo dos 3 euros? Isto é o Big Brother em acção!"

    "O cão do meu vizinho urinou-me os pneus do carro. Ai, meu Deus, estamos numa sociedade orwelliana!"

    A tese central de "1984" é o controlo de uma sociedade via Informação por uma entidade, no caso o Estado. O Estado controlava pela Informação que fornecia ao cidadão (filtrada, censurada ou adulterada) e controlava pela Informação que recebia do cidadão, observando e armazenando constantemente a sua existência.

    Que uma empresa que é provavelmente o maior hub de informação do mundo actual, cujos serviços catalogam, armazenam, enviam, recebem ou retransmitem uma percentagem importante do tráfego na Internet, venha apontar o dedo como potencial Big-Brother a outra que fornece uns 3% dos telemóveis e uns 15% dos smartphones (e estarei a ser optimista?), parece-me um bocado cara-de-pau. E estes insultos à minha inteligência, como dizia o outro, são uma coisa que me chateia, pá.

    ResponderEliminar
  6. @João

    Acho que isto vai acabar por ser uma luta de "confianças".
    A questão irá ser, em quem é que "confias" com os teus dados.
    De um lado temos um empresa que faz o que quer e o que lhe apetece, que diz que te livra de todo o porn do mundo, que o flash não é bom para ti, etc. etc. (e foi nessa perspectiva que os acusaram de tendências "Big Brother".)
    Do outro lado tens outra empresa, com o lema "Do No Evil" - meras palavras, que valem o que valem, de acordo com o que cada um pensar delas - e que diz deixar as escolhas nas mãos dos utilizadores.

    É como dizes, não haverá "melhores" ou "piores"... E nem vamos entrar em considerações sobre o que se poderá passar por trás das cenas...

    No fundo, cada um terá que decidir por si, com os dados que tiver à sua disposição, sobre o melhor produto/serviço/empresa - algo que sempre foi, e sempre será, o aconselhado.
    (Não invalidando que a qualquer momento possa mudar de opinião... :)

    Atenção, estou a falar "genericamente" - como deve dar para perceber não sou extremista: gosto e recomendo muitos serviços do Google, mas tenho noção das desvantagens que isso representa; tenho um iPhone, mas não me impede de criticar as coisas que acho que deveriam ser mudadas; etc.

    ResponderEliminar
  7. Mas que o Joao tem tambem razao no que diz, la isso tem!

    Hoje em dia toda a gente se preocupa muito com a sua privacidade...

    Virou moda!

    Eu nao tenho nada a esconder pelo que, ate hoje, ainda nao vi nada que possa querer afastar da minha vida para "proteger a minha privacidade".

    Ainda ontem estava, novamente, a pensar nesta merda no transito...

    A olhar para os carros e a ver como ja poderiamos ter um interface de serie em todos os automoveis que mostraria as posicoes de toda a gente (o que seria extremamente util para ajudar ao transito, evitar acidentes com sistemas automatos de seguranca, dar a conhecer sitios novos [com uma cena tipo google street view onde cada pessoa partilhava imagens tiradas do seu carro]) e depois lembrei-me: pois, isto invade a privacidade das pessoas...mostra onde estamos a qualquer hora...

    Mas que trazia montes de coisas espectaculares, la isso trazia!

    ResponderEliminar

[pub]