2018/05/24

TicWatch Pro usa ecrã secundário transparente em smartwatch Wear OS


Temos um novo smartwatch com Wear OS (ex-Android Wear) a chegar ao mercado, e que adopta uma curiosa configuração com dois ecrãs para tentar prolongar a bateria.

O TicWatch Pro da Mobvoi traz tudo aquilo que se pode esperar de um smartwatch com Wear OS, mas a sua característica diferenciadora é a táctica utilizada para conseguir prolongar a autonomia - que tanta importância tem, especialmente neste segmento de equipamentos: a utilização de um ecrã secundário transparentes.

Até agora, a técnica mais comum tem consistido na utilização de ecrãs OLED, usando um modo "always on" para mostrar informação como as horas em modo simplificado quando não se tem o smartwatch com o ecrã "ligado". Neste Ticwatch Pro, essa tarefa é relegada para um ecrã LCD transparente que fica sobre o ecrã principal, e que pode apresentar informação em formato idêntico ao de um relógio digital. Este ecrã tem um consumo bastante mais reduzido (veja-se o caso dos relógios tradicionais, onde uma pilha pode durar vários anos) e, quando se quer usar o smartwatch em pleno, fica transparente para permitir ver-se o ecrã a cores completo.


A ideia é muito interessante, mas os resultados não são tão bons quanto se desejaria. A Mobvoi anuncia uma autonomia de 2 dias para este TichWatch Pro, o que é praticamente idêntico ao que se obtém num smartwatch Wear OS com um único ecrã OLED. Pelo que, em efeitos de utilização prática, continuará a ser um relógio que se terá que recarregar diariamente, não trazendo qualquer vantagem efectiva nesse campo.

A única diferença é que é possível usar este smartwatch num "Essential Mode" que desliga a maioria dos sistemas, funcionando apenas em modo minimalista com o ecrã de baixo consumo, e que permitirá uma autonomia de até 30 dias (e incluindo contagem de passos). No entanto, sempre que se quiser tirar partido do Wear OS, teremos que esperar cerca de 1 minuto para que o sistema reinicie - o que de certa forma mostra que a verdadeira poupança que terá que ser feita a nível dos smartwatches é mesmo na optimização do seu funcionamento, e não propriamente poupar "no ecrã".

2 comentários:

  1. Vamos esperar que o novo processador da Qualcomm dê uma ajuda, mas penso que só mudar o processador não vai resolver tudo

    ResponderEliminar
  2. Bah o meu dá bateria para um ano e só custou 25 euros....

    ResponderEliminar

[pub]