2021/06/30

Windows 11 terá Dynamic Refresh Rate

O Windows 11 vai estar melhor preparado para tirar partido de ecrãs com refresh rate variável com o seu Dynamic Refresh Rate.

Os utilizadores Windows há muito que podem tirar partido das vantagens do regresh rate variável nos jogos, por conta de tecnologias como o G-Sync da Nvidia e FreeSync da AMD. Agora, a Microsoft que aproveitar algo idêntico para o funcionamento do próprio Windows, mas em versão simplificada. Com o Dynamic Refresh Rate, o Windows poderá variar automaticamente o refresh rate de funcionamento, de modo a poder manter um refresh rate reduzido (por exemplo 60Hz) em funcionamento normal, mas aumentar para os 120Hz ou 144Hz (dependendo do monitor) quando se está a fazer scroll ou outras operações que beneficiem de maior fluidez, como estar a escrever com um stylus num tablet.

Ao contrário dos modos G-Sync e FreeSync pensados para os jogos, este DRR funcionará exclusivamente fora dos jogos, para apps Windows 11 que estiverem preparadas para tirar partido desta funcionalidade, o que por agora se limita ao MS Office para scrolling mais fluido, e às seguintes apps para inking (escrita com stylus): Microsoft Office, Microsoft Edge, Microsoft Whiteboard, Microsoft Photos, Snip & Sketch, Drawboard PDF, Microsoft Sticky Notes, Adobe Acrobat, Adobe Illustrator, Microsoft To Do, Inkodo. É estranho que o Edge não apareça como tendo scrolling mais fluido, mas é de esperar que isso seja corrigido atá ao lançamento oficial do Windows 11.

Claro que, tal como acontece actualmente, continuará a ser possível manter permanentemente o computador com o refresh rate mais elevado, e ter a garantia da máxima fluidez em todas as situações - mas no caso de um tablet ou portátil, isso será acompanhado de um consumo de energia adicional, que alguns poderão preferir poupar usando um destes modos dinâmicos.

1 comentário:

  1. Isso recorda-me da tentativa frustrada que a Microsoft teve aqui há uns anos atrás de tentar criar um sistema operativo comum para computadores e dispositivos móveis.

    Com estas novidades do Windows 11, esse caminho poderá voltar a ser percorrido de novo, não?

    Se não for agora já com a versão 11, presumo que possa ser com as seguintes.

    ResponderEliminar

[pub]