2015/10/11

A evolução da música nos jogos: dos beeps às Sound Blaster


Hoje em dia já nem se liga à música que acompanha um jogo de computador, a não ser quando realmente se destaca. Mas, não pensem que foi sempre assim... e não foi há assim tanto tempo que as músicas dos jogos se resumiam a simples beeps.

Quem por cá anda desde os tempos em que os PC trabalhavam a 4MHz (e com um botão "turbo" que os passava para 8MHz) saberá muito bem apreciar todo e cada som que actualmente sai dos nossos computadores. Nessa altura o único som que um PC fazia era um modesto "beep", que se tornava ainda mais ridículo quando máquinas como o Commodore 64, MSX, já dispunham de chips áudio que lhes permitiam ter uma sonoridade muito mais evoluída - embora com a sua característica sonoridade de síntese FM.

Foi algo que posteriormente os PCs começaram a ganhar, recorrendo a placas de som com chips idênticos (numa altura em que a instalação de uma placa num PC obrigava a andar a acertar nos IRQs e no slot certo para não causar incompatibilidades - e a esperar que o jogo tivesse suporte para aquela placa específica). A evolução não parava, e com a chegada do Amiga as coisas deram mais um passo em frente: com os seus 4 canais de som que já permitiam samples, fazendo explodir a era dos "modtrackers" (na imagem inicial) que permitiam recriar músicas de alta qualidade e também criar autênticos hits.

Nos PCs, iniciava-se a guerra entre placas como a GUS (Gravis Ultrasound) e a SoundBlaster, e anos mais tarde, o som nos PCs começou a ser algo tão banal e comum que já dispensava o recurso a uma placa de som dedicada. Mas... fica a nostalgia desses tempos.



... O que me faz recordar as milhares de vezes que eu arranquei o R-Type no Amiga só para ouvir a fantástica música de Chris Huelsbeck (também a podem encontrar aqui em versão orquestral, a par de outras das suas grandes músicas.)




E só porque sim... aqui ficam mais de 3h de músicas de jogos do Amiga! :)

4 comentários:

  1. lembro-me de ter uma adlib que "só" dava som MIDI mas com samples decentes. depois a soundblaster 1.6 que foi brutal. belos tempos. acho que só quem passou por estas fases dá valor a certas coisas...

    ResponderEliminar
  2. A minha primeira placa de som também foi uma adlib que comprei usada numa loja por uns 5 contos... Quando a rapaziada ia lá a casa e via umas colunas ligadas ao 386SX a 25 e ouvia aquela música toda a sair de la até ficava de cabelos em pé (já os SFX isso era coisa só para as soundblaster que custavam salvo erro uns 20 contos e mais...).

    ResponderEliminar
  3. A do R-type era boa mas a do Shadow of the Beast era fenomenal!

    ResponderEliminar
  4. Nos meus tempos de teen cheguei a fazer uma musica no (Octamed? - já nem me lembro bem do nome) com um Amiga 500 e tenho muita pena de a ter perdido nas evoluções dos media (na altura devia ser uma floppy de 880KB) até porque acho que estava uma coisa engraçada e nunca mais fiz nada relacionado com musica :(
    O Amiga estava muito à frente dos PC's e devia ter sido a plataforma a ficar, mas infelizmente outros interesses sobreposeram-se e ficaram os wintel

    ResponderEliminar

[pub]