2021/10/21

Combustível sintético E-Jet conquista Força Aérea dos EUA

O E-Jet é o primeiro combustível sintético para a aviação feito a partir do CO2 no ar.

Sabendo-se que ainda não há solução eléctrica para a aviação comercial de longo curso, há novos avanços nos combustíveis sintéticos. A Twelve e a Emerging Fuels Technology (EFT) anunciaram a produção do primeiro combustível sintético para a aviação que dispensa compostos fósseis, usando dióxido de carbono extraído do ar: o E-Jet.

Uma das grandes vantagens deste combustível é que é 100% compatível com os combustíveis actuais, não sendo necessário fazer qualquer alteração aos motores ou aviões, e uma vez que o seu processo de produção electroquímico é totalmente "puro", o combustível resultante não tem qualquer contaminante, sendo ainda mais eficiente - e resulta em emissões 90% reduzidas, tendo em conta que está apenas a reutilizar CO2 que já estava presente na atmosfera.

O grande problema dos combustíveis sintéticos é conseguir produzi-los a preço que seja economicamente viável, mas por agora este projecto conta com a aposta da Força Área dos EUA e tem conquistado inúmeros interessados também no sector da aviação comercial.

... Tendo em conta os preços que os combustíveis para automóveis também começam a atingir, também talvez já se esteja num ponto em que produzir combustível sintético para os automóveis possa ser uma proposta atractiva.

4 comentários:

  1. Os combustíveis sintéticos ate ja estao sendo produzidos em dois paises, um deles a Alemanha que para o ano promete uma produção de cerca de 550 milhoes de litros, e a multiplicar nos proximos anos.
    Essa coisa da menina Van der Leyen tentar proibir produção de veiculos a combustão, vai sair o tiro pela culatra, uma vez que rasgou o tratado de Kyoto e querer dar o passo maior que a perna, depois é o que se ve, combustíveis caros e energia muito cara, e não se sabe ate onde vai parar. Portugal age como se fosse um pais rico

    ResponderEliminar
  2. Efuel+GPL = life goes on!

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem. Assim acaba-se com a agenda anti motores de combustão interna.

    ResponderEliminar

[pub]