2018/10/28

IMAX encerra VR Center de Nova Iorque


Depois de ter feito uma forte aposta na realidade virtual como sendo o futuro do entretenimento, a IMAX parece reconhecer que as suas expectativas poderiam estar desfasadas da "realidade real", como demonstra o encerramento do seu centro VR em Nova Iorque.

Penso que ninguém põe em causa o poder transformativo da realidade virtual e realidade aumentada, que têm potencialidades que vão para além de tudo aquilo que se possa imaginar actualmente. Mas, para que isso aconteça, será necessário ter, em primeiro lugar, a tecnologia capaz de produzir imagens de alta qualidade que as pessoas "esperam" que a realidade virtual tenha (e não algo que, quando se experimenta, pareça um monitor com pixeis gigantes que nos faz lembrar os gráficos da década passada); e, em segundo lugar, toda a parte do software e conteúdos capazes de tirarem o melhor partido dessa tecnologia, de forma que não seja algo que se experimente apenas uma vez, como curiosidade, e seja posto de lado.

No caso da IMAX, a aposta poderá ter sido prematura. Este IMAX VR Center em Nova Iorque contava com 12 pods VR, mas a adesão não estaria a ser significativa... pois de outra forma não o iriam encerrar.

De certa forma, quase nos faz traçar um paralelo para a tentativa de impingir televisores 3D aos consumidores - que também foi uma aposta condenada ao fracasso (uma vez mais); se bem que neste do VR acredito que o problema tenha mais a ver com o facto da aposta ter sido feita de forma demasiado prematura. Talvez por daqui a uma década, as coisas sejam bem diferentes; mas por agora a IMAX parece não estar interessada em ser ela a suportar todos os custos associados a ser pioneira nesta área.

1 comentário:

  1. A politica do Imax é um pouco estranha, inclusive em relação aos filmes que passa nos cinemas imax. A maioria são maus e ultimamente não são 3D. E se há
    coisa que eu não aprecio é filmes no Imax que não sejam em 3D!

    ResponderEliminar

[pub]