2010/11/26

Análise ao MacBook Air


Uma vez mais, graças a todos vocês e ao nosso fundo de gadgets, tive a oportunidade de experimentar um dos mais recentes e apetecíveis portáteis "ultra-light" existentes no mercado, o Apple MacBook Air de 11.6".

Considerando que o meu contacto com o OS X dos Macs tem sido ocasional e breve, foi também da maneira que pude passar algum tempo a ver que tal se processava a transição "Ubuntu/Windows->OS X".
(Que não é lá muito simples... mas com o tempo, o Google, e alguns amigos utilizadores de OS X, tudo se resolve.)

Primeiras Impressões


Conforme assistimos durante a apresentação destes novos MacBook Air, estes novos modelos apresentam elementos "antigos"... acompanhados por algumas novidades.
Se o CPU é o Core 2 Duo que já merecia ser substituido por um Core i3/i5, a nível de disco estes Air romperam com o passado. O armazenamento está agora a cargo de velozes SSDs - mas que aqui surgem em módulos semelhantes a um módulo de memória. Nada de caixas ou barramentos "tradicionais" que obriguem a volumes/componentes/peso acrescidos.
A placa gráfica é agora uma Nvidia GF320M, e a memória RAM é de 2GB - no nosso caso expandida para 4GB.

A qualidade de construção é irrepreensível, com uma solidez a toda a prova.




Estas opções, a par da inexistência de um drive óptico (o OS X de instalação vem numa reduzida pen USB) permitem que este MacBook Air seja mais compacto e fino que nunca.


Pen de instalação do OS X.

MacBook Air comparado com um iPad


Sim, por estranho que pareça, o novo MacBook Air faz o iPad parecer... "inchado"... :)


Portabilidade

Será esta - talvez - a questão mais importante de quem procura um portátil com ecrã de 11.6". Já sabemos que temos que assumir o compromisso de trabalhar com a reduzida área de ecrã e resolução; mas... por outro lado, temos um portátil pelo qual nem "damos conta".


Este MacBook Air é um prazer de carregar para todo o lado - e quase sempre causa olhares incrédulos sempre que o tiram de uma qualquer bolsa e o ligam. :)
Quando posto ao lado de qualquer outro portátil... as diferenças saltam à vista, mesmo quando comparado com "netbooks" de tamanho reduzido - e que agora ficam a parecer pesados e volumosos.

Ao contrário dos outros netbooks, o Core 2 Duo nestes Air é suficiente para trabalhar em praticamente todos os programas que desejem - especialmente se optarem pelos 4Gb de RAM - e sem esquecer o precioso auxílio do disco SSD, que acelera todos os acessos que anteriormente eram feitos aos vagarosos discos magnéticos.


Em Funcionamento
Com um tempo de arranque de cerca de 15 seg, e um autonomia que se estende para lá das 5h, o MB Air está sempre pronto a ser usado sem que tenham que se preocupar constantemente com a existência de uma tomada eléctrica por perto.

Tanto no browser como em programas como o iMovie, o Air mexe-se sempre de forma "rapidinha" - em grande parte graças à existência do SSD, que serve para compensar algumas das limitações que pudessem ser imputadas ao CPU.




Apreciação Final


Tendo sido o meu primeiro contacto mais a sério com os Macs, digo-vos que é indispensável um período de adaptação (aliado de uma boa dose de paciência :)
Embora haja coisas que rapidamente se tornam cómodas e intuitivas (como os gestos multitouch no trackpad, para fazer scroll, zoom, etc), há também outras "esquisitices" que poderão irritar alguns utilizadores: como a inexistência de um "maximize" que faça uma janela ocupar o ecrã total (não sem que se procedam a alguns tweaks, facilitados por alguém já habituado a essas coisas.)

Mas... é como tudo, será uma questão de tempo até que qualquer utilizador aprenda a tirar o máximo partido do sistema.

Quanto ao MacBook Air em si... definitivamente é um portátil altamente recomendado para todos os que procurem um computador perfeitamente capaz de enfrentar todas as tarefas, num formato super-reduzido sem concorrência por agora.

O preço de 1000€ poderá parecer exagerado, mas face ao que oferece torna-se justificável (não querendo com isto dizer que deixe de ser "caro"). Se para muitos, a escolha de um netbook de 300€ será mais vantajosa, para aqueles que dão por si a olhar para netbooks de 500 e 600€ para terem as características que procuram... já poderão olhar para estes 1000€ com outros olhos.

O MacBook Air não é perfeito: a inexistência de drive óptico e de uma ficha ethernet "por cabo", poderá ser eliminadora para muitos clientes. Mas, considerando o mercado alvo deste ultra-portátil, destinado a estar sempre em movimento e livre de fios... posso dizer-vos que este MacBook Air se torna numa proposta irrecusável!

Apple MacBook Air

Prós

  • Formato ultra-compacto
  • Módulo SSD
  • Robustez e qualidade de construção


Contras

  • Ausência de ethernet/drive óptico (para quem sentir falta disso)
  • CPU "antiquado"
  • Preço elevado



20 comentários:

  1. Uso o ShiftIt para fazer window management (incluindo maximizar janelas)
    se alguem quiser fazer o redimensionamento á la windows 7 tb pode usar o hyperdock

    basicamente o cpu é a única coisa que "estraga" este Macbook Air.

    Gosto muito ainda assim. Mas n suficiente para me desfazer do meu MBPro(5,5)

    ResponderEliminar
  2. n eskecer q crasha qd ligado ao wifi do codebits :P

    ResponderEliminar
  3. Considerando que o crash não era exclusivo do MB Air... (até o teu crashou, não foi? ;P) isso é relato para ser contado na review ao codebits. :)

    ResponderEliminar
  4. Alguma duvida/ajuda que possa exclarecer, é só perguntar.

    "faça uma janela ocupar o ecrã total...."
    Isso deve ser alguma "mania" apanhada pelos Windows users.

    Nunca vi/ouvi nenhum macuser (não switcher) a "queixar-se" disso.
    (nem nunca senti falta de tal coisa).
    ;)


    É isso e a mania de fechar janelas em x de fechar a aplicação.
    O "botão" vermelho "apenas" fecha a janela, não encerra a aplicação.
    Mas os switchers "teimam" em fechar janelas e a deixar as aplicações a correr.
    (eheheh)

    ResponderEliminar
  5. João Sousa26/11/10 19:49

    Se nos limitamos a falar do modelo de 11", ambicionar um i3 ou i5 pode ser o equivalente a meter o Rossio na rua da Betesga. Li bastante (teorias, pois não veio de nenhum dos engenheiros da Apple) sobre o assunto e fiquei convencido de ter sido uma decisão bastante ponderada. Estou certo ao assumir que o processador é o SU9400, com um TDP de 10W? Um I3-330UM tem um TDP de 18W. Até o que equipa o modelo de 13" tem um TDP de 17W. Talvez os projectistas não tenham querido correr riscos com Airs escaldantes.

    ResponderEliminar
  6. João Sousa26/11/10 20:06

    Kincas: sim, maximizar a janela é vício apanhado no Windows (e Linux também). Ao fim de um ano de uso, é uma das duas coisas que me faz "impressão". A outra é usar o Finder para gerir ficheiros - parece-me menos eficiente do que o Explorer (quem diria!). Mas já encontrei alguns truques para contornar isso.

    A questão "fechar a janela não fechar a aplicação", posso também confirmar, é a única coisa que vejo fazer confusão nos meus clientes que se transferiram. É por isso que tendo sempre a sugerir máquinas com 4GB - não vá eles chegarem ao swap.

    A minha experiência de adaptação ao Mac foi extremamente indolor. Se ignorarmos aqueles dois dias iniciais durante os quais teimava em escrever ls, cp e mv no Windows e dir no OS X; e em que ia fechar a janela do Windows no lado esquerdo e a do OS X no lado direito; na primeira noite tinha já os ficheiros transferidos, as aplicações (mesmas ou equivalentes) instaladas e estava usando o Mac como se nunca tivesse usado outra coisa.

    ResponderEliminar
  7. Essa ausência da ficha Ethernet deve-se ao facto de o Mac ser incrivelmente fino, correcto ?

    ResponderEliminar
  8. Sim... Já nalguns Eee PC mais finos, a ficha ethernet está numa porta "transformista", que estica. :)

    ResponderEliminar
  9. José Costa26/11/10 21:34

    A questão do CPU antiquado é fácil de explicar: se colocassem um i3 e da forma como está organizado só poderia ter uma gráfica intel hd. Não teria espaço para a geforce.

    ResponderEliminar
  10. nao, o meu nunca crashou.
    tive foi probs de ligaçao a rede, devido a problemas de DNS.

    ResponderEliminar
  11. pelo que vi algures (n tenho aqui o link, já foi à uns tempos), a razão da escolha do processador tem a ver com o tamanho da board. com o i3, i5, etc, a board tem q ter espaço para 3 chips: CPU, GPU e outro chip lá no meio, por causa da arquitectura da intel e da relação desta com chips gráficos externos.
    no caso dos core 2 duo, basta o cpu e o chip gráfico, segundo parece.

    sendo assim a board pode ser bastante mais pequena.

    parece que este foi um dos factores chave para a decisão. e, bem vistas as coisas, um core 2 duo tem capacidade suficiente para 90% das coisas q vão ser feitas numa maquina com aquele tamanho de ecrã (fisico e em pixeis(pixels?)).

    ResponderEliminar
  12. Tinha piada se fizesses comparativo com alguns dos ultra-portateis no mercado (e nao netbooks) tipo os asus de 12'' (a versao com corei3 e com atom dual core).
    Tambem sao bastante fininhos.

    ResponderEliminar
  13. Artigo bastante jeitoso Carlos, que naturalmente, vindo de um não-Mac user, a review seria sempre um compreensível misto de MacBook Air com bitaites ao Mac OS X.

    Este de 11" é o único portátil que já vi até hoje que me atrai 100%... e uma das maiores fontes de desejo que já não senti-a há imenso tempo. As ausências que possa ter são até as grandes vantagens dele. Os únicos handycaps que lhe aponto é realmente o preço que acho elevadíssimo perante a gama da Apple, onde pelo mesmo preço se compra "mais e melhor"... mas sem a ultra-portabilidade que um Air tem e provoca inveja.
    E ter o largo friso de aluminio no monitor, que o torna menos bonito. Suspirava ainda mais se tivesse vidro de ponta a ponta. Mas não pode pois além da resistência da "tampa", o Air ficaria a pesar mais um pouco... não poderia ser e foi uma opção da Apple.

    @ Kincas: Subscrevo-te totalmente, pois é um comportamento realmente típico de quem vem "das Janelas". E sim, nunca vais ouvir semelhante pedido. Adianto até, o ódio que tenho ao maximizado... e muito mais o sinto quando uso outro PC/Mac de alguém com tudo sempre maximizado.
    É irónico, o tique de ter tudo maximizado (até uma janela qualquer de Messenger!) num sistema operativo que se chama Windows e quase nem se as chega a ver no ecrã... pois é sempre uma única exibida!
    Um dos factores do OS X ter sido bem sucedido perante switchers foi por a Apple abrir imensas concessões ao incluir montes de tiques do Windows, excepto o maximizar.

    @Nasp: Mia do que o design fisico, o conceito do Air dispensa o ethernet em absoluto. Contudo, pode-se também usar dessa forma com um adaptador por USB que a Apple vende.

    @ João Sousa: essas observações sobre o processador, são valiosas e muito certeiras. Claro que seria bem melhor com um core i5 até... mas não pode para já, perante o que existe.
    Mesmo assim a engenharia da Apple demonstrou que um Core 2 Duo com outros componentes, pode ser muito rápido mesmo assim. Mais do que o esperado até.
    Um Air de 11"... ui... ser pobre é fodido!

    ResponderEliminar
  14. Ainda relativamente ao fullscreen - e isso é coisa que apenas sinto falta em ecrãs pequenos: num de 24" não me lembro de alguma vez ter alguma coisa maximizada ;) - apenas relembro que as "full screen Apps" tiveram honras de destaque na apresentação do futuro OSX Lion... Portanto, parece que alguém lá dentro também achou que faziam falta... :)

    ResponderEliminar
  15. Também é verdade, com ecrãs generosos a necessidade nunca se coloca e é nos pequenos que dá jeito. Mas mesmo assim não me dou bem com isso e a futura evolução que vem no OS X LION (10.7) tras o fullscreen mas com uma nova abordagem (no fundo, providencia formas de interacção com outras aplicações sem ficar em controle absoluto do ecrã).

    ResponderEliminar
  16. Relembro que essa do tamanho do monitor é desculpa.
    Quais eram as dimensões dos ecrãs há 10 anos?
    Nessa altura tb não era "necessário" o fullscreen.
    ;)

    ResponderEliminar
  17. @Kincas

    Olha que não, num monitor com resolução inferior a 768 em altura, acho "impossível" trabalhar com um browser sem ser em fullscreen...
    Já quando se fala de 1200 ou mais... é quase o oposto, preferindo trabalhar sempre em "janelas". :)

    ResponderEliminar
  18. Tadinhos de todos os que viveram nos tempos de ecrãs até 15".
    Surfavam impossivelmente em ecrãs pequenos sem fullscreen.
    Como digo é um falso pretexto.

    ResponderEliminar
  19. @Kincas

    É tão falso pretexto como dizer que não se podia usar um computador quando nem tinha modo gráfico e os ecrãs eram monocromáticos... :)

    Claro que se pode, e é uma questão de hábito e "aceitar" o que se tem. Aqui a questão é mesmo a mudança: ter algo e deixar de ter custa muito mais que nunca ter tido e não sentir a falta. :)

    ResponderEliminar
  20. Tenho um MBA, exactamente este modelo que tve em teste. E o que posso dizer dele é que é um produto de excelente qualidade, super pratico, ideal para quem quer apenas internet, office consumo e produção ocasional de media.

    O CPU poderia ser um i5 podia... como entretanto veio a ser, mas sinto mais falta de a bateria só durar as 5h que falas em condições ideeais e não facilmente.

    Quanto ao "maximaze"... não entendo como é que alguém pode achar supérfluo, a não ser por por bandeira e oposição aos outros OS. Vá lá, não custa muito reconhecer que o OSx também tem coisas a aprender com os outros, e esta é especialmente sentida neste MBA com tamanho tão reduzido! ;)

    ResponderEliminar

[pub]