2018/03/26

Apple prepara iPhone dobrável para 2020?


Depois dos ecrãs "full-screen" a coisa que se segue serão os ecrãs dobráveis, e alguns analistas acreditam que a Apple esteja a trabalhar para lançar um iPhone dobrável no mercado já em 2020.

Ninguém tem dúvidas de que os ecrãs full-screen não serão o fim do avanço na tecnologia de ecrãs; ainda mais quando há anos que se vai falando das imensas potencialidades que os ecrãs dobráveis trazem: para começar, permitindo compatibilizar o desejo de se terem ecrãs cada vez maiores, com o desejo de ter equipamento suficientemente compactos para serem transportados nos bolsos.

Segundo o analista Wamsi Mohan da Merrill Lynch, a Apple já está a trabalhar no desenvolvimento de um iPhone com ecrã OLED dobrável que manteria o tamanho de um smartphone, mas que poderia desdobrar-se para se tornar num mini-iPad, sem quebras no ecrã.

Não se pode dizer que seja propriamente uma surpresa, especialmente quando a Samsung tem estado a trabalhar em algo idêntico há anos; sendo que até já se esperava que um modelo protótipo pudesse ter sido lançado há um ou dois anos, mas que insistentemente continuam a ser adiados com a justificação de que a tecnologia desses ecrãs ainda não está "no ponto" para o permitir fazer - esperando-se que esse modelo dobrável possa finalmente ser lançado no final deste ano.

... Uma coisa é certa; assim que isso acontecer, será apenas uma questão de tempo até que a Apple também recorra a isso - provavelmente com um ou dois (ou mais) anos de atraso, para garantir que a tecnologia está validada e comprovada; tal como fez com os ecrãs OLED no iPhone.

6 comentários:

  1. apple prepara tudo mas é só buzz.
    demorou uma eternidade a ter ecras led e vai demorar outra a ter a maioria das features que agr são padrao no android como a estabilização de imagem e hdr+ do pixel2

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, há que saber dar crédito: foram os primeiros a dar o salto para os ecrãs de alta-resolução (o "retina") um ou dois anos antes de se achar que isso seria possível; o Touch ID ajudou a fazer com que todos os smartphones viessem com impressões digitais; o Face ID é um salto evolutivo brutal (ao ponto de nem ser fácil/barato tentar replicar isso); a utilização de duas câmaras e o efeito "bokeh" é um dos mais bem conseguidos no mercado; etc.

      De resto, é conhecido que a Apple muitas vezes prefere esperar que tecnologias "novas" amadureçam antes de as adoptar (como aconteceu com os ecrãs OLED por exemplo)... ou de pegar em coisas já feitas e implementá-las de forma que resultam numa experiência mais prática ou fácil para o utilizador final.

      ... Por outro lado, por vezes também parece ficar parada no tempo... o salto para o retina nos ecrãs depois ficou parado sem mais melhorias; a Siri chegou, mas pouco evoluiu desde então; etc.

      Eliminar
  2. Não consigo ver a utilidade deste tipo de écrans em telemóveis, nem mesmo em tabets.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Não negue à partida uma ciência que desconhece..." :))

      Eliminar
    2. Num dispositivo portátil que é para manusear e interagir com os dedos não vejo onde é que um ecran maleável ajuda. Um ecran maleável só tem interesse se puder ficar em cima de alguma superfície sólida, direita ou curva. Na melhor das hipóteses estou a ver dispositivos dobráveis em "livro", mas mesmo aí...

      Eliminar
    3. Sim, será esse um dos primeiros propósitos: um smartphone que se abra como um livro e fique em tablet.
      Ninguém está à espera (nesta fase) de algo tipo um ecrã "papel"... :)

      Eliminar

[pub]