2018/02/12

Android Wear está a ser ignorado pela Qualcomm


Ano após ano estamos habituados a ver os fabricantes de chips lançarem novas versões, mais rápidas e mais eficientes que as anteriores... mas no caso dos chips para smartwatches Android Wear, a Qualcomm parece não estar interessada em melhorias.

Os smartwatches chegaram a ser encarados em tempos como podendo vir a revolucionar o mercado dos smartphones, especialmente nos modelos com 3G/4G que podem funcionar de forma completamente independente. No entanto os anos foram passando e as melhorias que se esperavam - especialmente em termos de autonomia - tardam em surgir.

Não ajudará que a Qualcomm que, depois de uma primeira geração de chips para smartwatches com desempenho sofrível, nos trouxe o seu SoC Wear 2100 especialmente optimizado para ser utilizado em smartwatches... mas sendo neste momento um chip com dois anos de idade... e sem qualquer previsão de que tenha uma versão melhorada pronta para ser lançada em breve.

Compare-se isso com a aposta que a Apple tem continuado a fazer no seu Apple Watch, melhorando-o de ano para ano (na sua última versão já com 4G e eSIM integrado), numa aposta que tem dado resultados bastante positivos, vendendo mais de 8 milhões de unidades no último trimestre de 2017.

Claro que a Qualcomm pode argumentar que não lhe compensa investir no desenvolvimento de um novo chip para smartwatches quando muitos fabricantes têm reduzido ou cancelado o lançamento de novos modelos; mas por outro lado, sem chips que permitam criar smartwatches mais apetecíveis também não teremos consumidores com vontade em investir em relógios com hardware de há dois anos atrás.

Com a Samsung a estar mais focada em criar os seus próprios Gear S em vez de smartwatches com Android Wear... as perspectivas de que surja algum outro fabricante a disponibilizar chips para este sector não são mesmo nada boas.


5 comentários:

  1. A categoria de Wearables tarda em arrancar. Na verdade nem sequer existe uma digna desse nome. A Apple está praticamente sozinha a desbravar terreno e tem tido sucesso no seu nicho, mas pouco mais que isso existe. O que ainda vai tendo algum sucesso são as pulseiras exclusivamente dedicadas ao exercício físico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pulseiras só para notificações têm tido um sucesso enorme. Não sei se era essas que referias.
      Hoje em dia vejo carradas de pessoas com Mi bands e nem sabem que aquilo é Xiaomi. Só querem ter as notificações de chamadas e mais nada.
      Penso que a Xiaomi é o maior vendedor de wearables do mundo.

      Eliminar
  2. É uma vergonha e a Google também tem abandonado o Android Wear

    ResponderEliminar
  3. Há questões que não dependem somente da tecnologia, os smartwatches sempre me pareceram uma solução à procura de um problema. Nos anos noventa achava-se que o futuro era o telemóvel no relógio e poder fazer videoconferências por lá. Ora, nem as videochamadas tiveram a adesão das chamadas de voz, nem os fabricantes viram necessidade de encolher o formato do telemóvel, antes pelo contrário, procuram formas engenhosas de aumentar os seus ecrãs. Neste caso é certo que nas braceletes de notificações como eh uso encontrou-se solução para um problema que ha alguns anos não achávamos que viessemos a ter, mas por outro lado o conceito de smartwatche para o público generalizado trás pouca mais valia. Quem usa relógio de pulso pode valorizar alguma interactividade extra, mas para quem não faz desporto não há muito mais a acrescentar.

    ResponderEliminar

[pub]