2019/08/23

Pagamentos online: Cartões de Crédito vs. Criptomoedas


Quando pensamos em pagamentos online, somos imediatamente remetidos para a ideia de um cartão de crédito para realizar essas transacções digitais. Há, contudo, opções para lá dos cartões de crédito nos pagamentos online - como é o caso das criptomoedas.

Independentemente das escolhas que cada um fará, uma escolha consciente e informada será sempre a melhor solução e pode até passar por combinar bem o melhor dos dois mundos. Fomos, por isso, saber mais sobre estas duas opções que disputam o futuro dos pagamentos.

Pagamentos online com Cartões de Crédito

No que diz respeito aos cartões de crédito, estes implicam que o comprador autorize o vendedor a recolher o pagamento da sua conta, processo esse que envolve vários intermediários: comerciante, adquirente (instituição financeira que permite pagamentos online ao comerciante), emissor (banco titular do cartão de crédito) e o titular particular do cartão de crédito.

Pagamentos online com Criptomoedas

Os pagamentos online em criptomoeda, por seu lado, não são diferentes de uma transferência bancária, sendo o pagamento realizado directamente entre as duas partes interessadas. Contudo, no caso das criptomoedas, o processamento dos pagamentos online é feito através de uma rede privada de computadores, sendo cada transacção registado na blockchain – que é pública. Aquela que é tida como a mais relevante criptomoeda, por exemplo, é baseada na tecnologia peer-to-peer, dependendo da blockchain e da criptografia para a segurança e integridade da transacção dos pagamentos online. Neste caso, e ao contrário do que acontece com os cartões de crédito, quando se efectuam pagamentos online não é necessário fornecer quaisquer informações de identificação pessoal. Isto porque cada uma e única transacção de criptomoeda nos pagamentos online faz-se usando um endereço alfanumérico anónimo.

Cartões de Crédito e Criptomoedas: principais diferenças

Sabemos ainda que há um aspecto fundamental a marcar a diferença entre estas duas formas de pagamentos online: enquanto que o cartão de crédito é também usado “fisicamente” e pode andar para todo o lado connosco na carteira, as transacções de criptomoedas são, por outro lado, enviadas para “carteiras electrónicas” que podem estar localizadas num computador, dispositivo móvel ou cloud.

Há um ponto importante no que às criptomoedas diz respeito: as transacções são irreversíveis. Isto é, a partir do momento em que os pagamentos online são efectuados só podem ser reembolsados se quem recebe o dinheiro o quiser devolver. Os cartões de crédito, por outro lado, permitem cancelar as transacções. Quanto às taxas, nos cartões de crédito podem ser de 0,5% até 5%, enquanto que nas criptomoedas as taxas são calculadas em função da quantidade de dados enviados.

As baixas taxas de transacção são benéficas para a relação comerciante / comprador nos pagamentos online com criptomoedas, ao mesmo tempo que o seu uso elimina o risco de fraudes através de cancelamento dos pagamentos feitos. É um processo cuja estruturação protocolar a nível tecnológico se traduziu num sistema simples e seguro. Os cartões de crédito podem, por seu turno, oferecer outras possibilidades. Permitindo, por exemplo, solicitar um empréstimo, aumento do plafond, ter um sistema de pontos, benefícios e ofertas para clientes ou disponibilizar pagamentos fraccionados – como os cartões de crédito Unibanco. O cartão de crédito continua também, sem dúvida alguma, a ter maior aceitação entre os comerciantes e ser de utilização mais simples pelos clientes.

Claro que em grandes cidades e em lugares onde a tecnologia está histórica e culturalmente mais enraizada como Tóquio, no Japão, a criptomoeda já é uma solução para alguns comerciantes em lojas físicas para além das opções do cartão de crédito, cartão pré-pago e pagamento móvel ou electrónico. O processo, neste caso, é feito através de QR codes, também estes com uso já recorrente no país do Sol Nascente, o que facilita a introdução do elemento criptomoeda numa cultura de hábito já existente. Lembre-se ainda que o Japão já tem regulamentação para a criptomoeda, através da supervisão da Agência de Serviços Financeiros do país, o que também ajuda na sua adopção por parte dos comerciantes.

Cartões de Crédito e Criptomoedas: qual a melhor opção?

Mas, mais uma vez, é preciso olhar para o reverso da “moeda”. Porque se à primeira vista a transacção através de criptomoedas pode apresentar-se como sendo vantajosa pela eliminação dos custos relacionados com as taxas das máquinas de cartão, por outro lado as cotações no mercado das criptomoedas bem como a desconfiança quanto ao tema “Bitcoins” e a volatilidade que lhes está associada podem ter impacto no seu uso diário. O melhor será estar informado sobre este mercado em expansão, mas usar pensamento crítico face à euforia do momento e não descartar o uso do cartão de crédito apenas porque parece ser um meio mais tradicional.

A melhor opção será estar consciente das vantagens e desvantagens de cada um, e optar por aquele que for mais adequado para cada situação.

6 comentários:

  1. Outra solução bem mais simples é segura é mbway.pt, com a criação de cartões virtuais para compras on libe. Por muito que leia sobre criptomoedas, estas ainda não merecem a minha atenção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente ao quererem puxar os clientes para as suas apps e com as comissões, estão a matar o serviço

      Eliminar
  2. basta ver https://www.youtube.com/watch?v=pvUbLjoHKAQ

    ResponderEliminar
  3. Alguém poderá ter dúvidas em relação às moedas desmaterializadas vulgo virtuais? Este será sem dúvidas o futuro e quanto mais se atrasarem mais perdem e não tardará muito que os governos criem regras apertadas pois as economias dos países assentam actualmente nos sacrifícios dos contribuintes.

    ResponderEliminar
  4. Sr Carlos Martins,

    Estou (desagradavelmente) surpreendido por constatar que, 10 anos após a sua criação, o Sr. ainda não percebeu a Bitcoin no seu todo.

    A Bitcoin é muito mais *do* que um mero sistema de pagamentos. A Bitcoin é inovação monetária. Uma nova forma de dinheiro. Dinheiro saudável, limitado na quantidade e regulado por algoritmos matemáticos, cuja emissão diminui com o tempo.
    A longo prazo trata-se de um depósito de valor. Quem não percebe ou não acredita nisto, paciência...

    Não vale a pena andar atrás das criptomoedas como um melhor sistema de pagamentos, pois para isso já existe o PayPal.

    ResponderEliminar

[pub]