2013/11/18

Petição contra G+ no YouTube já passou os 170 mil assinantes

As críticas à imposição do Google em que se use o Google+ para poder comentar no YouTube continuam a dar que falar, e uma das petições para que o Google reconsidere a sua opção e reverta para o sistema anterior de comentários conta já com mais de 170 mil assinantes.



Se para muitas outras situações este seria um número que significaria que a situação deveria ser levada muito a sério, para o caso do Google e do YouTube, parece-me que é um número que eles podem simplesmente dar-se ao luxo de ignorar. Afinal... que peso têm 170 mil utilizadores num site que conta com mais de mil milhões de visitantes a cada mês? Tal como aconteceu na morte do Google Reader, parece-me que a posição do Google vai continuar a ser: "quem não estiver bem que se mude".

O que é certo é que mesmo sendo uma minoria, começa a ser uma tendência recorrente para o Google fazer este tipo de alterações de uma forma algo prepotente e indiferente às opiniões de utilizadores que muito poderão ter contribuído para o sucesso da plataforma - há casos de opositores a esta medida que têm mais de 1 milhão de subscritores dos seus canais, e que estão a redireccionar os comentários para sites externos, de forma a escapar à obrigatoriedade do Google+ e utilização da sua identidade real.

É que infelizmente o mundo é um local onde ainda existem muito sítios em que é recomendável (para não dizer obrigatório) não se usar o nome real naquilo que se diz na Internet; e com a imposição do Google+ no YouTube... desaparece essa privacidade.

Por agora o Google/YouTube pode dar-se ao luxo de ignorar os queixosos... mas imagino-me como seriam as coisas se parte significativa dos produtores de vídeos começassem a fazer boicote ao YouTube e a usar exclusivamente outras plataformas de distribuição de vídeo. E "grão a grão"... lá se vão desintegrando os impérios que poderiam parecer indestrutíveis.

8 comentários:

  1. Eu já assinei! São absurdos, não só esta questão dos comentários, como o link da conta do G+ com o Youtube. Agora ando com 2 contas no Youtube, e só sei que estou com a errada quando reparo que fiquei sem as subscrições...

    ResponderEliminar
  2. Cá por mim sigo a regra de não escrever comentários que não pudesse dizer pessoalmente, de viva voz.
    Agora, é como diz o outro, ninguém tem que saber mais da minha vida do que aquilo que eu quero ... e como o Google Search encontra tudo, não ponho o meu nome de "baptismo" em lado nenhum.

    Penso que a Google, ao obrigar a subscrever comentários no Youtube com o G+ quererá evitar os trolls e montes de comentários da mesma pessoa com nicks diferentes. O pior é o resto..


    ResponderEliminar
  3. Acho todo este assunto uma tempestade num copo de àgua.

    A fusão G+ / YouTube devia ter acontecido logo no lançamento do G+, só peca por tardia.

    ResponderEliminar
  4. Se em sites como o AadM não tenho problemas em comentar com minha conta usual, em locais como o You Tube a coisa é um bocado mais complexa. Já imaginaram emitirem uma opinião que desagrade a legião de fãs do Justin Bieber, por exemplo. Lá terem que aguentar centenas ou milhares de adolescentes a reclamar na sua timeline? :-) Na minha opinião o que esse novo sistema de comentários fará é incentivar os trolls a criarem mais e mais contas fake e desincentivar os utilizadores "normais" a comentarem.

    ResponderEliminar
  5. Sinceramente a qualidade dos comentários no youtube era degradante.
    A mim não me faz grande diferença, mas parece-me que pelo menos a qualidade dos comentários melhorou.
    Por mim pode continuar assim.

    ResponderEliminar
  6. eu tou a adorar a integraçao. nunca tanto comentei no youtube como agora.
    antes era só lixo nos comments! muito melhor.
    quem n gosta, q use uma GPage ou esteja caladinho q ta melhor

    ResponderEliminar
  7. Não percebo o pq de tanta polémica.... 2 contas, 1 para coisas sérias e outra para tretas infantis tipo youtube comments :) feito, resolvido, podemos continuar com as nossas vidinhas agora?!

    ResponderEliminar

[pub]