2019/12/25

Processadores de gama média "ameaçam" os topo de gama

O ano de 2020 poderá representar uma nova era para os smartphones, com os modelos equipados com CPUs de gama média, mais acessíveis, a demonstrarem que pouco ou nada ficarão a perder face aos topo de gama.


Um bom smartphone tem obrigatoriamente que ser equilibrado a todos os níveis. De nada serve um ecrã com alta resolução se não se tiver um processador capaz de o suportar, ou se a memória não permitir a leitura das apps em tempo útil, ou a bateria não permitir que seja utilizado ao longo de um dia. E tudo isto sem esquecer o factor "preço", que se terá que manter dentro dos patamares esperados pelos consumidores.

O segmento da gama média é talvez a mais interessante em termos de desafio para os fabricantes de smartphones. Há que avaliar com exactidão qual o impacto de todos os componentes de hardware, sem que se descure a parte do software. Cada marca pode puxar um pouco mais pelos aspectos que considera relevantes para o consumidor, esperando que a sua aposta esteja em linha com aquilo que estes consideram efectivamente importante. A bateria tem sido um dos aspectos em destaque, assim como as câmaras. E até mesmo os sensores de impressões digitais no ecrã começam a marcar presença neste segmento de mercado.

Os processadores, desde o lançamento dos Snapdragon 632 e 660, passaram a apresentar um nível de desempenho muito interessante para os equipamentos de gama média - tanto média baixa (200-300€), como média alta (300-400€) - com os núcleos Kyro a disponibilizarem um aumento de desempenho de até 40% face os processadores da geração anterior. Mas é aqui que as coisas podem estar prestes a mudar.

Concorrência ao rubro na gama alta

A MediaTek, Samsung e Huawei, têm tentado garantir um lugar ao sol, mas a Qualcomm tem mantindo um domínio incontestado com os seus Snapdragon, com uma superioridade notória em termos de desempenho e consumo energético. A MediaTek, o "patinho feio" do mundo dos processadores, tem feito enormes avanços e afastando-se da imagem dos CPUs low cost. As melhorias em termos de desempenho são inegáveis, assim como a redução do consumo energético.



O seu MediaTek Dimensity 1000 (MT6889) promete acompanhar o Snapdragon 855+ e o A13 da Apple, superando o Kirin 990 da Huawei e o Exynos 9820 da Samsung. Sendo certo que o Snapdragon 860 e o novo processador da Apple vão dar um salto em termos de desempenho, estão criadas as condições para haver mais e melhor oferta na gama alta.

Equilíbrio estende-se à gama média

A Huawei conseguiu nos últimos anos bater-se de igual para igual na gama alta, como os seus Kirin 980 e 990 a estarem ao nível dos Snapdragon 845 e 855. Já no segmento da gama média, o seu Kirin 710 revelou que ainda havia muito trabalho por fazer, ficando longe do desempenho do Snapdragon 710 da Qualcomm.


Este vazio na gama média acaba por ser preenchido com a apresentação de vários concorrentes para se baterem com o Snapdragon 765G da Qualcomm. Na verdade, todos os fabricantes têm nesta altura processadores capazes de disponibilizar um desempenho ao nível de um gama média-alta. Algo que não era de todo esperado, pelo menos de uma forma transversal, com MediaTek, Huawei e Samsung a estarem prontas a se baterem com a Qualcomm.



Num teste no AnTuTu, o Exynos 980 com 332541 pontos bateu o Kirin 810 e o Snapdragon 765G, mas o primeiro lugar ficou reservado para o MediaTek MT6885 que superou a concorrência com 379839 pontos. Haverá contudo que contar com a superioridade que os GPU Adreno continuam a deter sobre os Mali, com a parte gráfica a pender para o lado dos Snapdragon da Qualcomm.

A gama média sai assim reforçada, com os fabricantes a terem alternativa aos processadores da Qualcomm. E esta concorrência irá inevitavelmente beneficiar todos, permitindo a criação de smartphones mais económicos que terão prestações capazes de rivalizar com os CPUs topo de gama da geração anterior.

Sem comentários:

Publicar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]