2018/03/22

Vídeo do atropelamento do Uber autónomo divulgado pela polícia


O trágico acidente com um automóvel autónomo da Uber que atropelou e matou uma mulher tem gerado enorme preocupação sobre a capacidade destes veículos detectarem pessoas nas estradas, e a polícia já divulgou as imagens que antecedem o acidente que poderão ajudar a explicar o que se passou... mas que também levantam outras perguntas.

Uma das "vantagens" (se assim se pode dizer) dos acidentes com automóveis autónomos, é que estes levam a bordo uma quantidade considerável de câmaras e sensores que registam tudo o que acontece, e que assim permitem recriar a situação e analisar o que se passou. As primeiras indicações que tinham sido dadas era a de que teria sido um acidente impossível de evitar, mesmo para um condutor humano... e o vídeo agora revelado parece demonstrar que de facto assim foi:



A mulher, que ia a atravessar a estrada empurrando uma bicicleta, escolheu o pior sítio possível para o fazer, numa zona sem iluminação logo após uma zona iluminada da estrada (sem considerar que tinha uma passadeira iluminada a poucas dezenas de metros). O efeito é o de ter "aparecido" de repente, sendo que poucos condutores poderão dizer que teriam conseguido evitar este acidente.

Actualização: novos vídeos contrariam o cenário de "escuridão" indicado pelo vídeo da Uber.

... No entanto, estas são apenas as imagens captadas por uma das câmaras instaladas no automóvel. Tratando-se de um dos Volvo equipados com muitas mais câmaras e - mais importante para este caso - LIDAR, torna-se mais difícil compreender porque motivo o LIDAR, pelo menos, não terá detectado a pessoa a atravessar a estrada.




Antes deste vídeo do acidente, imaginava que a mulher pudesse ter saído de trás de um veículo ou arbustos num separador central, impedindo a sua detecção de forma atempada. Agora que vimos o que se passou, não parecem haver desculpas para que, mesmo tratando-se de um acidente que não poderia ser evitado por um condutor humano ou com base em câmaras normais (câmaras térmicas ou de visão nocturna / IR teriam também tratado do assunto) era o tipo de situação que o LIDAR deveria, obrigatoriamente, ter detectado! (Sem esquecer que, ainda o ano passado, a estes automóveis precisavam de atenção constante por parte dos condutores humanos.)

Certamente que a investigação deste caso irá quer ver os dados do LIDAR e o que falhou; e só espero que, ao estilo de um acidente que tive há muitos anos, em que um sujeito chocou comigo e me veio explicar que "foi por ter o ABS avariado há algumas semanas e ainda não ter tido tempo para levar o carro à oficina"  não se venha a descobrir que os LIDAR nestes carros da Uber estejam lá apenas para "enfeitar" e o sistema não os esteja a usar... Vamos acreditar que não, e que há outra explicação lógica para o LIDAR não ter detectado uma pessoa no meio da estrada...

Actualização: novos vídeos contrariam o cenário de "escuridão" indicado pelo vídeo da Uber.

28 comentários:

  1. estranhamente a noticia do jornal público sobre o mesmo video diz que a condutora e a culpada por nao ir a olhar para a estrada, pelo que vi mesmo que fosse a olhar ela torna-se visivel muito tarde, do ponto de vista da camera .. se os nossos olhos teriam conseguido ver uns segundos antes e uma boa questao.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se a condutora fosse a olhar para a faixa de rodagem teria visto muuiiiito antes

      Eliminar
    2. Miguel, não tinha visto nada, nem de perto. Acho que não tens noção que os teus olhos demoram mais a ajustar a diferenças de luminosidade que uma câmara.

      Eliminar
    3. sempre que uso câmaras de vídeo à noite
      quando vou ver o resultado a minha reação é sempre a mesma :

      'porra! tanta coisa que eu não tinha visto ao vivo na hora'

      sempre

      Eliminar
  2. nao me digam que agora vão culpar o condutor/Carro por 1 erro de quem atravessou numa para da estrada que estava escura, estava de preto, sem qualquer sinalização e fora de 1 passadeira!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quem ia a olhar para o telemóvel
      (ou lá o que era)
      e não para a faixa de rodagem
      não tem culpa nenhuma

      é isso é isso

      Eliminar
    2. E quem atravessou sem ver as luzes do carro não é culpado? Parece-me mais fácil vêr os faróis do carro a umas centenas de metros que um vulto a uns metros da frente do carro.

      Eliminar
    3. Concordo perfeitamente. A questão futura será mesmo se o LIDAR consegue ou não lidar com situações semelhantes

      Eliminar
  3. Acho que estes ultimos comentários refletem o que na realidade irá acontecer. As duvidas que irão surgir na atribuição da culpa...

    ResponderEliminar
  4. um condutor em caso de atropelamento so nao e considerado culpado se tiver feito ao seu alcance para o evitar, isso de nao podes atravessar aqui por isso passo-te por cima nao existe.

    ResponderEliminar
  5. lol...se a culpa é do condutor que ia num carro autonomo porque nao viu uma pessoa que passou no meio da estrada de noite entao a culpa de eu a minha mulher e a nossa filha de 3 anos que ia-mos sendo apanhados por um carro que ignorou o sinal verde para os pioes é culpa nossa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. se esse condutor que te ia apanhando fosse a olhar para o telemóvel
      a culpa seria tua

      claro

      Eliminar
    3. Miguel, pelos vistos andas pelos comentários todos a espalhar a tua inteligência...

      Ires a olhar para o telemóvel não faz de ti culpado. Tu não deves conseguir entender que são duas coisas completamente separadas uma da outra, as duas contra as regras da estrada e que lá porque a primeira é quebrada isso não desculpa a quebra da segunda.

      Se passares um vermelho e um gajo vier em excesso de velocidade e se espetar contra ti, a culpa do acidente é tua, o facto do outro vir em excesso de velocidade é irrelevante para o assunto. São dois casos separados e são analisados separadamente. Tu és culpado do acidente porque passaste no vermelho, o outro é culpado de ir em excesso de velocidade, cada um é castigado de acordo com o que fez.

      Eliminar
    4. o condutor a olhar para o telemóvel não é culpado???

      não levas a mal que eu deseje que te apareça um desses condutores pela frente, pois não? é que.. desejo!

      Eliminar
    5. Miguel Maia,

      Mas não é um carro autónomo?
      "Supostamente" conduz por nós...

      Eliminar
    6. "supostamente" já o conseguem fazer.
      *supostamente*.

      na realidade
      não.
      e, por isso,
      testes e ensaios *têm* de ter 'condutor'.
      condutor *atento*.

      Eliminar
  6. Só tenho isto a dizer: do pouco que se pode ver no vídeo, é mesmo muito assustador... :(

    Se por um lado me parece haver incúria por parte da condutora, por outro, parece-me mesmo que se os sistemas de automação estivessem todos plenamente funcionais, isto teria sido evitado.

    A senhora da bicicleta não me pareceu estar atravessando muito depressa.

    No entanto, parece-me que a câmara não estaria bem calibrada para lidar com as grandes diferenças de luminosidade ao longo da estrada.

    Muito estranho, isto tudo...

    ResponderEliminar
  7. tive a oportunidade leia-se mais tempo para rever o video pausando-o e aos 0.03 segundos a uma distancia que eu calculo de 3 a 4 metros a senhora e visivel na estrada, agora falta-nos informação do local que era eba que velocidade o automóvel seguia, esta cientificamente provado que desde que um humano ve um obstáculo e decide travar decorre um segundo neste segundo o carro ja avançou pelo menos um metro a 50/kmh depois temos de somar o tempo de travagem absoluta que depende de carro para carro o estado do piso e dos pneus, nao e facil.... uma coisa e certa o carro seria sempre mais visivel para o peao do que o contrário, acho que estes veículos estao a dar os meus passos que a aviacao deu, muitos avioea cairam ate se tornarem o meio de transporte mais seguro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. esqueces-te de que o 'olho' da câmara é muuiiito mais cegoceg que o humano...

      Eliminar
    2. o problema não é olho da camera. são os sistemas lidar que se tivessem a funcionar bem teriam detectado a muitos mais metros de distância. de qualquer forma também me parece que a ciclista não ligou puto a se vinham carros ou não...

      Eliminar
    3. Exatamente, acho que o ponto principal de falha é o Lidar que devia ter visto a sra assim que meteu o pé na estrada mesmo sem qq luz. Em relação à camara, é dificil de saber o que o olho humano conseguia ver naquelas condições, mas tenho dúvidas que fosse assim tão dificil de ver a sra como a camera apanhou no video.

      Eliminar
    4. Os carros têm câmaras de infravermelhos que conseguem ver nitidamente sem qualquer luz e mais, o Volvo XC90 que penso ser o carro em questão tem sistema de travagem automática, "Proteger os ciclistas
      Se um ciclista de repente se atravessar à frente do seu automóvel, o nosso sistema de deteção de ciclistas alerta-o com uma luz no para-brisas e trava por si se for necessário agir rapidamente." Onde estava este sistema na hora H? Será que foi desativado para não interferir com os sensores do sistema de condução autónoma!?

      Eliminar
  8. Parece que vai um pouco acelerado mas a agravar isso é o facto da "condutora" estar completamente desatenta da condução e da estrada logo o facto de poder assumir o controlo do carro ser algo inútil, a imagem é fraca em luminosidade como já referiram o que é algo inadmissível tendo em conta todo o valor do veículo, tenho quase a certeza de que o veículo em questão tem de origem sistema para detectar obstáculos e se não tiver o que é que o radar no tejadilho estava a fazer. Erro claro da pessoa que atravessou a estrada mas, acho que está na hora de rever estas autorizações de circulação de carros "autónomos" pois está visto que tanto funcionam bem como não funcionam de todo e neste caso houve excesso de confiança por parte da "condutora" numa panóplia de geringonças montadas num carro.

    ResponderEliminar
  9. Este vídeo não releva nada de útil à discussão. Uma imagem de uma dashcam não é certamente o que é usado (pelo menos apenas) para detectar objectos, pessoas, etc...

    Além de que, esta imagem de vídeo é muito menos do que o olho humano consegue ver à noite. Portanto, não sabemos nem podemos deduzir o que seria vísivel para o condutor, caso este estivesse a olhar para a estrada. Importa agora saber, que dados os radares e outras câmeras estavam a obter para que o veículo não tenha travado sequer (assim parece) e que não tenha tentado um desvio.

    ResponderEliminar
  10. Porque é que o veículo não circulava com luzes de estrada (máximos)?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque provavelmente foi mais uma funcionalidade do carro que foi desligada como a travagem de emergência.

      Eliminar

[pub]