2018/12/13

Austrália só aceita encriptação que possa descodificar - excepto para o combate à corrupção


Enquanto na Europa se vai discutindo a reforma dos direitos de autor, com os seus filtros de censura que funcionem por magia, na Austrália deu-se um assustador passo de gigante para uma sociedade (ainda mais) Big Brother e que põe em risco tudo e todos.

A Austrália passou uma lei que basicamente exige que todas as empresas e serviços tenham que disponibilizar formas de descodificar toda a informação que tiverem encriptada. Esta lei "anti-encriptação" obriga a que todas as empresas e serviços que estejam disponíveis na Austrália - até mesmo um simples website - tenham que cumprir com todos os requisitos das autoridades, incluindo a instalação de backdoors, injectar malware nos seus utilizadores, e aceder a informação encriptada - e ameaçando pesadas multas no caso de não cumprirem.

De lembrar que estamos a falar do país que disse que as leis da matemática não se aplicam na Austrália, quando algumas empresas tentaram explicar que a definição de encriptação segura é exactamente aquela que nem sequer as próprias empresas conseguem descodificar.

Esta lei está obviamente a ser fortemente criticada por todas as empresas tecnológicas, que vão antecipando uma calamidade digital, pois perverter a segurança de um sistema com a premissa de que será utilizada apenas pelas autoridades é uma verdadeira falácia, já que essas backdoors não irão discriminar entre acessos legítimos ou ilegítimos (e os hackers agradecerão a existência dessas portas).

Mas se pensavam que as coisas não podiam ficar mais estranhas... eis que se descobre que enquanto esta lei irá dar poderes anti-encriptação a todas as forças policiais e da autoridade... foi incluída uma excepção, para que fiquem de fora comissões independentes contra a corrupção!



Sim, se imaginavam nunca ver tal coisa escrita, aqui está ela: a Austrália quer que as suas agências tenham acesso a toda a informação privada que circule no seu território, mas que isso não chegue às entidades que combatam a corrupção.


Vamos aguardar pelos próximos desenvolvimentos... e não me parece desadequado antecipar que alguns destes políticos se apressem a mudar de ideias quando começarem a ver informação privada sobre si a ser revelada na internet, com as empresas a dizerem que não podem fazer nada para o evitar, devido ao acesso ter sido feito através dos backdoors governamentais.

... Enquanto isso, alguém duvida que quem estiver a partilhar conteúdos ilegais, continuará a recorrer a ferramentas de encriptação que realmente garantam a segurança das mesmas? É que por muito que a Austrália se queira sobrepor às leis da Matemática, os algoritmos de encriptação do resto do mundo não estarão muito preocupados com isso...

11 comentários:

  1. É só um à parte.
    Já da outra vez referiste " De lembrar que estamos a falar do país que disse que as leis da matemática não se aplicam na Austrália (... disse o Primeiro Ministro da Austrália, vejam lá que burro)".

    O que ele disse efetivamente nada tem que ver com as lei da matemática em sentido literal. O que disse foi: "Dizem-me que, matematicamente, não é possível criar sistemas de comunicação (mensagens, VOIP, ...) que sejam encriptadas e seguras e que ao mesmo tempo possam ser desencriptadas para as autoridades poderem aceder a elas em caso de necessidade. Aqui não mandam essas tais leis da matemática, mandam as lei da Austrália". Resumindo, o que disse foi: "Desenrasquem-se mas cumpram as leis da Austrália" referidas no post.

    Quem sabe se, sob pressão, não se encontra uma nova "lei da matemática" que permita resolver o que é apresentado como uma impossibilidade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, "desenrasquem-se"... A comunidade científica diz que não é possível, mas os políticos saberão melhor. Lá está, só é pena não dizerem para não se "desenrascarem" também a acabar com emissões poluentes; acabarem com o crime; acabarem com a corrupção... Quem sabe, sob pressão seriam encontradas soluções para tudo o que lhes passasse pela cabeça...

      Eliminar
    2. Telefonei ao Primeiro Ministro da Austrália que me disse:
      - Diz ao Carlos Martins que os conhecidos processos judiciais em Portugal de combate à corrupção foram possíveis graças às escuras telefónicas. Se em vez do telefone usassem as que estão agora em causa não teriam sido possíveis.
      - Idem no combate ao crime.

      Eliminar
    3. Interessante teres pegado na corrupção: leste o artigo até ao final, mais especificamente a parte de não dar este poder de decifrar conteúdos às comissões de combate à corrupção? Volta lá a telefonar ao homem para que te esclareça esse ponto s.f.f.

      Eliminar
    4. Aires, se te identificas com esse tipo de regime onde não tens direito a privacidade nem identidade podes emigrar para a China. O problema não é a encriptação, é a corrupção, o crime e o terrorismos. Pela tua lógica, antes de a encriptação ser usada os corruptos estavam todos na cadeia. Fico espantado como o povo é capaz de abdicar da sua liberdade em nome de uma falsa segurança e de soluções imaginárias.

      Eliminar
    5. Agora é que reparei no que escreveste:

      "Sim, se imaginavam nunca ver tal coisa escrita, aqui está ela: a Austrália quer que as suas agências tenham acesso a toda a informação privada que circule no seu território, mas que isso não chegue às entidades que combatam a corrupção."

      O previsto para a a aplicação da "encryptation bill" é a investigação de crimes graves: crimes sexuais, terrorismo, homicídio e drogas.

      Esta coisa das fake news já vem de todo o lado. Quando não se concorda com qualquer coisa inventa-se e põe-se uns pózinhos: "Vejam estes políticos, além de burros, querem meter o nariz na vida dos cidadãos, mas não querem ser investigados pelas comissões anti-corrupção!"

      É pá, eu concordo que a questão de enfraquecer a encriptação para permitir que os bons, leia-se, as autoridades democráticas, possam investigar criminosos, pode facilitar a vida a criminosos que as saibam aproveitar. Isso é objetivo - pode ser impossível que as autoridades de investigação criminal possam desincriptar as comunicações sem que outros criminosos possam aproveitar as vulnerabilidades assim criadas. Mas também pode ser que não seja impossível.

      Agora essa história de todos os políticos são burros e corruptos e temos que nos proteger das autoridades dos Estados democráticos - é populismo demagógico.

      Eliminar
    6. Sim, a Austrália vai seguir o sistema europeu das coisas que trabalham por magia, em que só vai decifrar as comunicações que já sabe antecipadamente que não são coisas privadas.

      Essa de acusar tudo de fake news também já vem de "todo o lado", especialmente quando do lado que está a alertar para os perigos estão os especialistas, os técnicos, os engenheiros, e os inventores das ditas tecnologias. Mas sim, os políticos sabem mais e melhor, indo contra o consenso dos especialistas... É tipo as alterações climáticas; ou aqueles estudos independentes atirados para a gaveta quando os resultados não dizem o que querem ouvir...

      Eliminar
  2. Que pena o povo australiano não saber desenrascar-se e mandar esse totó pela porta fora.

    ResponderEliminar
  3. Depois ficam admiradissímos que "Coletes Amarelos" apareçam. O Povo começa a ficar fartinho que brinquem com ele.

    ResponderEliminar

[pub]