2021/12/08

Renault Zoe e Dacia Spring EV recebem 0 e 1 estrelas nos crash-tests NCAP

O Renault Zoe e Dacia Spring EV, dois dos mais económicos carros eléctricos no mercado, receberam pontuações abismais nos crash tests Euro NCAP.

Em destaque pela negativa está o Renault Zoe, que conseguiu a proeza de ser o terceiro carro testado a obter zero estrelas. Uma situação que se torna mais marcante quando se considera que, há 20 anos, foi também a primeira marca a conseguir obter 5 estrelas com o Renault Laguna.

O Zoe tinha conseguido 5 estrelas quando foi lançado em 2013, mas as exigências aumentadas dos testes Euro NCAP, a par de algumas alterações efectuadas no Zoe - como a substituição do airbag lateral por um integrado no banco, que não protege os ocupantes de forma tão eficiente - ditaram este enorme tombo. Os responsáveis da Euro NCAP dizem que, mesmo que tivesse o airbag antigo, a pontuação passaria, quando muito, para uma estrela.

Do lado da Renault, a opção é de tentar desvalorizar a situação, reafirmando que o carro é tão ou mais seguro como era dantes, e que a "culpa" é dos requisitos bastante mais exigentes dos testes Euro NCAP actuais.
Também o Dacia Spring EV, que tem feito furor por ter um preço ridiculamente baixo se ficou por uma única estrela nestes testes. A principal crítica, para além da fraca protecção dos ocupantes, foi para a ausência de sistemas de prevenção activos anti-colisões, que ajudassem a evitar ou minimizar as mesmas.


Mas há também marcas que tiveram motivos para celebrar, com diversos modelos que conseguiram obter 5 estrelas: BMW iX, Mercedes-Benz EQS, Nissan Qashqai, Skoda Fabia e Volkswagen Caddy. Esperemos que com estes casos, as marcas possam fazer os ajustes necessários para que também as gamas mais económicas possam assegurar um nível "5 estrelas" de protecção para os ocupantes.

15 comentários:

  1. Um bocado estranho, os carros tinham 4 ou 5 estrelas no teste anterior e passaram a ter 0 estrelas no novo teste? assim como é que se faz distinção de um carro que não tenha qualquer preocupação com a segurança, e nem sequer tem airbags?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem nada de estranho, os testes evoluíram esses 2 carros não. É o mesmo a categoria energética, o A++ passou a A e o A passou pra C.

      Eliminar
    2. Contudo a estranheza persiste, talvez porque os testes tenham evoluído "demasiado". A analogia seria passar de "A" para "F".
      O que dificulta a comparação entre carros espaçados por poucos anos!

      Eliminar
    3. Algumas pessoas deviam pensar antes de escrever ou tirar conclusões: há testes, por exemplo de TV's que já und 5 anos alguns levavam 98% de pontuação e hoje as novas no mesmos testes então levavam todas 100%?

      Não, os testes têm que ir sendo mais exigentes e se há carros que conseguem 5 estrelas na nova versão do teste, estes são dois modelos são muito atrasados e sub standard.

      Daí que se nota que as empresas cortam em tudo, usam plataformas antigas e já não passam em 2021; mas como em Portugal a segurança ainda é um mito (todos os dias leio em qualquer lado que há malta com karting tipo Hondas com muitos CV mas zero segurança activa e conforto para 2021 mas no entanto para estas pessoas importante são "os arranques" e "muita rotação"... who cares?!), vão vender como bolinhos quentes.

      Eliminar
  2. Miguel Silva a isto eu chamo de " corrupção VIP "

    ResponderEliminar
  3. Parece o prêmio do melhor jogador do mundo...

    ResponderEliminar
  4. Gosto do seguinte: o Dacia tem um preço estupidamente baixo🤣. Opá, sério, 20000€ por um carrinho daqueles, apenas podem dizer que é o eléctrico menos caro do mercado, agora, preço estupidamente baixo🤣🤣🤣

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que tens que reler, em nenhum lado é dito "estupidamente". :)

      Eliminar
  5. Infelizmente, o Dacia nem deveria ser considerado, pois e mais uma motoreta de 4 rodas do que um carro. Enfim opiniões, para mim, barato era custar na ordem dos 10.000€ e já era caro. Claro que aqui a culpa é dos impostos brutais que somos sempre sujeitos. Vale o que vale. 😉

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deduzo que já o testaste...

      Eliminar
    2. A carga fiscal em Portugal é elevada mas também a culpa é das pessoas que não se informam: há modelos às vezes 1000 ou 2000€ mais caros (10-20%) mas são muitíssimo superiores em muitos aspectos. Já os meus ancestrais diziam: quem compra barato sai caro.

      Ora bem, nós modelos caros também há muito más compras como muitos BMW com problemas de fiabilidade, VW com problemas nos TSi... Eu nos últimos anos também tenho visto que na família e amigos os peugeot e Citroën e Ford nos últimos 10 anos dão muitos problemas (só na minha família, no 208 problemas no infotainment, no 308 hdi 112 CV nos injectores que já substituiu todos + problemas eléctricos e nos PSA na bomba de adblue).

      Até agora os que conheço com Audi e Mercedes a diesel andam safos... esses e os com tesla...é carregar e andar.

      Eliminar
    3. fiabilidade das marcas é um bocado sujectivo,podes podes comprar dois Mercedes novos do mesmo ano e um por exemplo faz 300 mil sem dar problemas e o outro não sai da Oficina.Fiabilidade são os toyotas e Hondas mas dos anos 90.Como fazerem 185 mil sem mudar calços e sem desgaste nos discos.Isto sim era fiabilidade,hoje em dia mal se chega aos 70 mil e por vezes até menos temos de mudar tudo seja em qualquer marca.

      Eliminar
    4. Digo isto por experiência pois tive um Toyotaxli e Honda vti e agora tenho uma A4 e um BMW 320

      Eliminar
  6. Toyota corolla K E20.... batia esta merda toda..... os antigos não são charutos.... charutos são estes montes de plastico novos....

    ResponderEliminar
  7. Raro veo esa puntuación

    ResponderEliminar

[pub]