2022/01/01

O que é a travagem regenerativa?

Os automóveis eléctricos têm um "truque" para prolongar a autonomia, utilizando a energia da travagem para recarregar a bateria: um sistema chamado de travagem regenerativa.

Os automóveis eléctricos e híbridos mais evoluídos contam com uma tecnologia designada de sistema de travagem regenerativa. O que isto significa é que cada vez que deixa de acelerar, o motor eléctrico do automóvel passa a actuar como gerador permitindo assim recarregar as baterias. Este processo acontece por via da conversão da energia cinética do veículo, que seria dissipada em calor na travagem, em energia passível de ser recuperada e armazenada na bateria do automóvel.

Isto significa que, além do benefício directo de aumentar a autonomia do veículo e reduzir a dependência da fonte externa de energia, também os travões do automóvel são poupados porque a travagem acontece por via do motor, aumentando assim a sua longevidade e reduzindo a necessidade de manutenção e os custos associados.

O novo Kia EV6 está dotado da mais recente geração do sistema de travagem regenerativa. Este sistema é comandado por patilhas localizadas na parte de trás do volante e permite ao condutor escolher entre seis níveis de travagem regenerativa (nenhum, 1 a 3, "i-PEDAL", ou modo automático), consoante o nível de recuperação energética pretendido. Para permitir a regeneração máxima pode optar pelo modo de condução "i-PEDAL", sendo que neste caso a travagem suave do automóvel dispensa o uso do pedal de travão.


[publicado originalmente no Pela Estrada Fora]

7 comentários:

  1. Num carro elétrico as pastilhas de travão tipicamente duram a vida toda do carro. Assim como todos os componentes do motor, só precisa de mudar pneus, escovas de limpa vidros e deixá-lo ligado a uma tomada de noite para carregar com energia mais barata (é mais barata mas não faz mal ao motor).

    ResponderEliminar
  2. Os primeiros Hyundai ionic já traziam as mesmas patilhas com 3 níveis de regeneração.

    ResponderEliminar
  3. Isso é uma falsa vantagem e deve ser usada a "meio gás", nem devia existir tanta configuração disponível para o condutor, vejamos, se antes de um cruzamento optar por abrandar mais cedo irá gastar gastar menos eletricidade na aproximação e recuperar menos na regeneração, se optar por abrandar mais tarde irá gastar mais na aproximação e recuperar mais na regeneração.

    ResponderEliminar
  4. É uma questão de hábito, quase conduzo o Zoe como se fosse o E-pedal, o travão é último recurso.

    ResponderEliminar
  5. Não entendi no texto se o carro elétrico tem a opção de utilizar a regeneração apenas quando se quer abrandar a velocidade?!
    Se as opções forem apenas com o uso do pedal do acelerador e não tiver a opção de regeneração com o uso do pedal do travão, duvido que a regeneração esteja mesmo a carregar a bateria se for preciso pisar no acelerador para que o carro não pare em ligeira descida da estrada.

    ResponderEliminar
  6. O meu Peugeot 106 100% eléctrico de origem já tem travagem regenerativa. Só não tem as prestações dos novos veículos eléctricos.

    ResponderEliminar

[pub]