2020/03/19

Netflix não gasta tantos dados aos operadores como se pensa


O acréscimo de tráfego devido ao coronavirus - que tem mantido a maior parte da população europeia em casa - já começou a fazer com que surgissem pedidos que serviços como a Netflix reduzissem a qualidade dos streams para poupar tráfego, mas na verdade é um pedido que não tem em conta a sua forma de funcionamento.

É certo que a Netflix é responsável por parte significativa do tráfego de dados na internet a nível mundial, mas isso é algo que a empresa está consciente desde sempre, e há muito que disponibiliza formas de tornar a sua operação bastante mais eficiente para os operadores. Nenhum operador olhará com bons olhos a possibilidade de ter dezenas ou centenas de milhares dos seus clientes a usarem Netflix simultaneamente - um cenário que nos EUA levou a que muitos começassem a limitar as velocidades aplicando traffic shaping, como a NOS tem estado a fazer actualmente em Portugal.

Por isso mesmo, há muito que a Netflix disponibiliza gratuitamente os seus Netflix in a box aos operadores.


Estas caixas com centenas de Terabytes armazenam os conteúdos mais populares da Netflix dentro da rede de cada operador, fazendo com que o acesso aos mesmos possa ser realizado inteiramente dentro da sua rede interna sem necessidade de gastar precioso tráfego de dados para fora.

É por isso duvidoso que reduzir a qualidade dos streams da Netflix tenha qualquer impacto prático, a não ser no caso de operadores cuja infraestrutura não seja adequada para fornecer o serviço que prometem fornecer aos seus clientes. E se for esse o caso, melhor será tratarem de implementar as melhorias necessárias, pois afinal é esse o serviço pelo qual os seu clientes têm estado a pagar!

Actualização: Já é oficial, a Netflix não vai desperdiçar tempo a tentar educar burocratas na forma como as coisas funcionam, e anunciou que irá reduzir a qualidade dos streams na Europa enquanto a situação do coronavirus se mantiver.


P.S. Parece que alguns operadores portugueses estão a pedir à ANACOM que suspenda as leis da neutralidade para poderem limitar mais serviços. Não sei qual a necessidade disso - basta ver o que a NOS já está a fazer (e sempre fez) - e que mesmo com a net neutrality permanece a cláusula que os operadores podem fazer o que for necessário para garantir o bom funcionamento da sua rede.

8 comentários:

  1. Carlos, esta caixa é muito engraçada. Na prática estás a ter "housing" de graça. Dás a caixa ao operador e ele que pague o espaço e electricidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alem da rede até casa do cliente que a Netflix também não paga.

      Eliminar
    2. Nem tem que pagar, essa parte pagas tu ao teu ISP.

      Eliminar
    3. Nenhum operador é obrigado a aceitar. Se achar que é preferível gastar TB de streaming para fora, está no seu direito.

      Eliminar
    4. Parece-me que compensa largo aos operadores terem um mirror dentro do datacenter do que estar a rotear o tráfego seja lá para onde for

      Eliminar
  2. O que a nos tem a ver com o tema? Muito triste ser tendencioso. Todos os artigos que venho aqui ler fala da nos. Pra mim, não me parece correto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito me agradaria não ter motivos para referir a NOS como (mau) exemplo.

      Eliminar
  3. É certo que esta é uma solução que limita o tráfego da rede interna do operador para a Internet, mas ainda assim, não deixa de congestionar a rede interna do operador.
    Um switch com 24 portas Fast Ethernet, não tem uma capacidade de comutação de 24x100Mbps. É certo que evita o bottleneck do ISP para a Internet, mas não resolve o problema. Os ISP têm um desafio agora que nunca tiveram e, possivelmente, nunca tiveram as redes preparadas. Antes tinham um pequeno período de pico. Agora é o dia todo...

    ResponderEliminar

[pub]