2019/07/26

Portugal aumenta limites do autoconsumo solar


Boas notícias para os fãs da energia solar, Portugal aprovou uma expansão das regras da produção de energia solar, aumentando os limites do autoconsumo para 30kW e permitindo também instalações para autoconsumo colectivo.

Até agora, os portugueses que estivessem interessados em instalar painéis solares fotovoltaicos para gerar energia para as suas casas estavam limitados a uma potência máxima de 1.5kW para que a instalação pudesse ser feita na vertente simplificada com uma simples comunicação à Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG). Acima disso era necessário proceder a um registo e obter um certificado de exploração, solução bastante mais custosa e morosa.

Com as novas regras, o limite de geração para auto-consumo sobe de 1.5kW para 30kW e, não menos interessante, passa a permitir instalações partilhadas para autoconsumo colectivo.

Até ao momento, as regras do autoconsumo permitiam apenas que cada instalação ficasse ligada a um único ponto de consumo (casa). Com esta alteração, passa a ser possível criar uma instalação colectiva que seja partilhada por múltiplas residências (por exemplo, vários apartamentos num prédio, ou múltiplas moradias, etc.)

Ambas as novidades são excelentes notícias para os portugueses, e chegam numa altura em que os preços dos painéis solares vai tornando esta opção cada vez mais atractiva (e recomendada). Só falta que as soluções com bateria, para permitir acumular a energia durante o dia, para depois se consumir à noite, se tornem um pouco mais acessíveis. :)

16 comentários:

  1. E eis que as garras da EDP começam a "desgarrar"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles EDP achão que o sol só brilha para eles agora também vai brilhar para os todos.

      Eliminar
  2. O pessoal que vive em zonas soalheiras e tenha hipótese de ter instalações mais produtivas pode em teoria deixar de pagar aos chulos das eléctricas.
    Pudesse eu fazer o mesmo que o Mexia não via um cêntimo meu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... Já por isso mudaram o "aluguer do contador" por "Taxa de potência contratada"... mesmo que não se gaste 1W de electricidade, paga-se sempre.

      Eliminar
    2. Por isso é que eu digo em teoria. No entanto quem tenha conhecimentos suficientes pode ter uma instalação, ilegal diga-se, sem contadores.

      Eliminar
    3. A operação da rede eléctrica tem um custo independentemente do valor consumido.

      Eliminar
  3. Net metering isso sim seria a revolução isto é um pequeno passo, positivo mas pequeno...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é... Aqui no Brasil temos uma regulamentação que permite o net metering e um payback de 4/5 anos e a maioria da população ainda considera um investimento caro...

      Eliminar
    2. Concordo a 100%... Tenho instalado um sistema fotovoltaico de 1Kwh à cerca de 1 ano e pouco, 40% da produção é injectada na rede de borla.
      Diria que o sistema de NetMetering iria aumentar a rentabilidade do sistema em 40%.

      Eliminar
  4. As eleições estão se aproximando, daí a abertura dessas restrições. O autoconsumo não tem qualquer razão de ser restrito é apenas a implantação de equipamentos de produção que podem (e devem, quando de grande porte, ou podo em causa a segurança) serem submetidos a regras. Mas se Portugal (isto é o governo) já autorisou a maior central fotovoltaica da Europa, para poder ser admirado no estrangeiro, não vejo a razão de limitar o acesso à maioria dos portugueses, porque atualmente a produção de energia está acessível a toda a gente. Mas anda aí limitações que estão dificultando o acesso à produção e diminuição de custo de energia à maioria dos lares e por isso dificultando o incentivo às energias renováveis. Esse "jogo" tem de acabar e tomarmos todos posição para regulamentar de forma correcta para todos, este sector de investimento que actualmente é o melhor é mais rentável do mercado.
    Porque a acessibilidade às energias renováveis são para todos!

    ResponderEliminar
  5. Quando é que as novas regras entram em vigor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em prinçipio quando for publicado no Diario da Republica.

      Eliminar
  6. Gostei da noticia mas, e o imposto de importação dos paineis, que a europa aboliu, vai continuar a ser cobrado em Portugal ??

    ResponderEliminar
  7. Depois que eu vi um vídeo falando que Portugal estava a transitar uma lei para taxar o Sol , eu não duvido de mais nada

    ResponderEliminar
  8. Não será uma jogada de dois bicos? Vejo nos comentários várias pessoas a dizer que as garras da EDP isto e aquilo, mas parece-me precisamente o contrário e passo a explicar (embora possa estar errado).

    O registo e certificado de exploração significa que também conseguimos VENDER o excesso de energia à rede. É um valor baixo, cerca de 0,05€ por kWh, mas é dinheiro que a EDP tem de nos devolver na conta. Neste regime simplificado, isso deixa de acontecer. Ora, quem tem painéis sabe que em alguns momentos estará a injectar na rede, muito ou pouco depende da instalação. Mas a verdade é que isto acontece com praticamente todas as instalações, excepto se estiverem sub dimensionadas. Até aos 30kW (que é a esmagadora maioria das instalações) a partir de agora digam-lhe adeus!

    Pessoalmente não consigo ver isto como uma boa notícia com a excepção de poder partilhar uma instalação em prédios, escritórios e afins. Net metering, isso sim, seria interessante, mas aí as tais garras da EDP apertam e bem ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não... Dantes, para poderes receber essas "migalhas" tinhas que conseguir o contrato, que só seria dado num número reduzido de casos, deixando a maioria a injectar electricidade de borla (e mesmo os que recebessem , receberiam uma fracção do valor que deveriam receber).

      Eliminar

[pub]