2020/12/22

Free e Iliad reforçam tarifários low-cost com 70GB e 150GB

A entrada em 2021 vem acompanhada do desejo dos nossos operadores nos oferecerem tarifários como os que existem em diversos países europeus, como os novos tarifários da Free e Illiad.

Enquanto por cá a noção de Natal dos nossos operadores consiste em nos oferecerem gigabytes ou minutos de telefone sem qualquer consequência prática efectiva (com a maioria das pessoas confinadas em casa, onde terão WiFi e comunicações "à vontade"), noutros países temos operadores a reforçar a sua oferta de forma bastante mais apelativa e com vantagens que se prolongarão para além do Natal.

A Free e Illiad passam a contar com um tarifário de €9.99 que inclui 70GB de dados e chamadas e SMS ilimitados (vejam e aprendam senhores operadores nacionais), e quem se sentir limitado com isso pode optar pelo plano de 150GB por €19.99. E ambos contando também com acesso a velocidades 5G, para que não se pense que existe algum "asterisco" a estragar a oferta.

Talvez mais significativo da atitude perante os seus clientes actuais, alguns clientes já existentes que tinham um tarifário de 9.99 euros viram as suas condições serem automaticamente melhoradas, passando a ter 150GB e 5G - faz-me relembrar de todas as vezes que se repara que se está a pagar um tarifário antigo, obsoleto, quando já surgiu outro com melhores condições, mas os operadores ficam caladinhos e a amealhar os seus euros, até que eventualmente o cliente ameace ir para outro operador (não que sirva de muito) e então aí lá surgem todas as actualizações possíveis.

14 comentários:

  1. Entretanto em Portugal, a MEO aumenta os preços com as mesmas condições..
    Nunca mudes Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Enquanto isso, em Portugal (a propósito do leilão 5G), vai um reboliço para que nenhum outro operador entre no nosso mercado...

    Pode ser que um dia Xavier Niel (fundador da Iliad/Free) aponte as "armas a Portugal" - tal como irá fazer brevemente na Polónia - e finalmente, tenhamos algo minimamente equilibrado neste quesito.

    Sou um dos felizardos com esse tarifário 150GB com 5G incluso por 9,99€. Sinceramente, não estava à espera, pensei que seriam criados tarifários dedicados, tal como fizeram muito recentemente SFR, Orange e Bouygues no mercado Francês.

    A Free, não quebrando a tradição, surpreendeu uma vez mais o mercado e já obrigou a concorrência a redesenhar tarifários 5G em cima do joelho :)

    ResponderEliminar
  3. Já para não falar que em Portugal a cobertura e capacidade das antenas é um desastre principalmente no básico, comunicações 3G e por exemplo no conselho de Braga a do meo é a pior.

    ResponderEliminar
  4. Porque será que esta notícia não foi dada na peopleware o no sapotek, provavelmente por estes canais são associados á Altice (apesar deles dizerem se isentos) e isso não interessa ao grupo. Em Portugal não se mata só animais ao desbarato, matasse a economia e consequentemente o país, NOS diz que qualquer dia somos a 18 provincia de Espanha, se calhar ganhava-mos mais com isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu de certeza que ganhavas, nem sequer português sabes escrever.

      Eliminar
    2. Por vezes sinto falta de um botão "like" aqui no Blogger...
      ;-)

      Eliminar
  5. E em roaming? No UK a Vodafone tinha um plano onde não tinha limites de tráfego em roaming

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que te obrigam a estar uns quantos meses por ano no país, pelo menos foi o que me pareceu no site da iliad, mas o meu italiano também não é grande coisa.

      Eliminar
    2. Com a Free não tens essa restrição

      Eliminar
  6. Venho por este meio solicitar à equipa editorial deste web site "Aberto até de madrugada" que deste artigo em diante se inibam de colocar novos artigos em que comparem a oferta no mercado de telecomunicações móveis em Portugal com oferta no estrangeiro.

    O mercado em Portugal tem várias empresas a prestar tal serviço em regime de concorrência pelo que as ofertas são sempre as melhores possíveis para a realidade portuguesa. Se outras ofertas não as há, é porque os clientes não precisam delas, ou poderiam ser prejudicais para os mesmos.

    Com este artigo e outros similares estão a criar ansiedade e desejos no íntimo dos leitores que poderão eventualmente atrair futuramente novos operadores ou alterações profundas de mercado que poderão afectar as actuais empresas com potenciais grandes prejuízos para os accionistas destas e grandes ganhos para os consumidores, o que deve ser evitado a todo o custo para que os consumidores não percam o bom hábito de verem o seu orçamento diminuir de forma tão substancial para esta área da sua vida.
    Também quaisquer artigos e comentários que refiram defeitos/ problemas nas actuais coberturas de sinal, nas redes, cobranças, devem ser evitados/ removidos de imediato, para que nada belisque a imagem das empresas, que investem fortemente em publicidade e patrocínios em vez de na rede de forma a terem mais clientes em vez de melhores serviços, que no final significa mais euros nos bolsos dos accionistas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A todos os intervenientes nos comentários aqui expostos pede-se sigilo absoluto por forma a evitarem-se comparações infundadas que perturbem o exemplar modelo de telecomunicações implantado em Portugal.
      Atendendo à delicada fase em que vivemos, onde os operadores de rede cimentados se vêm confrontados com inúmeros ataques ao seu modelo de negócio -a propósito do leilão de frequências 5G que favorece novos entrantes em condições mais vantajosas- é fundamental que se protejam os mais altos interesses da população Portuguesa, não perturbando as expectativas accionistas dos investidores e permitindo assim o acesso geral da população a ofertas completas, distintas e muito abaixo do preço médio Europeu.
      Com devido sentido de responsabilidade, devemos condenar qualquer atuação do regulador que vise o contrário, assegurando um clima decisivo favorável e sem perturbações dos mais altos organismos regulatórios, sem que estes se sintam pressionados no exercício da sua atividade.
      Amém;)

      Eliminar

[pub]