2019/04/23

Tesla mostra condução autónoma com o HW 3.0 do Autopilot


A Tesla explicou como criou o seu próprio computador "Full Self Driving" para condução completamente autónoma, e também mostrou o que é que isso representa na prática, com uma nova sessão de condução sem tocar no volante.

Depois de ficarmos a saber que o seu novo computador FSD é imensamente mais potente que a geração anterior, faltava saber o que é que isso representaria em termos práticos. Felizmente, temos também um vídeo a mostrar uma viagem em modo completamente autónomo, que após a actualização do computador nos Tesla actuais (nos que ainda não o tiverem) ficará ao alcance dos clientes que tiverem pago pela opção de condução autónoma total.

O vídeo mostra-nos o Autopilot a lidar sem problemas com estradas locais e vias rápidas, cruzamentos, semáforos, etc. Tudo com surpreendente naturalidade e fluidez (mesmo se aparentemente isso a certa altura implica fazer ultrapassagens pela direita - sendo que também nos EUA parece haver o síndroma de haver quem insiste em conduzir pela via central).

É verdadeiramente impressionante quando se tem em conta que isto está a ser feito sem recurso a um LIDAR ou a mapas "especiais" de GPS, e que teoricamente seria capaz de o fazer em qualquer estrada. Vai ser interessante ver que tal isto funciona nas estradas portuguesas. :)

7 comentários:

  1. Estou curioso para ver quantos se vão espetar e morrer a tentar imitar isto e a quem vão ser inputadas as consequências.
    Para quem dizia que o AutoPilot não é para ser entendido como um piloto automático sem input do condutor bem que se esforçam por passar a ideia oposta.

    Até pode ser superior aos condutores normais mas a questão não é essa: se alguém morre num carro conduzido pelo Autopilot de quem é a responsabilidade? Se a tesla se mete com isto, a Tesla é a responsável. Logo será sempre a responsável por indemnizar potenciais familiares das vítimas (aka. Beta Testers).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A responsabilidade será idêntica à de se morrer num táxi ou autocarro, ficará a cargo da entidade responsável e respectivo seguro.
      Se a taxa de acidentes for inferior aos humanos, serão seguros muito mais baratos.

      Eliminar
    2. Quem testa estes sistemas tem a obrigação de estar consciente das suas limitações e de se manter alerta em todos os instantes, não só pela sua segurança mas também pela dos outros. Aliás, se aceitam ser beta testers provavelmente devem aceitar algum tipo de cláusula que obriga à vigilância em permanência enquanto usam o sistema.

      Eliminar
  2. Até lida bem com stops e cruzamentos com boa visibilidade... gostava de o ver a fazer o mesmo em alguns cruzamentos e stops cá na minha zona, em que para vermos se podemos avançar temos de meter a frente do carro quase no meio da estrada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provavelmente lida melhor que os humanos, porque nós vamos sentados a meio do carro.Basta ter o sensor no pára-choques da frente para não ter de meter meio carro na estrada para "ver".

      Eliminar
    2. Na sessão sobre a condução autónoma falaram sobre esses casos, e que o carro pode "chegar à frente" para ver, e voltar a recuar se houver necessidade disso, da mesma forma que um condutor humano faria.

      Eliminar
  3. "mesmo se aparentemente isso a certa altura implica fazer ultrapassagens pela direita - sendo que também nos EUA parece haver o síndroma de haver quem insiste em conduzir pela via central" - nos EUA não existe a regra de se ter de circular pela direita sendo normais as ultrapassagens pela direita.

    ResponderEliminar

[pub]