2017/09/26

iPhone 8 custa €210 em peças


A cada lançamento de um novo iPhone os analistas apressam-se a dissecar o custo das peças para estimarem o lucro da Apple e, sem surpresas, os novos iPhone 8 revelam-se mais caros de produzir - com o preço final a fazer-se ressentir.

Segundo as estimativas da IHS Markit, o novo iPhone 8 tem um custo de $247.51 (cerca de 210 euros) - só em peças - mais caro que os $237.94 do preço estimado do iPhone 7 do ano passado. No entanto, há também que ter em conta que o iPhone 8 passa a trazer 64GB de base enquanto que o iPhone 7 vinha com apenas 32GB, uma diferença que por si só representará um agravamento de $6 no custo das peças; a que se soma mais $5 no custo do novo CPU A11 Bionic.

Seja como for, o custo acrescido do iPhone 8 não representa nenhuma perda para a Apple, já que o preço final do iPhone 8 de base foi ajustado dos $649 para os $699, mantendo a margem de lucro anterior (com as peças a representarem 35% do preço final). No iPhone 8 Plus temos situação idêntica, com o custo das peças a ter subido de $270.88 para $288.08, e com o preço final a ter sido ajustado dos $769 para os $799.

Ter em conta que estes valores não passam de estimativas, pois os preços que a Apple paga pelos componentes serão certamente segredos muito bem guardados; e que não têm em conta o custo de montagem, embalagens, transportes - ou o nada barato custo de desenvolvimento. Ainda assim, e olhando-se para os lucros que a Apple tem tido (e o dinheiro em caixa), é mais que evidente que a Apple não perde dinheiro a fazer smartphones.

... Agora falta saber quanto é que o iPhone X custará em componentes... mas seguindo-se a mesma proporção, o preço de $999 significaria que o iPhone X andará perto dos $350 - o que se aproxima bastante da diferença de preço que tem sido atribuído ao custo extra do ecrã AMOLED full-screen.

2 comentários:

  1. iPhone 8, o maior FLOP da Apple...ainda vamos ver eles brevemente a descerem consideravelmente os preços...

    ResponderEliminar
  2. A Apple tomou algumas opções "estranhas":

    1-) A escolha do nome "iphone 8";
    2-) A escolha do nome "iPhone X" - como se irão chamar os próximos?

    Pessoalmente, não me "repugna" que a Apple continue a apostar no "update" do tradicional formato/corpo do iPhone, política que, aliás, já tinha adoptado com o lançamento do iPhone SE (para as pessoas com mãos muito pequenos e para os amantes do formato do iphone 5).

    Claro que o iPhone X é o verdadeiro "upgrade" do Iphone, como de resto já tinha sido o iPhone 6. Porém, aquando do lançamento do iPhone 6, a Apple reconheceu que muitos consumidores continuaram a preferir o formato/corpo do iPhone 5, razão pela qual, com o lançamento do iPhone 6s, apresentou também o iphone SE.

    Por isso, parece-me que o lançamento do iPhone 8 tem a mesmíssima finalidade: possibilitar ao consumidor ter um iPhone de última geração, mas com o formato/corpo introduzido pelo iPhone 6 (para quem preferir).

    Note-se que, embora esteja na moda (e vamos ver durante quanto tempo), nem toda a gente gosta de smartphones sem margens.

    Dito isto, aquilo que verdadeiramente não tem explicação é a opção pelo nome "iPhone 8". Bastará pensar: se o aparelho se chamasse "iPhone 7s" (que corresponde àquilo que verdadeiramente é), ninguém diria absolutamente nada.

    Diria que nem uma qualquer estratégia de markting justifica a escolha da Apple. O consumidor não é (e já não é há muito tempo) "otário".

    Relativamente ao preço dos componentes, comparando com o preço final, nada de novo e tem explicação... O consumidor paga tudo, inclusive o serviço pós venda, o sistema operativo e as constantes actualizações (geralmente mantidas durante 4 anos). Vale o que vale.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar

[pub]