2016/09/06

Galaxy Note 7 "explosivos" têm baterias da própria Samsung


O Galaxy Note 7 teve direito a publicidade acrescida de lançamento devido à recolha causada por baterias potencialmente explosivas, e agora descobre-se que afinal o problema se deve às baterias produzidas pela própria Samsung.

A Samsung tem uma subsidiária (SDI) responsável por produzir baterias para os seus smartphones, e o Note 7 representou o primeiro modelo para o qual começou a trabalhar em pleno volume (uma vez que não estava pronta para isso por altura do lançamento dos Galaxy S6 e S7 - para os quais a Samsung recorreu a baterias da LG Chem e da chinesa ATL). Para o Note 7 a intenção seria recorrer completamente à sua própria produção de baterias, plano que foi estragado pelo facto da Samsung não ter conseguido obter a certificação das suas baterias para as vender na China, o que obrigou a que os modelos para esse mercado continuassem a ser equipados com baterias da ATL.

A parte curiosa, é que se estão a pensar que o problema estaria nas baterias chinesas... estão enganados; pois o problema está nas baterias fabricadas pela própria Samsung e que representarão 70% dos Note 7 produzidos.

Bem, as coisas são um pouco mais complicadas, pois todas as baterias usam células da SDI (incluindo as da ATL) mas as que estão a causar problemas estão a ser "empacotadas" por um outro fornecedor, a ITM Semiconductor, que terá sido usado devido à falta de capacidade da SDI em produzir as baterias em volume suficiente. É o mesmo tipo de confusão que já tem surgido em certos fabricantes, que anunciam usar baterias de marcas reputadas, mas que depois não vêm com essa marca indicada na bateria - pois as células podem sê-lo, mas a embalagem é feita por outros (e este caso demonstra que a qualidade da "embalagem" acaba por ser tão, ou mais, crítica que a qualidade das células utilizadas.)


Resumindo, neste momento os únicos Note 7 que serão seguros são os que indicam terem sido fabricados na China, e que estarão a utilizar baterias ATL certificadas para esse país. Todos os outros deverão ser trocados, já que não parece haver forma fácil da Samsung identificar quais estão a usar baterias embaladas pela ITM e quais estarão a usar baterias seguras (e que no ocidente explica porque motivo a Samsung optou por recolher e trocar todas as unidades.)


P.S. Ainda assim, e considerando que as baterias são sempre um elemento crítico, continuo a achar estranho que a Samsung não consiga referir os números de série dos equipamentos afectados.

1 comentário:

[pub]