2020/06/11

Questões raciais chegam às designações técnicas


Com os EUA a viverem um momento único anti-racismo, há quem lute para que sejam abandonadas palavras usadas em contexto tecnológico que possam também ser conotadas com racismo ou escravatura.

Designações como master e slave ou whitelist e blacklist, são comuns no mundo da tecnologia, mas há quem deseje acabar com elas por, implicitamente, se estar a contribuir para manter referências à escravatura e ao racismo, deixando as associações de que "branco" equivale a "bom" e "preto" equivale a "mau" - até em coisas como os hackers "white hat" e "black hat".



[Até nos velhos discos rígidos se usavam jumpers para definir "master / slave"]

É uma luta com a qual nem todos concordam, sendo ridicularizada por muitos que acham que as coisas não devem ser tiradas do contexto, e que se tratam apenas de designações e palavras que não devem ser vistas sob qualquer perspectiva de racismo. No entanto, há também quem insista em relembrar que as palavras carregam um peso histórico, e que se há quem considere isso tão irrelevante, então não deverá ficar incomodado por serem alteradas.

Algo a ter em conta da próxima vez que estiverem em situação de dar um nome a algo.

19 comentários:

  1. Pois, não tinha pensado nesses termos (master/salve , white/black lista, etc) sobre essa perspectiva mas de facto esta na altura de mudar e evoluir para outras designações que não tenham esse peso histórico (talvez principal/secundário , ...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois o principal era white e o secundário era black.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Isto deve ser dos mesmo indivíduos que são contra o 5G. Só iluminados. Será que vai deixar de existir sockets males and females e passamos a ter sockets gays ou bisexual sockets? A seguir o PAN vai abolir o termo horsepower e passamos só a usar Watts. Deixem lá a engenharia em paz.

      Eliminar
  2. Sinceramente acho que já estamos a cair no exagero!!

    ResponderEliminar
  3. Inconscientemente tudo pesa e é lógico que a escolha dessas palavras associadas a essas funções já tem uma base hierárquica replicada ao longo dos tempos até em questões sociais.
    Há quem tenha lucidez para separar as coisas e há quem não tenha. Na dúvida opta-se pelo que é mais seguro e neutro.

    ResponderEliminar
  4. Concordo plenamente.

    Nem exige muito esforço.

    Está mais do que na hora.

    As palavras certas fazem toda a diferença.

    ResponderEliminar
  5. No meio disso tudo, o papel higiénico também tem que começar a ser preto, ou de cor ou o q seja... pessoalmente acho que é tempo a mais disponível e falta de algumas coisas.

    ResponderEliminar
  6. Se tudo o que vês é racismo, só vais encontrar racismo...

    Esta discussão está novamente a resvalar para o ridículo!
    A terminologia existe, assim, há imenso tempo e tem um motivo para tal (que vai a definição de mestre e escravo). A menos que queiram trocar porque neste caso o "Master" é que faz praticamente todo o trabalho e "Slave" fica a ver! E aí sim, tenho de concordar!
    As cores associadas tem que ver com o facto de se imprimir cor preta em papel branco (é assim desde o inicio dos tempo), em que a única forma de diferenciar visualmente era um ser preenchido e outro não. Isto dá noção de ligado/desligado, ativado/desativado. Só falta dizer que se gasta mais tinta a representar o "Slave" só porque somos mesmo muito muito, mas muito racistas!

    Se querem abordar o tema da escravatura abordem da maneira correta. Falem do facto de cada vez mais povos de etnias diferentes serem escravizados por pessoas da mesma etnia (existe um bom documentário que aborda este tema mas não me recordo do nome).

    Quem falar sobre racismo? Podem começar por parar de perpetuar a palavra negro ou negra quando não nos chamam de claros. Negro (sujo) chegava eu a casa depois uma tarde a jogar a bola na lama. Negros, eram os escravos. Negra foi a peste. E Negro é nosso futuro se começamos a dar ouvidos e ideias pequenas quando a discutir se calhar são as pequenas ideias...

    Haja paciência...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão. As pessoas começam a ser ridículas. Não é pq usamos a palavra black ou a palavra slave que somos racistas.

      Eliminar
  7. É triste que a luta contra o racismo se foque em apagar referências do passado que é bom recordar o que foi para não regressarmos a ele em vez de focar em mudar o presente

    ResponderEliminar
  8. Sinceramente o pessoal que vê racista em tudo é que claramente são os racistas, se não fossem racistas viam as coisas pelo que são em vez de imaginarem merda.

    ResponderEliminar
  9. Já não há paciência para tanta estupidez.

    ResponderEliminar
  10. Já se começa a cair no ridículo...

    ResponderEliminar
  11. E os detergentes para roupa branca e roupa de cor ?

    ResponderEliminar
  12. Ridículo!
    Qualquer dia lembram-se de acabar com as fotografias a preto & branco.

    ResponderEliminar

[pub]