2018/06/14

Apple confirma bloqueio das ferramentas de desbloquear iPhones


Confirmando os rumores, a Apple vai mesmo fechar a porta aos dispositivos estilo GrayKey, utilizados pelas autoridades para desbloquear iPhones confiscados, desactivando a porta lightning uma hora após se ter bloqueado o iPhone.

Anteriormente esta capacidade já tinha sido referida numa versão beta do iOS, mas que na altura permitia o acesso via porta lightning durante 7 dias após o último bloqueio. Esse período rapidamente gerou bastantes críticas, pois parecia que o único motivo para que fosse permitido tanto tempo seria o de facilitar o uso dos tais dispositivos, que podem descobrir códigos PIN numa questão de dias (ou até mesmo minutos, no caso de PINs básicos).

Com esse período a ser reduzido para 1 hora, o processo de utilização desses dispositivos torna-se bastante mais complicado para as autoridades; considerando que mesmo no caso de um iPhone ser apreendido, haverá que considerar todo o tempo de o fazer chegar ao laboratório para ser analisado, etc. etc. Pelo que, na prática, fica a "porta fechada" a este tipo de acessos (para os utilizadores não deverá haver diferenças de maior, pois a porta continuará a permitir o carregamento, mesmo depois de ter passado este período de tempo).

Como se pode imaginar, quem não está nada contente com esta medida são as autoridades que investiram neste sistemas de desbloqueio, e que com a chegada do iOS 12 se transformarão em dispendiosos pisa-papéis, para não falar de que deixarão de ter o acesso fácil à informação nos iPhones. Mas o que é certo é que não se deve, nem pode, culpabilizar um sistema de segurança por este ser seguro, independentemente do que - e de quem - protege.

1 comentário:

  1. Também não eram todas as autoridades que tinham a máquina (e se calhar não eram só as autoridades).
    Num velório a polícia apareceu com um iPhone para tentar que o dedo do defunto desbloqueasse (não desbloqueou, há um tempo limite para isso suceder).

    P.S. Escândalo no velório, mas pelos vistos um morto já não tem direito a privacidade, a polícia não cometeu nenhuma ilegalidade.

    ResponderEliminar

[pub]