2020/06/20

FBI identifica manifestante que incendiou carros de polícia - graças a comentário no Etsy


A utilização de máscara não evitou que uma mulher fosse identificada, depois do FBI ter seguido um elaborado trilho de migalhas digitais, e onde um simples comentário no Etsy se revelou de importância fundamental.

O Covid-19 pode ter feito com que no ocidente de passasse a usar máscaras e tornar mais difícil o reconhecimento facial, mas isso não significa que quem viole a lei não continue a ser perseguido pelas autoridades. Uma mulher nos EUA parecia estar suficientemente confiante de que a sua máscara e óculos de protecção a mantivessem a salvo das repercussões de ter incendiado um carro patrulha da polícia. Mas mal imaginava que isso se tornasse num desafio para que o FBI a identificasse.

A mulher, identificada como Lore-Elisabeth Blumenthal, de 33 anos, viu os seus actos de vandalismo terem impacto mediático ao serem apanhados numa emissão em directo. O FBI encontrou mais vídeos deste incidente em várias plataformas na net, como o Instagram e Vimeo, e depois de contactadas essas pessoas e mais alguns fotógrafos, compilaram centenas de fotos de múltiplas perspectivas. Apesar disso, o facto de estar de máscara impedia que fosse identificada por esse método, pelo que o FBI voltou-se para outro elemento: a sua t-shirt.

A t-shirt em questão era bastante peculiar, com a mensagem "Keep the immigrants, deport the racists" e apenas vendida no Etsy, o que levou o FBI a espreitar os comentários e avaliações da mesma no site, descobrindo uma de uma pessoa da área de interesse (Filadélfia), que deixou "5 estrelas" e agradeceu o envio rápido, e que tinha como nome de utilizador "alleycatlore". Uma pesquisa por esse nome levou o FBI a uma loja online de roupa, onde indicava pertencer a alguém chamado "lore-elisabeth"; e uma nova pesquisa por este nome levou o FBI a um perfil no LinkedIn de alguém com o nome de "Lore Elisabeth" que trabalhava como massagista.


Para que não restassem dúvidas, o FBI viu os vídeos disponíveis no site do seu local de trabalho, e encontrou um em que se via a dita Lore Elisabeth a fazer uma massagem e onde era visível uma tatuagem no seu braço direito - uma tatuagem que coincidia com que também era visível nas fotos e vídeos recolhidos do incidente.

Agora, arrisca-se a 8 anos de prisão e uma multa de 500 mil dólares. Embora, conhecendo-se o panorama geral da sociedade em que vivemos, provavelmente ainda vende os direitos da sua história para que Hollywood o transforme em filme, e ainda saia a lucrar alguns milhões com a história de como uma massagista se torna numa destruidora de carros de polícia e de como o FBI só a apanhou devido a um comentário que deixou no Etsy.

1 comentário:

[pub]