2015/10/09

uBeam reforça a ideia de segurança do seu sistema de electricidade wireless via ultra-sons


Há vários anos que a uBeam nos tem dito que o futuro da electricidade wireless está nos ultra-sons, e depois prometendo que a sua tecnologia chegaria ao mercado até ao final de 2016, e embora ainda não avance com datas concretas nem detalhes técnicas, parece entrar em modo de pré-lançamento reforçando o compromisso de que esta tecnologia é completamente segura.

A electricidade sem fios é um sonho que há muito se procura atingir, mas não sendo fácil resolver os problemas envolvidos. Não faltam sistemas de carregamento wireless, mas ainda nenhum surgiu que combinasse os requisitos de elevada potência, distância de transmissão, e seguro para pessoa e animais. É precisamente isso que a uBeam diz ter resolvido, recorrendo aos ultra-sons.

Se a ideia de ter ondas de rádio a atravessar as nossas casas e corpos não é agradável, muito menos será a ideia de ter ultra-sons a fazê-lo - talvez pela nossa maior proximidade em perceber o que é o "som" do que são as invisíveis ondas de rádio. No entanto, poderá ser apenas uma questão de aceitação e mentalização, e os sons não estão associados às preocupações com fontes de radiação ionizantes (como os raios X).


Aliás, a jovem fundadora da uBeam faz questão de relembrar (e bem) de que toda e qualquer nova tecnologia é inevitavelmente recebida com desconfiança e medo, incluindo recortes de jornais de artigos que alertavam para os perigos dos telefones (acusados de fazer aumentar as doenças) ou dos fornos micro-ondas na década de 70.

O recurso aos ultra-sons acaba por ser uma solução engenhosa, pois não só se tratam de emissões que supostamente serão feitas em potências muito inferiores a todos os limites estabelecidos (infelizmente não são ainda dados técnicos quanto às potências usadas, nem tão pouco à eficiência do sistema, que é o que nos deixa mais curiosos). O uBeam faz uma emissão de ultra-sons direccionada e focada apenas para cada dispositivo nas proximidades, e interrompendo-o imediatamente caso essa linha seja obstruída por qualquer objecto ou pessoa; podendo fazê-lo para múltiplos dispositivos em simultâneo e possibilitando a transmissão de potências superiores a 1W. Mesmo no caso em que tal sistema não estivesse a ser usado, não haveria qualquer problema em ter uma pessoa ou animal directamente em frente a um destes feixes de ultra-sons - e não fica esquecido a questão dos animais: as frequências utilizadas serão inaudíveis por cães e outros animais, e nem sequer os morcegos são afectados (um dos animais que potencialmente poderia ouvir tais frequências seriam os golfinhos, mas não se vai utilizar esta tecnologia debaixo de água.)



Para assegurar ainda mais os que estão receosos, a uBeam refere ainda que este é o único sistema (de momento) que estará autorizado para operar em locais como Hospitais e até a bordo de aviões, comprovando o aspecto de que cumprem com todas as regras de segurança mais restritivas que existem.


Como disse, é tudo muito bonito, mas continuam a faltar os pontos fundamentais da questão: preço, potências e eficiência. Esperemos que realmente tudo seja tão maravilhoso como nos dizem, e que este uBeam seja um sistema que nos permitirá abandonar os fios, bastando deixar smartphones e outros gadget em linha de vista directa com um dos carregadores uBeam, para que imediatamente comece a ser recarregado. E claro... também convinha sabermos quando é que os seus produtos chegarão efectivamente às lojas.


Editado: rectificada a questão do som não ser uma radiação electromagnética.

3 comentários:

  1. "No entanto, poderá ser apenas uma questão de aceitação e mentalização, uma vez que sons, ultra-sons, luz e ondas de rádio acabam por ser tudo a mesma coisa... apenas com comprimentos de onda diferentes." Esta frase não podia estar mais errada! O som e ultra-sons são ondas mecanicas que transmitem movimento (seja por pressão no caso de gases ou translação e momentos no caso dos liquidos e sólidos). A luz visivel, ondas de rádio e microondas pertencem a outro dominio, aos campos electromagneticos (equações de maxwell, etc...). Não se devem confundir estes 2 conceitos tão distintos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, estava a referir-me à questão das frequências, vou rectificar.

      Eliminar
    2. Sim, estava a referir-me à questão das frequências, vou rectificar.

      Eliminar

[pub]