2020/02/09

Autoridades dos EUA já usam dados de localização comprados para contornar limitações da lei


Revelando ao ponto preocupante a que se chegou, nos EUA surgem relatos de que as agências governamentais já nem precisam espiar milhões de cidadãos e enfrentar potenciais problemas nos tribunais por essa vigilância em larga escala. Em vez disso, limitam-se a comprar bases de dados de empresas comerciais com a localização de milhões de pessoas.

Não será fácil para qualquer entidade governamental alegar a necessidade espiar permanentemente todos os cidadãos de um país; sendo algo que seguramente será arrastado para os tribunais contando com enorme oposição. Mas vivemos numa época onde isso já nem sequer é necessário... sendo bastante mais simples optar pela via comercial de compra de dados às empresas de tracking, neste caso, das localizações de smartphones.

Embora não tenha sido revelada a origem dos dados (poderá ser de operadores de telecomunicações, ou de outras empresas que guardem o registo da localização dos utilizadores), a questão é que, ao serem obtidos por este método contornam todas as restrições e exigências que existem para a eventualidade de dados serem recolhidos pelas próprias agências governamentais. E com isso, ficam com a porta aberta para os poderem utilizar como bem entenderem - incluindo todo o tipo de uso que facilmente reverte serem dados "anonimizados".

... Penso que este será um exemplo perfeito da situação actual. Até agências que teriam os seus serviços de vigilância e espionagem acabam por se render às evidências de que existem empresas comerciais que fazem um melhor serviço a recolher esses dados - e que muitas vezes (quase sempre?) até são dados de boa vontade pelos utilizadores.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]