2018/11/21

China começa a produzir baterias solid-state com maior capacidade


Depois de ouvirmos falar de avanços nas baterias que nunca chegam a materializar-se junto do público, eis que chega uma notícia de que uma startup na China já deu início à produção em volume de uma nova bateria de estado sólido, mais segura e com maior densidade energética que as de iões de lítio.

As baterias de estado sólido têm sido perseguidas há muito pelos fabricantes e investigadores, com promessa de que serão o próximo passo a seguir às baterias de iões de lítio que tão bem conhecemos. A Qing Tao Energy Development Co, startup nascida da Universidade de Tsinghua na China, diz que não só criou uma destas baterias, como já deu início à produção em volume das baterias solid-state.

Embora não sejam revelados detalhes técnicos sobre as baterias, é dito que estas baterias atingem uma densidade de 400Wh/Kg, o que seria uma melhoria significativa face aos 250-300Wh/Kg das baterias de iões de lítio actuais. Isto significaria que, de um dia para o outro, poderíamos ter uma melhoria de 33% na autonomia de smartphones e automóveis eléctricos - sendo o maior salto evolutivo nas baterias das últimas décadas.

Infelizmente, mesmo com a produção "em volume", esta startup diz por agora ter uma capacidade anual de apenas 100MW/h, o que seria manifestamente insuficiente para qualquer aplicação em realmente em volume (por exemplo, seria apenas o suficiente para produzir 2000 carros eléctricos com baterias de longo-alcance). Talvez por isso a empresa diga que por agora tem estado a ser utilizada para equipamento especializada e produtos digitais topo-de-gama, embora haja muitos fabricantes automóveis interessados.

Bem, se a bateria for realmente tão boa como está a ser anunciada (falta saber características como ciclos de carregamento, temperaturas de funcionamento, corrente suportada, etc.) parece-me que não demorará muito para que muitos outros fabricantes licenciem ou repliquem a sua tecnologia, e que os próximo anos nos tragam boas notícias em termos das autonomias - desde que não aproveitem para deixar a autonomia dos smartphones na mesma, tornando-os ainda mais finos! ;P

4 comentários:

  1. Se isso significar que podem reduzir a bateria em 33%, podem meter 20 cameras num telemóvel 😃

    ResponderEliminar
  2. E a densidade da nova bateria?
    A relação peso-energia é interessante, mas mais relevante é a densidade. Quando já andam a abdicar de jacks 3,5mm para ganhar uns mm3, claramente não vão mudar para estas baterias se implicar o smartphone ficar mais volumoso para manter a mesma capacidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "... densidade de 400Wh/Kg, o que seria uma melhoria significativa face aos 250-300Wh/Kg das baterias de iões de lítio actuais."

      Eliminar
    2. Claro que eu li isso, mas na minha escola densidade era quantidade sobre volume. Grama não é unidade de espaço, logo não representa volume.
      Essa "densidade" que falam é focada nos carros em que o peso acrescido é mais relevante que o volume ocupado.
      Nos telemóveis 10% de aumento no volume é bem mais crítico que 10% de aumento no peso.

      Eliminar

[pub]