2019/05/30

Chrome vai impedir ad-blockers eficientes


A Google está a revelar as suas verdadeiras cores e prepara-se para cometer um erro monumental no Chrome, impedindo que os utilizadores comuns possam utilizar ad-blockers eficientes.

Numa altura em que se pede que os browsers disponibilizem formas de facilitar o trabalho dos ad-blockers, a Google segue precisamente o caminho aposto no seu Chrome. Apesar de todas as reclamações e críticas, a Google diz que vai mesmo avançar com a remoção de uma API essencial para o funcionamento eficiente de ad-blockers como o uBlock, que permite bloquear conteúdos / publicidade antes que a mesma seja carregada.

A Google diz que os criadores de extensões continuarão a poder utilizar o "sistema de regras"; um sistema que os criadores de ad-blockers diz ser manifestamente insuficiente, já que tem um limite máximo de 30 mil regras, quando - para efeitos de referência - um lista ad-blocker como a EasyList contém mais de 75 mil regras de coisas a bloquear. Também não ajudará que, embora a Google vá bloquear esta funcionalidade aos utilizadores comuns, diz que continuará a permitir o acesso à API antiga aos utilizadores empresariais (assim demonstrando que a sua remoção não é por motivos técnicos, mas com o intuito principal de penalizar os utilizadores de ad-blockers).

Felizmente não faltam alternativas. Browsers como o Firefox, Brave, Opera, e outros, têm estado bastante receptivos aos adblockers (muitos deles já os incluem de origem, e permitindo o seu funcionamento de forma bastante mais eficiente que o Chrome). O pior que pode acontecer é descobrirem que afinal ficam melhor servidos com estes browsers.

Actualização: a Google vai aumentar o limite de regras no Chrome para 150 mil.

17 comentários:

  1. Internet Explorer versão 2.
    Engraçado como as coisas mudam. Uns anos atrás a Microsoft estava na mó de baixo agora a Google. Do no evil ONG gone.

    ResponderEliminar
  2. Internet versão Google? Não, obrigado.

    Firefox, estás mais do que perdoado.

    ResponderEliminar
  3. Usava o Chrome como segundo browser, mas depois de experimentar o novo Edge, desinstalei o Chrome.

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto do chrome. Tenho a coisa artilhada à minha maneira. Se começar a ver pubs nas páginas que visito com frequência, como por ex youtube, então será tempo de mudar de browser. Até lá, fico na mesma.

    ResponderEliminar
  5. Acho que é o único programa/app da Google que uso à vários anos sem mudar mas, parece que vou voltar ao Firefox até porque tenho um velhinho notebook da Asus com o XP e o Chrome não é compatível.

    ResponderEliminar
  6. É desta que o Chrome vai sair do meu uso diário, pelos vistos a redução da margem de lucro no último trimestre assustou a malta da Google, agora é publicidade para a frente em todos os produtos da empresa, vamos ver no que isto vai dar.

    ResponderEliminar
  7. isto quando a Microsoft está a portar o edge para chromium? Parece que a guerra dos browsers vai recomeçar.

    ResponderEliminar
  8. Eu não uso Chrome! A muito quê gosto e uso o Opera com vpn!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Opera, foi vendido a um grupo Chinês. Ainda por cima com VPN, sabe-se lá por onde é que os teus dados passam. Que a Google recolhe dados já a gente sabe, quando o Firefox tentou fazer o mesmo, deu asneira e retiraram.

      Eliminar
    2. Obrigado pela informação! pensei que era mesmo da Opera uma empresa da Noruega. assim sendo vou retirar! Vou para o Tor.

      Eliminar
  9. O Firefox vai sair a ganhar. E para quem tem dispositivos modernos não notará a diferença a não ser na menor quantidade de lixo nas páginas.

    ResponderEliminar
  10. Adguard para quem insistir em usar o Chrome ou qualquer outro à escolha e sem necessidade de instalar extensões em nenhum browser.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom mesmo (e super recomendável) mas infelizmente não consegue evitar a publicidade no YouTube, coisa que apenas as extensões bloqueadoras parecem conseguir.

      Eliminar

[pub]