2018/11/14

Samsung revela Exynos 9820 de 8nm


Com a aproximação da data da apresentação do próximo Galaxy S10, a Samsung dá finalmente a conhecer o novo Exynos 9820 que encontraremos no seu interior.

Para este Exynos 9820 a Samsung rectificou alguns dos erros cometidos no 9810, que não lhe permitiram estar à altura dos chips da concorrência em termos de eficiência. Para isso, este novo chip abandona o formato de 4+4 núcleos e aposta num conjunto tripartido de 2+2+4, um formato idêntico ao que é seguido por outros fabricantes.

Isto porque o anterior formato, embora disponibilizasse quatro núcleos de alto-desempenho (o que na teoria seria melhor que dois), na prática acaba por nunca se poder tirar partido de toda a sua potência devido aos consumos excessivos resultantes. Daí que a aposta em "apenas" dois núcleos de maior desempenho (M4), acompanhado por dois para utilização normal (A75), e quatro de baixo consumo (A55). Faltará ver se isto o deixará competitivo face aos últimos chips da Huawei e Qualcomm.

De resto, temos ainda melhorias no GPU (Mali G76MP12), o "obrigatório" NPU para aceleração de machine learning e A.I., suporte para vídeo 8K a 30fps (e 4K a 150fps), LTE com download até 2Gbps e upload de 316Mbps, suporte para UFS 3.0 com transferências de até 2.9GB/s, e um processo de fabrico de 8nm LPP - que por si só deverá reduzir os consumos em cerca de 10% face ao anterior processo de 10nm da Samsung.

Agora teremos que esperar pelo Galaxy S10, para ver que tal é que tudo isto se comporta na prática, e como se comparará com as variantes que vierem equipadas com a nova geração de Snapdragons da Qualcomm.

2 comentários:

  1. O que é que aconteceu ao nanómetro?
    A TSMC reduziu de 10 para 7 e a Samsung de 10 para 8.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os nanómetros são uma coisa complica e não tão exacta quanto se poderia supor. O processo de fabrico é de 7nm, mas os componentes continuam a ter várias dezenas de nm; é isto que permite que a Intel com o seu processo "refinado" 14nm++ consiga obter resultados efectivos idênticos a outras empresas que dizem usar processos de 10nm (por exemplo). Daí que, 7nm, 8nm e afins... é ainda algo que será mera "semântica"... pelo menos até se dar o salto para a produção EUV (com os prometidos 5nm e 3nm).

      Este é um mundo "louco", que é quase o equivalente a querer projectar uma imagem UHD 4K na parede, mas usando apenas um projector VGA para o fazer, tendo que ser feito através da combinação de múltiplas exposições sobrepostas... :)

      Eliminar

[pub]