2010/07/05

Microsoft InstaLoad

Não há como o evitar, todos nós já perdemos incontáveis segundos sempre que temos que trocar as pilhas de qualquer aparelho. Segundos que ao longo dos anos já contabilizarão bem mais tempo do que gostaríamos de admitir.
A principal razão do atraso é... verificar se estamos a colocar as pilhas nas orientações correctas: "Será que é o terminal positivo para a frente, ou para trás?"

Pois bem... parece que a solução está prestes a chegar, com o Microsoft InstaLoad.

Basicamente, é um sistema que faz com que possam colocar as pilhas em qualquer posição sem terem que se preocupar com isso!

Os contactos têm uma parte à superfície que faz contacto com o pólo negativo, e uma reentrância que apenas é tocada pelo pólo positivo. Assim, seja qual for a forma como colocam as pilhas... estarão sempre bem.


Uma solução tão simples que nos faz pensar como é que ainda ninguém se tinha lembrado dela.

19 comentários:

  1. Não faz sentido.
    Para além de não ir pegar.
    1º por falta de compatibilidade (com o universo já existente).
    2º por causa do licenciamento. Nenhum fabricante vai pagar por isso, para além não estarem na disposição de abdicar das receitas das baterias que vendem.
    3º (e não menos importante) vindo de onde vem, o mais provável é não funcionar e pior, estragar os equipamentos.

    ResponderEliminar
  2. err... acho que percebeste mal.
    Isto é para funcionar com as pilhas normais - não há qualquer incompatibilidade possível.

    Quanto ao licenciamente, parece estar a ter adesão de inúmeros fabricantes e parceiros... Há muitas outras coisas licenciadas que se usam todos os dias e que tomamos como "standard"...

    Quanto a estragar os aparelhos... aí já é ser mauzinho. É uma solução simples e "mecânica"... pelo que não há-de ter grandes "Blue Screens of Death"! ;)

    ResponderEliminar
  3. Carlos, não pode ser simples e mecânica.
    Tem que ter electrónica (protecção). Pelo simples facto de ao encaixar a pilha vais fazer curto-circuito quando a patilha passa do polo central para o lateral.
    Ou pior, caso não tenha nada a proteger esse "instante", pode mesmo ir "fritar" o equipamento.
    (não me admirava nada que a M$ lhes "implementasse" esse BSOD por essa ausência de protecção).

    ResponderEliminar
  4. Está ali a foto dos contactos... é só olhares para eles.

    Quanto a tocar momentaneamente em qualquer das parte metálicas ao introduzir as pilhas... sim é possível... tão possível como o é desde que as pilhas foram inventadas.
    Mas devido ao formato físico de InstaLoad, olha e bem menos provável de acontecer do que em todos os actuais "sockets" de pilhas.
    Portanto, não me parece que seja por aí o problema.

    ResponderEliminar
  5. Numa socket "normal" de pilhas apenas e só tens UM polo em cada ponta. Ao colocar a pilha NUNCA tens hipótese de fazeres curto-circuito (a não ser se a mesma for colocada do avesso).
    Neste socket tens dos DOIS pólos do mesmo lado, e o polo da pilha (por ex. o -) ao ser colacada a pilha faz primeiro contacto com o polo + do socket antes de "chegar" ao polo-. Se já existirem outras pilhas colocadas vai provocar curto-circuito e até possível faísca.

    ResponderEliminar
  6. "...a não ser se a mesma for colocada do avesso..."

    É precisamente *este* caso que este socket irá resolver!

    Para além de que é fisicamente impossível tocares com o polo negativo no contacto positivo (que está "recuado", a não ser que esteja a meter pilha "de esquina" - em cujo caso o outro lado da pilha não estará a fazer contacto com nada...)

    De qualquer forma, e voltando ao início, qualquer "problema" que tentes causar com este socket, podes causá-lo muito mais facilmente e com muita maior probabilidade num socket tradicional, começando pelo sintoma mais básico que este InstaLoad visa eliminar: meter as pilhas ao contrário.

    ResponderEliminar
  7. Deixa-me adivinhar, junto ao pacote do InstaLoad vêm incluídas três teclas: Crtl+Alt+Del só para o caso de haver problemas... >:-)

    ResponderEliminar
  8. Carlos, não é nada impossível tocares no polo central. Pois o mesmo (embora sendo recuado) tem o contacto saliente para FORA. Não é necessário que a mesma seja colocada de "esquina".
    Visa eliminar meter as pilhas ao contrário (mas mantém a possibilidade do problema que colocar as pilhas ao contrário causa).
    Como dizem por aqui: "Ora porra para o negócio".

    ResponderEliminar
  9. Já meti lá um novo desenho, para ajudar a compreenderes como aquilo funciona.
    Como podes ver, é irrelevante o sentido em que se coloca a pilha... o sistema é simples e funciona perfeitamente.
    Não é nenhum "Windows ME" das pilhas! ;)

    ResponderEliminar
  10. Isso já me parece ser um bocado de aversão a mais à microsft..

    Uma pilha não faz curto circuito, simplesmente ou carrega ou descarrega se a corrente fluir de dentro ou para dentro.. Mesmo as não-recarregáveis conseguem suportar um pouco de carga forçada sem se estragarem, ou "babarem"..

    E 1.5 v ou 3 v não me parecem de maneira nenhuma capazes de fritar um circuito, caso contrário dos milhares de vezes que segurei uma pilha pelos pólos teria sentido pelo menos alguma coisinha..

    ResponderEliminar
  11. Se forem assim os contactos (flat) vão ter (muito provavelmente) problemas de mau contactos.

    Mesmo quando têm a "bolha" para fora por vezes existem (volta e meia apanho equipamentos devolvidos por problemas desses).......

    Mas nada melhor que aguardar "para ver".

    To João Martins.
    ?????? Ligue lá o polo igual (+ com + ou - com -) de duas pilhas e verá o que acontece.
    Encoste uma pilha de 9V à língua e também verá o que sente. (pode fazer que não morre).
    Não se trata de aversão a +. Apenas e só que a única coisa decente que fizeram foi o Excel. Tudo o restante é um conjunto de bugs ou flops (uns maiores que outros). Até provarem que são capazes de FAZER algo que jeito tenha novamente......

    ResponderEliminar
  12. @kincas

    Bem podes ligar o polo de duas pilhas + com + (ou - com -) à vontade... desde que não esteja o circuito fechado (curto-circuito! ;)

    Quanto aos contactos não prevejo qualquer problema... aquele é o "princípio" de funcionamento, mas nada impede que tenha "patilhas com molas" para fazer pressão.
    (Estilo o que a Nintendo usa nos wiimotes, e que são do melhor que há nesse aspecto.)

    Quanto à MS ter feito bem o Excel, desculpa lá... mas até isso foi uma cópia descarada do Lotus 123; esse sim... uma das maiores invenções de todos os tempos. ;)

    ResponderEliminar
  13. Vamos lá a ver uma coisa.
    Este dispositivo/invenção é para associação de pilhas. (para os casos de só levar uma pilha não faz grande sentido. O equipamento apenas não funciona).
    Então assim sendo, se se tiver já colocado (bem) uma pilha, e se lhe for associar outra mas enganando-se na polaridade é que existem problemas.
    Foi para essas situações que esta base foi criada (parece-me).



    A M$ no Excel SOUBE copiar ao contrário de tudo o resto.
    Por isso referi ser a única coisa de jeito que fizeram.
    É que para o resto nem copiar sabem. Como é mais que notório.

    ResponderEliminar
  14. Não tem nada a ver com associção de pilhas; é simplesmente um sistema que faz com o "recpetáculo" das pilhas se torne imune à posição em que são colocadas; quer seja uma pilha, ou duas, ou mais... (estando cada uma no seu receptáculo.)

    ResponderEliminar
  15. Não existe NENHUM problema em colocar UMA pilha ISOLADA numa qualquer base com a polaridade ao contrário.
    Apenas e só o equipamento não irá funcionar.

    Esta base faz sentido quando existe associação de pilhas.
    Aí é que colocar a mesma polaridade de pilhas diferentes em contacto irá causar problemas (e só quando a 2ª ou seguintes forem colocadas).
    Nas associações (nas bases) existe a colocação em SÉRIE das pilhas para lhes SOMAR a tenção de fornecimento. Depois se se usam A, AA, AAA ou outro qualquer formato de pilhas de 1,5V tem a haver com a corrente debitada pelas mesmas (em função do consumo do equipamento).

    ResponderEliminar
  16. Já vi muitos dispositivos (desde rádios a teclados e ratos sem-fios) com pilhas mal inseridas, inclusive por mim por engano, e nunca vi faiscas nem o aparelho fritou por causa disso.

    ResponderEliminar
  17. Eles têm de sustentar o império de algum modo...antes inventar isto (por muito discutível que seja) e manter os postos de trabalho com os lucros adjacentes às licenças (coisa onde a M$ é especialista).

    Na minha opinião, sinceramente não me encaixa, isto é mexer com a "ordem" natural das coisas, um pólo positivo, outro negativo, ponto final...sabendo que x = x, y = y. Algo me fez divagar e levar-me aos sexos, existe cada vez mais liberalismo e hoje x pode ser y ou y pode ser x...hummmmmmmm.

    Eles que mudem o modelo de negócios e é se querem futuro, antevejo grandes tempos cinzentos para os lados do campus de Redmond.

    ResponderEliminar
  18. Anónimo6/7/10 11:07

    Se as duas pilhas ficarem em paralelo, existe uma tensão indefinida no circuito e o que acontece é que elas vão começar a descarregar, aquecendo a resistência (muito pequena - contactos, curto-circuito) que estiver no meio.

    Para isso funcionar bem, as pilhas terão de ser modificadas, nem que seja pela adição de mais material isolante no lado do pólo positivo, o que por outro lado é mau, porque pode reduzir a área de contacto do mesmo.

    Em relação ao à resposta do corpo humano, a nossa resistência natural é suficientemente alta para não nos causar problemas com a energia contida numa pilha convencional. Tal não quer dizer que as correntes geradas num curto-circuito de 2 pilhas não possam destruir alguns aparelhos mais sensíveis.

    Neste caso, e desde que os aparelhos não me saiam mais caros por isso, é deixar a solução da MS nas mãos do Darwin, e ver se a espécie se extingue ou não.

    ResponderEliminar

[pub]