2013/10/02

Samsung Galaxy Note 3 também "inflacciona" os Benchmarks


Depois de já ter sido apanhada a "afinar" os seus equipamentos para que dessem melhores resultados nos benchmarks, a Samsung parece achar que não está a fazer nada de mal e volta a repetir a dose no Galaxy Note 3.

Equipado com um Snapdragon 800 e um dos melhores displays da actualidade, poderia pensar-se que a Samsung não tivesse que recorrer a técnicas controversas para assegurar a validade do seu Note 3. No entanto, tal como já tinha feito no Galaxy S4, a Samsung continua a detectar quando se executam alguns dos benchmarks mais populares e activa um modo especial de alto desempenho que não está acessível para o resto das apps. Este modo faz com que o CPU do equipamento fique com todos os "cores" activos à frequência máxima em vez de reduzir a frequência e desligar os "cores" desnecessários (sendo que também há indícios que apontam para uma afinação especial do GPU).

O resultado prático é uma melhoria que pode chegar a ser de 20% face aos mesmos testes realizados com o CPU no modo normal em que funcionará nas restantes apps - algo que pode ser comprovado simplesmente mudando-se o nome do benchmark a ser executado de forma a que não seja reconhecido pelo sistema.


É caso para dizer que não havia necessidade disto, já que mesmo sem estas habilidades o Note 3 consegue ser ligeiramente mais rápido que outros equipamentos equipados com um Snapdragon 800. Assim, estamos sujeitos a que se origine uma corrida às "batotas" mais absurdas para inflacionar de todas as formas possíveis e imagináveis os resultados dos benchmarks para que não se fique atrás da concorrência.

Actualização: não é só a Samsung a recorrer a estas tácticas.

11 comentários:

  1. Mas é que não havia mesmo necessidade disto.... Gostava de ver a reação nos media se fosse a Apple a fazer esta marosca ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LG, é verdade que não havia necessidade, mas o marketing hoje em dia é muito importante, e eles foram "apanhados" mas quase de certeza que a Apple também faz isso, contudo como o sistema deles é muito fechado, talvez nunca nunca poderemos ter a certeza disso!!!

      É um pouco como a questão dos 64bits no Iphone, que na minha opinião não terá tantos benefícios como se apregoa, contudo o uso do ARMv8 isso sim trás melhorias significativas!!!

      Eliminar
    2. São coisas diferentes: num caso tens o potencial do CPU ao dispor de todos os developers e apps; neste caso tens um modo "especial" que é activado apenas nas apps de benchmarks e que uma app normal nunca conseguirá atingir. É isso que está em causa.

      Eliminar
    3. Pronto. Quem quiser desempenho brusco é só alterar o nome dos outros programas para geekbench 3 :)

      Eliminar
    4. Bem visto. Mudando por exemplo o nome de um jogo para geekbench 3, é capaz de deixar de correr p'r' aí a 400MHz e passar a correr a 2,3GHz.

      Ninguém que experimentar quanto tempo demora a fritar ? É que não vai baixar dos 2,3GHz enquanto durar o "teste" :)

      Eliminar
    5. Carlos, eu comprendi percebi que de facto eles "forjam" os resultados e quero deixar claro que não concordo com esse tipo de atitudes, contudo ao escrever à pressa as coisas as vezes não saem muito bem.

      O que eu quis dizer foi que possivelmente haverá outros a fazê-lo e no caso da Apple por exemplo, poderão até fazê-lo e ninguém saber, derivado ao facto de o sistema ser tão fechado.

      Contudo, como refere o amigo Wicked mais abaixo, imagina um benchmark ao 5S em que os testes tiram partido dos 64 bits, aumentando assim o resultado, mas que em termos práticos, se calhar pouco aumenta de performance em apps "reais".

      Eliminar
    6. João Carlos, em relação ao sistema da Apple ser fechado, olha que o sistema da Samsung não é exactamente aberto. Não confundas código android com Samsung. Pelo que o tipo disse no artigo do site da arstechnica: "and after a lot of extracting, disassembly, and file conversion, we have human-readable Java code for it:" - Isto não foi propriamente consultado no tão falado open source do android, aliás, nem tem nada a ver.

      Eliminar
  2. Mas a Apple faz de cera forma. Estes testes sinteticos tiram partido dos 64-bits para fazer pedidos, no entanto isso vai ser raro de acontecer em aplicações normais tipo facebook e twitter...

    ResponderEliminar
  3. mas esta gente tá toda burra?
    da unica vez q me dediquei a correr um benchmark para calar algumas pessoas, tb coloquei o scheduler do meu velhinho HTC DHD em Performance. heck, acho q tds os benchmarks de desempenho deviam ser corridos assim.
    agora, como é q um scheduler em Performance vs OnDemand faz tanta diff? o mudar de estado dos Cores demora assim tanto? :\

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Considerando que não tens forma de colocar o equipamento neste modo "turbo", não é questão de burrice mas sim de estar a mostrar algo a que um utilizador que compra o equipamento não tem acesso nas apps "não reconhecidas".

      Eliminar
  4. "With the exception of Apple and Motorola, literally every single OEM we’ve worked with ships (or has shipped) at least one device that runs this silly CPU optimization."
    - Quote from http://www.anandtech.com/show/7384/state-of-cheating-in-android-benchmarks

    ResponderEliminar

[pub]