2018/09/02

Halo mostra o que vale no GP da Bélgica


O Halo de segurança introduzido na F1 tem sido ponto de polémica, mas no arranque do GP da Bélgica mostrou o que vale, potencialmente salvando a vida do piloto Charles Leclerc.

Muitos fãs da Formula 1 consideram que o halo introduzido como  sistema de protecção aos cockpits, directamente à frente e sobre a cabeça dos pilotos, é uma peça que retira muito do encanto da modalidade. Mas o que se passa é que é simplesmente um sistema em que a função a cumprir se sobrepôs ao factor estético, e o arranque do GP da Bélgica no passado fim-de-semana serviu para o demonstrar.

Na travagem para a primeira curva Nico Hulkenberg não conseguiu evitar o choque com o carro de Fernando Alonso, projectando-o pelo ar para cima de Charles Leclerc.


Coube ao "inestético" Halo suportar toda a força do impacto e evitar que isso tivesse sido feito pela cabeça do piloto, com resultados que previsivelmente não teriam sido muito saudáveis para o mesmo.

... Agora perguntem-se novamente... teria sido melhor não haver Halo só para que os carros ficassem mais "bonitos"?

2 comentários:

  1. Lá por o halo ter sido danificado no acidente, não quer dizer que o Leclerc ia levar com o carro do Alonso em cima da cabeça.

    Para mim não é apenas uma questão de estética, embora considere o halo uma aberração implementada em cima do joelho (teria preferido um cockpit fechado tipo LMP1), o desporto motorizado requer coragem para enfrentar riscos, por este andar daqui a 10 anos os pilotos estarão a conduzir os seus monologares da garagem com um joystick

    ResponderEliminar
  2. Descupa lá Bruno, mas "o desporto motorizado requer coragem para enfrentar riscos" é uma frase sem nenhum sentido. Repara até onde ela pode levar, por exemplo "não usem capacete para podermos ver as emoções dos pilotos"!! :P

    ResponderEliminar

[pub]