2019/01/03

Apple alerta para quebra de $9 mil milhões nas receitas e culpa a China e as baterias dos iPhones


A Apple parece ter sido finalmente apanhada pela dose de realidade que andava a tentar evitar, oficializando uma drástica redução nas estimativa das receitas, e apresentando algumas desculpas curiosas para o que o terá causado.

Depois de ter indicado estimativas de receitas entre 89 e 93 mil milhões de dólares há apenas dois meses, a Apple veio fazer uma correcção às mesmas, baixando esse valor para os 84 mil milhões. Um valor que se torna algo preocupante, não pelo valor em si (que para a Apple continuarão a ser "trocos") mas pelo facto de revelar um colossal erro de 10% nas estimativas, que demonstra o quanto a Apple estaria iludida pela sua própria conversa de que os iPhones continuavam a vender "melhor que nunca".

A Apple falhou em grande (arrisco-me a dizer que terá sido um bom despertar para a realidade), e agora vem dizer que esta redução se deve às vendas reduzidas na China (em parte por culpa dos atritos causados por Donald Trump) e Índia; mas também, e aqui entramos na parte mais curiosa: devido ao programa de troca de baterias dos iPhones - o programa que a Apple disponibilizou para se tentar redimir do facto de estar a abrandar secretamente os iPhones com as baterias velhas.

Até os grandes fãs da Apple admitem que esta estranha admissão coloca a Apple numa posição bastante suspeita, de que poderia querer manter o abrandamento secreto como forma de "incentivar" os utilizadores a trocarem de iPhone a cada um ou dois anos. E que, ao disponibilizar trocas de baterias a preços acessíveis, os utilizadores descobrem que os seus iPhones ficaram rápidos novamente e não sentem necessidade de trocar para um novo. Mas não que que isso seja o verdadeiro problema...


O verdadeiro problema é que os iPhones estão com preços mais elevados que nunca e o mercado está a dizer "basta". São cada vez mais os relatos de pessoas que compravam um novo iPhone todos os anos, e que nos últimos anos têm vindo a adiar o processo para cada dois ou três anos (eu sendo um dos exemplos disso, depois de ter comprado todos os iPhones ano após ano, parei no iPhone SE e só voltei a comprar anos mais tarde, o iPhone X). É fácil fazer as contas: em vez de ganhar 600 ou 700 euros todos os anos com todos os que trocavam de iPhone, vai ganhar 1100 euros... com alguém que depois só o irá trocar três ou quatro anos mais tarde.

... E isto para não falar naqueles que simplesmente não aceitam dar mais de 1000 euros por um iPhone topo de gama, reconsiderando se não estará no momento de ver o que oferece o lado do Android, com equipamentos modernos e mais que aceitáveis por menos de metade desse valor.


Ter-se chegado a este ponto não era surpresa nenhuma - muitas pessoas (eu incluído) já o vinham a dizer há alguns anos - a maior surpresa é a Apple ter sido aparentemente apanhada de surpresa por isto (há quem diga que tem dificuldade para ver o que se passa fora dos EUA e China). Vai ser bastante interessante ver como a Apple reage, e que mudanças poderão trazer os iPhones deste ano de 2019.

9 comentários:

  1. Imagino os sapos engolidos por Tim "awesome" Cook...
    Compreendo que a diferença são "pinuts" para a Apple, mas vêm aí necessárias mudanças, investidores-oblige.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "pinuts" ?! Ou queria dizer "peanuts" ?
      Antes de mais, as minhas sinceras desculpas por ter detectado um bug no 'source code' acima ;)

      Eliminar
  2. Resumindo:
    - o 4º trimestre de 2017 (ano civi, Q1 2018, ano fiscal) tinha sido o melhor trimestre de sempre. da Apple
    - o 4º trimestre de 2018 (Q1 2019, ano fiscal) foi o segundo melhor de sempre.
    Aonde é que está o drama?

    "Like others in our industry, we are experiencing a slowdown in sales this quarter." - disse Tim Cook. Como é habitual a Apple vai ficar com a maior parte dos lucros dos fabricantes de smartphones.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso o teor de euforia nas cartas aos investidores e empregados... “estamos a descer, mas os outros também...”, porreiro.

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Eu gastei 300€ num poco yo com snapdragon 845+6gb ram + 128gb de armazenamento o que me permite trocar de telemóvel calmamente enquanto quem gasta 1200 deve suar um pouco 😁

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente!
      Aliás, por 1200 euros, podemos comprar um bom telemóvel (300 €), uma consola de última geração (a PS4 base esteve a 200€ no natal), uma máquina fotográfica já com alguma qualidade( 300€), e ainda sobra o suficiente para um portátil básico (400€).

      Eliminar
    2. Bem visto. Um pequeno mas diversificado investimento que já permite poder montar uma base minimamente inicial para se poder, por exemplo, produzir alguns vídeos básicos e passar a pertencer à "classe" dos vlogers, eheh... ;)

      Eliminar
  5. Comprado em Portugal, com os impostos todos incluídos.

    ResponderEliminar

[pub]