2018/09/21

Amazon revela novos Echo, micro-ondas, sistema de segurança e mais


A Amazon já revelou a sua nova linha de produtos Echo, a par de novas funcionalidades da Alexa, e demonstra estar a abrir uma frente de batalha que se alastra para todos os lados.

Para além do subwoofer e módulo de tomada, a Amazon revelou um novo Echo Dot, que chega com design ligeiramente mais arredondado e volume mais alto (mantendo o preço de $50). O Echo Plus ganha funcionalidades acrescidas, podendo controlar smart devices mesmo sem ligação à internet (um comando para acender ou apagar as luzes não estará dependente da cloud para funcionar). Não menos interessante, temos também um novo Echo Input, que é um Echo sem alto-falante, concebido para ser ligado a um qualquer dispositivo que já tenha colunas (tem quatro microfones e disponibiliza as mesmas funcionalidades que um Echo normal - mas usando a tal coluna externa a que for ligado) com um preço de $35.


Ainda relacionado com a capacidade de adicionar a Alexa a sistemas de som já existentes, temos também o Link e o Link Amp.


Estes dispositivos são concebidos para serem ligados a um sistema de som já existente, com a diferença a ser que o Link Amp conta com amplificador para se tornar ele próprio no sistema de som - bastando adicionar colunas.

Mas há mais... muito mais.



A Amazon mostrou um Echo wall clock, relógio de parede que se liga via Bluetooth a um Echo, e que conta com LEDs que indicam temporizadores e alarmes que sejam criados através da Alexa (e que se acerta automaticamente) por um preço de $30 que me parece aceitável . Mostrou também um micro-ondas de $60 com WiFi que pode ser controlado via Alexa e que conta um botão dash para encomendar pipocas com um só toque. Nova  câmara de segurança Ring Stick Up Cam, para interior ou exterior, com versões completamente wireless ou alimentadas via PoE / microUSB, com microfone, coluna, sirene, e integração com as plataformas de segurança da Ring e também a Alexa. E ainda um novo Echo Show, com ecrã de 10", e que agora conta com um hub smart home, suporte para browsers adicionais (como o Firefox), e integração com câmaras e sistemas de segurança (por $229).


E não... a Amazon não se ficou por aqui. Temos também o Echo Auto, criado para ser colocado e utilizado num automóvel (por $50). E além disso há muitas novidades do lado da Alexa: como a capacidade para sussurrar ou falar baixo quando determinar que é adequado; ser mais pró-activa a sugerir coisas que acha que serão do interesse do utilizador (com os "Alexa Hunches"); processo de configuração/emparelhamento inicial de produtos simplificado; integração com campainhas/câmaras da Ring; lembretes geolocalizados; rotinas com tempo de atraso; e ganhando toda uma nova vertente na área da segurança.

O Alexa Guard será um modo que se pode activar quando se sair de casa, e onde a Alexa tirará partido de todos os demais dispositivos que tiver à disposição Echos, câmaras, etc. para determinar potenciais situações anómalas, como ouvir barulhos de vidros ou partir ou alarmes de fumo, quando não devia estar ninguém em casa, ou detectar movimento através das câmaras, etc. Também terá capacidade para simular actividade, acendendo e apagando lâmpada de forma aleatória (assumindo que se tem lâmpadas integradas com a Alexa).


Enfim, uma verdadeira overdose de Echos e Alexa que demonstram o quanto a Amazon está disposta a investir para garantir que as pessoas não sintam necessidade de se mudarem para o campo da Google e do Google Assistant. Talvez num futuro não muito distante se chegue ao ponto de acharem que se justifica disponibilizarem os seus assistentes em português de Portugal, para tentarem cativar clientela por cá.

2 comentários:

  1. A primeira empresa que fizer vai ganhar vantagem , até porque se compra hardware e isso é uma garantia de uma provável fidelização , embora nalguns produtos exista uma ambivalência que não garante há partida fidelizações e já para não falar em todo o software open source que está a surgir e que nos permite fazer uma salganhada com diversas marcas.

    ResponderEliminar
  2. Depois de ler que o estado chinês já tem um sistema de pontuação social, até sinto calafrios em ver os produtos de automação com comandos por voz e com ligação a clouds. O dinheiro é importante, mas não é tudo.
    http://www.abc.net.au/news/2018-09-18/china-social-credit-a-model-citizen-in-a-digital-dictatorship/10200278?pfmredir=sm

    ResponderEliminar

[pub]