2018/06/27

Vivo cria câmara 3D Time of Flight para smartphones


A Vivo pode orgulhar-se de nos ter trazido um dos primeiros smartphones full-screen sem recortes e com sensor de impressões digitais integrado no ecrã, mas quer destacar-se ainda mais, dizendo que a sua nova câmara frontal 3D é dez vezes melhor que o Face ID no iPhone X.

O mercado conseguiu reagir ao Face ID da Apple em tempo recorde, demorando menos de um ano a lançar smartphones com câmaras 3D idênticas à da Apple - quando se estimava que poderiam demorar dois anos a fazê-lo. Mas para a Vivo isso parece não ser suficiente, vindo dizer que o seu sistema recolhe informação de 300 mil pontos 3D, dez vezes mais que o Face ID no iPhone X, o que lhe permitirá recolher informação facial muito mais detalhada.

Embora a Vivo não explique detalhadamente o que se passa, a referência a tecnologia "Time-of-Flight" (ToF) faz suspeitar que finalmente esteja a usar esta tecnologia - que vos mostramos em 2010 - em oposição ao sistema de projecção de pontos usado pela Apple no Face ID. Isto explicaria a questão de se passar de 30 mil pontos no Face ID para os 300 mil pontos no sensor da Vivo.

No sistema da Apple, é projectada uma matriz de pontos infra-vermelhos, sendo que a sua "deformação" ao ser projectado sobre um relevo 3D, como um rosto, permite à câmara estimar a sua distância. É um sistema idêntico ao que era utilizado no Kinect da Microsoft (sendo que a Apple veio a comprar a empresa que o tinha desenvolvido). Nas câmaras ToF o processo é diferente, sendo emitido um "impulso" de luz, sendo medido o tempo que demora a regressar, num sistema mais parecido com o sonar (com ondas acústicas) ou radar (com ondas de rádio), mas utilizando luz.

Neste caso, todos os pixeis do sensor recebem informação 3D, e tratando-se de um sensor com resolução VGA (640x480 pixeis) bate certo com o número de 300 mil pontos 3D registados.

Note-se que este sensor ainda não está a ser utilizado em nenhum smartphone neste momento, mas será interessante ver as suas capacidades quando tal acontecer.

1 comentário:

[pub]