2019/09/22

Como configurar Gmail para enviar email em caso de morte dos utilizadores


Gostavam de ter uma forma de deixar um "testamento digital" no caso de morte ou incapacidade? Poderão ficar surpreendidos por saber que o Gmail já pode fazer isso, sem necessidade de recorrer a qualquer serviço adicional externo.

A necessidade de lidar com o que acontece com os serviços digitais após a morte dos utilizadores vai-se intensificando com a passagem dos anos e o envelhecimento da população que assistiu ao nascimento e crescimento da internet. No entanto, considerando que a última vez que falamos desta capacidade pouco conhecida do Gmail foi em 2013, acho que está na altura de voltar a falar dela.

A Google tem um gestor de inactividade da conta que, como o nome indica, permite aos utilizadores definirem um período do tempo que, em caso de total inactividade, poderá enviar uma mensagem automaticamente para as pessoas que se desejar.


Por exemplo, podem definir que, se não acederem à vossa conta Google durante 12 meses, será enviado um email (escrito por vocês) para alguns familiares, amigos, ou quem muito bem entenderem.

Será uma excelente forma de deixar uma mensagem de despedida que poderá conter informação bastante útil (como a password de acesso à conta Google - não esquecendo um código adicional, no caso de terem autenticação 2FA; e uma lista de outros serviços que possam conter informação "valiosa", como criptomoedas, etc.)

Para minimizar o risco de lapso, este Inactive Account Manager vai relembrando regularmente os utilizadores de que se encontra activo; e há também a segurança adicional que, no tal caso de inactividade pelo período definido, serão feitas várias tentativas de contacto do utilizador, via email e SMS, antes da tal mensagem "final" ser enviada para os destinatários.


P.S. Há também que referir a curiosa parte emocional de se escrever uma mensagem destinada a ser entregue em caso da nossa própria morte. Mas isso, será uma experiência pessoal que cada um terá que viver por si mesmo. :)

10 comentários:

  1. Excelente.
    Só espero que, sendo coisa da Google, não venha depois a ser descontinuada tal como tantas dezenas de produtos e serviços daquela gente...

    ResponderEliminar
  2. O “post scriptum” está engraçado! Com que então uma experiência que cada um terá de viver por si mesmo... em caso de morte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que ler o que está escrito: "... parte emocional de se escrever uma mensagem..."
      Assume-se que a pessoa em questão, ao escrever a dita mensagem, ainda estará viva. :P

      Eliminar
  3. Eu li a frase. Poderia era ter sido melhor elaborada, ainda que a ortografia esteja correta, a semantica faz lembrar um paradoxo do estilo do gato de Schrödinger!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me puderes indicar os erros semânticos paradoxais que parecem estar a complicar tanto a sua compreensão, agradeço.

      Eliminar
  4. Mais do que utilizar em caso de morte, eu vejo utilidade em usar em caso de recuperação de dados de uma conta cujas credenciais de percam irremediávelmente.
    Isto porque, como já aqui refereiram, para quem "está a pensar durar mais um bom par de anos", talvez a google mate o projecto antes desse fatidico dia chegar...
    Bom artigo, Carlos MArtins, como sempre.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Já o configurei há uns anos... A parte emocional não é fácil, até porque temos de escrever para ser lido por alguém que nos perdeu...

    Cerca de uma vez por ano, o Google relembra-nos deste serviço, para garantirmos ter o "testamento" e contactos actualizados.

    ResponderEliminar

[pub]