2021/08/02

Automóveis eléctricos muito menos poluentes que automóveis a combustão

Como se fosse necessário constatar o óbvio, temos novo estudo que contabiliza todos os elementos do ciclo de vida dos automóveis, e dá vantagem incontestável aos carros eléctricos.

Um novo estudo vem reafirmar aquilo que alguns sectores energéticos têm tentado desacreditar, de que os automóveis eléctricos têm, de facto impacto mais reduzido no ambiente, mesmo quando se contabiliza todo o ciclo de produção de baterias e a sua posterior reciclagem.

Neste momento, os carros eléctricos actuais já são cerca de 70% menos poluentes (tendo em conta todos os aspectos da produção, circulação, manutenção, reciclagem) que os automóveis a combustão tradicionais, valor que pode aumentar para os 77% na próxima década, à medida que a eficiência de produção e utilização for aumentando. Infelizmente, não me parece que este estudo vá impedir que continuem a existir campanhas de desinformação que tentem adiar a transição para os eléctricos - mas, não se esqueçam que se está a falar da indústria que durante décadas sabia, e deliberadamente escondeu, os efeitos nocivos do chumbo nos combustíveis (entre muitas outras coisas).
A grande questão que ainda falta resolver é o "pequeno" factor do custo, mas também aí as coisas começam a ficar melhor encaminhadas, com a chegada de cada vez mais automóveis eléctricos económicos ao mercado, como o Dacia Spring que custará menos de 14 mil euros.


13 comentários:

  1. Pena que os comparativos sejam sempre tendenciosos as modas e a aquilo que se pretende obter como resultado. Nunca li o que e feito As baterias em fim de vida, por exemplo. De como e obtida a energia eléctrica para carregar essas baterias, etc. Só se escreve que são mais ecológicos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engraçado que o que vejo é exactamente o contrário, é a maioria dos comparativos em que do lado dos eléctricos contam tudo desde a produção dos materiais do carro e das baterias, mas nos a combustão só contam o CO2 da combustão em si... mmmh, é quase como se os carros também não fossem construídos e se o combustível que usam não tivesse um percurso gigante de poluição até chegar aos carros... só vez o que te apetece.
      Quanto ás baterias, a maioria dos carros eletricos ainda não tem idade para as baterias terem qualquer fim de vida, mas posso-te dar exemplos básicos. Primeiro, já existem empresas de reciclagem de baterias de lítio em que a eficiência de reciclagem é quase 100%. Segundo, quando uma bateria já perdeu carga suficiente para os km que precisas no carro, ainda continua carga mais que suficiente para usar por exemplo em casa, ou numa empresa, para guardar energia de painéis solares, por exemplo, imagina que compraste um Leaf de 40 kWh, e ele eventualmente já só tem metade disso depois de muitos anos (isso ainda não aconteceu, o Leaf de 40 ainda não tem idade o suficiente), essa bateria ainda consegue carregar 20 kWh. 20 kWh ainda é o dobro das maiores baterias que se metem em sistemas de painéis solares, por isso tens aí muito bem uma segunda e muito longa vida para essa bateria.

      Eliminar
    2. Mesmo comparando a produção de ambos, no caso dos eléctricos há mais dispêndio de CO2 envolvido (e impacto ambiental) devido à extração de metais raros para a produção das baterias (que são necessárias em número muito maior).

      Eliminar
    3. (Baterias à parte, se o CO2 é poluente, então o fabrico de carros eléctricos continua a contribuir para a poluição)

      Relativamente a um futuro parque automóvel completamente eléctrico, depois quero ver onde vão buscar a electricidade toda para os carregar. Se acham que as eólicas e solares chegam, então vão ter uma supresa desagradável. No final das contas, vai ter que se continuar a recorrer a combustíveis fósseis (ou nuclear) para se conseguir a energia eléctrica necessária. No final, ficam com CO2 na mesma + impacto ambiental associado ao fabrico e fim-de-vida das baterias.
      Portanto, com os veículos eléctricos, não se resolve o problema, apenas se "varre para debaixo do tapete" para deixar as empresas ricas e a populaça feliz (e, sem saber, mais pobre).

      Eliminar
    4. Não sabia que com núclear o impacto ambiental fica na mesma e não é capaz de produzir para o teu exemplo.
      Já estou a ver que conhecimento no assunto é algo que não tens. Isso e a habilidade de inventar cenários os quais ninguém está a discutir aqui e que ninguém disse que era a solução.
      Quando se tem um QI de dois dígitos não se entende a diferença entre solucionar um problema, e melhorar, ou ajudar na solução de um problema. Principalmente quando a alternativa que apresentam é ficar na mesma. Que rica lógica, ficar na mesma ou melhorar um bocado até arranjar melhor solução, ah ficamos na mesma porque essa alternativa não é uma solução permanente.

      Eliminar
  2. As coisas não são assim tão óbvias.
    Em vários estados da Austrália chegaram à conclusão *de* que as emissões de CO2 associadas aos veículos eléctricos são mais altas *do* que um veículo de combustão normal:

    https://wattsupwiththat.com/2019/08/27/australian-new-report-electric-cars-have-higher-co2-emissions/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão aí não é dos carros elétricos, mas pelo facto dos estados utilizarem combustiveis fosseis para produzir energia, o que "contamina" a cadeia de distribuição de energia. A solução passa pela produção de energia renovável, e carregamento de carros elétricos que têm zero emissões na sua utilização.

      Eliminar
  3. É que o Petróleo não é extraído nem tem processo de refinação. Vem já assim das árvores, pronto a abastecer. E o consumo e respectivas emissão ao longo do período de vida útil do veiculo também não conta (deve ficar na garagem o tempo todo).

    ResponderEliminar
  4. O ridiculo desta temática é que o título fala em "poluição" e depois lê-se no gráfico "GHG" (gases de efeito de estufa). Já sabemos que se trata de CO2 e como já foi dito milhões de vezes, o CO2 é uma molécula natural, incolor, insípida e inodora.

    Passam o tempo em masturbações ambientais e depois continuam a deixar se manipular pelos média ignorando completamente a problemática da extracção de elementos (esses sim) poluentes para o fabrico das baterias.

    Mega. LOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vindo do idiota que só manda fake news, é priceless este comentário.

      Eliminar
  5. Ai quando só se lê as grandes e se recusa a ler os artigos!

    ResponderEliminar
  6. A alemanha já está a desmantelar as eolicas. Foi uma tentativa falhada. Quando tivermos nuclear de novo a funcionar... tudo bem, até lá toca de queimar carvão e gás para produzir eletricidade. E ai, por muitas voltas que deem, não faz sentido queimar combustível para mover uma turbina para produzir eletricidade e depois usar a eletricidade para mover um carro, em vez de queimar o combustível diretamente para mover pistões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na Alemanha desmontam-se as pás dos geradores eólicos em fim de vida e substituem-se por novos.

      Eliminar

[pub]