2020/05/27

Análise ao Huawei P40 Pro

Com o diferendo EUA-China que bloqueia o acesso da Huawei aos serviços da Google, e depois de uma tímida investida com o Mate 30 Pro, a Huawei põe a ausência das apps da Google à prova com a nova série Huawei P40. E sendo assim, qual o resultado para os consumidores? É o que vamos descobrir.


Sem aplicações nem serviços da Google, a Huawei centrou esforços no desenvolvimento de soluções alternativas. Serão os Huawei Mobile Services (HMS) e a AppGallery respostas à altura daquilo que os consumidores exigem? Terá a nova série P40 argumentos para garantir a escolha do consumidor? Temos vindo a utilizar o Huawei P40 Pro ao longo das últimas semanas e é com base na experiência adquirida, que iremos procurar responder às perguntas acima apresentadas.

Unboxing



A caixa apresenta o layout a que a marca nos tem vindo a habituar nos últimos anos, com o smartphone em primeiro plano, e por baixo deste, os acessórios.



Auriculares USB-C, cabo USB-C (5A), carregador e uma sempre bem vinda capa de silicone, que poderá ajudar a evitar danos numa queda inesperada. O carregador é compatível com a norma SuperCharge, disponibilizando uma potência de carregamento até 40W, numa relação 10V/4A, tal como apresentado no P30 Pro.


O Huawei P40 Pro



Em termos de design, a Huawei tem-se mantido fiel às suas linhas mestras, com o corpo em metal a receber o ecrã e a traseira em vidro. Em termos de dimensões não há grandes diferenças face aos modelos lançados anteriormente, com o P40 a surgir mais estreito (0,8mm) e comprido (0,2mm). A espessura aumentou para 8,95mm (8,41mm no P30 Pro, 7,8mm no P20 Pro) e o peso ultrapassa agora as 200g (209g), representando um aumento de 29g em dois anos (192g no P30 Pro, 180g no P20 Pro). Uma das diferenças entre a linha P e a Mate acaba assim por se esbater, com a Huawei a dar preferência a um corpo com maior espessura e peso.



A frente apresenta duas novidades. Depois de um notch (P20 Pro) e um furo central (P30 Pro), a Huawei aposta agora num furo alargado à esquerda, que alberga a câmara frontal, câmara de profundidade (IR) e os sensores de luz ambiente e proximidade. De notar a ausência de uma grelha para saída de som, com a coluna para as chamadas de voz a estar colocada sob o ecrã.



O ecrã Quad-curve Overflow é outra das novidades, com a Huawei a apostar também numa curvatura em cima e em baixo. Um olhar mais atento revela uma realidade algo diferente diferente, com o ecrã a apresentar uma curvatura mínima nesta zonas (ao contrário das laterais onde esta é bem evidente). A curvatura existe, mas de forma pronunciada apenas no vidro frontal e não no ecrã.



À direita, os botões de volume e power, com este último a apresentar um entalhe a vermelho que o permite distinguir dos restantes, algo que não é possível fazer através do tacto pois o acabamento dos botões não apresenta diferenças significativas que permitam a sua diferenciação ao toque.



Na lateral superior, que passa a contar com um acabamento arredondado, um microfone e um emissor de infra-vermelhos para controlo de TVs e equipamentos áudio.



Na lateral inferior, também ela arredondada, o slot para os cartões SIM e NM Card (proprietário da marca), um microfone, porta USB-C e a grelha para saída de som, sendo esta a única coluna utilizada para a reprodução de áudio.


Hardware



Em termos de hardware, a Huawei deu continuidade à política que tem vindo a utilizar já há alguns anos, com o processador da série Mate a equipar os modelos da série P seguinte, sendo que neste P40 Pro temos a versão 5G do Kirin 990 que equipa o Mate 30 Pro.

Ao contrário do que a Qualcomm apresentou com o Snapdragon 865 com núcleos Cortex A77, a HiSilicon optou por melhorar a eficiência dos Cortex A76, estratégia que de resto tem sido sua prática aquando da utilização de um nova geração de processador.

O Kirin 990 5G apresenta dois núcleos de alto desempenho Cortex-A76 a 2.86GHz, dois núcleos intermédios igualmente Cortex-A76 mas a uma frequência inferior (2.36GHz) e ainda quatro núcleos Cortex-A55 a 1.95GHz para as tarefas que necessitam de menor poder de processamento. O GPU continua a cargo do Mali G76, se bem que com um reforço no número de núcleos, que passou dos 10 a 720Mhz (Kirin 980), para 16 a 600Mhz neste Kirin 990.



O ecrã OLED de 6,58" apresenta uma resolução de 2640 x 1200 pixels (~440 ppp), com uma taxa de actualização de 90Hz, uma novidade face ao 60Hz utilizados nos anteriores modelos. Mais uma vez a Huawei mostra-se conservadora, tanto na resolução, como na taxa de actualização. Durante vários anos manteve-se fiel ao Full HD, tendo optado posteriormente por resolução na casa do FHD+. Agora com a taxa de refrescamento passa para os 90Hz, optando por dispensar (por agora?) os 120Hz que têm sido opção na concorrência.

O armazenamento recebe um upgrade sempre bem vindo, passando a contar com a norma UFS 3.0. No nosso mercado, está disponível a versão com 256GB de armazenamento e 8GB de RAM. A bateria não sofre alterações face ao apresentado no modelo anterior, com o P40 Pro a contar com os mesmos 4200mAh do P30 Pro. A bateria suporta carregamento rápido SuperCharge a uma potencia máxima de 40W, com o carregamento sem fios a passar dos 15 para os 27W.

O Huawei P40 Pro está certificado com a norma IP68, sendo por isso capaz de resistir 30 minutos debaixo de água, até 1,5 metros de profundidade. As câmaras, sempre um dos destaques da série P, não deixam os seus créditos por mãos alheias. O arranjo vertical das câmaras traseiras passa agora a ser apresentado num sistema de "ilha" que surge destacado da traseira do smartphone.


Em utilização



Estivéssemos a atravessar um período de normalidade (e não nos estamos a referir ao COVID-19...) e esta secção seria iniciada com um elogio à EMUI, agora na sua versão 10.1. Infelizmente não é esse o caso, pelo que antes de abordarmos a interface, temos obrigatoriamente de falar naquele que é o actual calcanhar de Aquíles da Huawei Mobile: a ausência dos serviços e aplicações da Google.

Antes de passarmos ao cerne da questão, importa fazer um ponto prévio. Ao longo dos últimos meses têm surgido na internet vários guias para instalar os serviços da Google nos smartphones da Huawei. Uns mais simples, outros mais complicados, são métodos que podem deixar de funcionar a qualquer momento, ficando o utilizador "apeado". Tendo em conta que os métodos em questão não são suportados pela Huawei e envolvem a instalação de ficheiros de fonte desconhecida, com acesso a permissões para áreas sensíveis, a sua utilização não foi tida em conta nesta análise.


Enquadramento


Sem os serviços e aplicações da Google, a Huawei tem vindo a fazer o seu trabalho de casa por forma a oferecer alternativas aos consumidores (e developers), que começam desde logo na configuração inicial do equipamento, estendendo-se a diferentes áreas, com o assistente virtual a ser uma das últimas novidades.



No final da configuração inicial, o utilizador tem a opção de migrar os dados de um equipamento Android ou iOS, sendo esta a situação normal para quem esteja a fazer um upgrade. A aplicação Phone Clone já havia por nós sido testada e, com o P40 Pro, voltou a mostrar-se eficiente na transferência de jogos, aplicações, fotografias, históricos de chamadas, SMS e contactos.

Para a grande maioria dos utilizadores, este será um procedimento que fará com que a ausência da Play Store não seja notada de imediato, pois as suas aplicações preferidas, tirando algumas excepções, serão migradas para o novo equipamento, dados incluídos. Ficam a faltar as actualizações e algumas apps da Google, com o GMail e YouTube à cabeça. Para estes dois casos, a Huawei sugere a utilização do serviço via browser, opção que dá acesso ao email e vídeos, mas sem oferecer a mesma experiência de utilização.

Caso o utilizador não tenha um equipamento anterior ou não pretenda utilizar a migração dos dados, a sua vida vai ficar mais complicada. Os contactos terão de ser migrados manualmente, as fotografias ficarão apenas na localização anterior (não sendo este um grande problema...) e as aplicações, essas sim, serão a grande dor de cabeça.



O ecrã principal apresenta cinco pastas com sugestões de aplicações e jogos, divididas por entretenimento, social, lifestyle, jogos e negócios. Em cada pasta são apresentadas várias opções, havendo ainda mais sugestões na zona inferior do ecrã. Com esta alargada oferta, o utilizador ficará
desde logo com um vasto leque de opções para utilização, o que irá garantidamente facilitar-lhe a vida. Como nenhuma das apps e jogos está instalada, quem não pretender utilizar as sugestões terá apenas de apagar as pastas em questão.



A AppGallery mostra-se já bem mais recheada, com a Huawei a estabelecer acordos locais por forma a garantir as aplicações mais utilizadas em cada país.




Os grandes nomes começam a aparecer listados para instalação, mas há casos como os do Facebook e WhatsApp, em que o utilizador é encaminhado para o site oficial, onde pode descarregar a aplicação para instalação manual. Não sendo um processo complicado, por certo irá causar alguns problemas aos utilizadores menos experientes.



Com o número de aplicações a crescer a cada mês que passa, a AppGallery tem ainda um longo caminho a percorrer, faltando diversas aplicações importantes (e menos importantes) no seu catálogo. O utilizador pode sempre sugerir jogos e aplicações a serem incluídos nesta loja da Huawei, ficando com uma secção na gestão de perfil, onde pode consultar os histórico das sugestões apresentadas.



Instagram e Revolut são duas das ausências na AppGallery, sendo que no caso do primeiro, a AppGallery devolve várias propostas sem que nenhuma seja efectivamente a aplicação para acesso ao Instagram. A quantidade de opções acaba assim por pecar pela qualidade dos conteúdos apresentados, ficando o utilizador limitado à utilização da webapp (o que para alguns cenários, pode nem ser assim tão mau).




Esta variedade de oferta é transversal a todas as pesquisas. No caso do Revolut, deparámos-nos com uma situação deveras curiosa para a qual já havíamos alertado há algum tempo. A AppSearch está ainda a ser testada, mas se pesquisarem por Revolut na AppGallery, irá ser apresentada uma sugestão que encaminha o utilizador para o site ApkPure. Este site faz parte das opções da solução que está em teste e tal como o ApkMirror, é um agregador de jogos e aplicações, sendo possível encontrar a grande maioria dos jogos e apps mais conhecidos.



Ambos os sites possuem uma app para facilitar a instalação dos jogos e aplicações, sendo que no caso do ApkPure a solução está mais desenvolvida, informando o utilizador sempre que existir uma actualização disponível para o que este tiver instalado. De referir que a Huawei disponibiliza um serviço opcional, que efectua uma inspecção de segurança a aplicações com origem em terceiros. Será sempre uma garantia adicional de segurança, mas que terá no entanto um alcance limitado, pois não é conhecida a amplitude da verificação que é efectuada antes da instalação de apps e jogos.

A estas duas soluções não oficiais e diga-se, sem qualquer garantia de segurança, junta-se uma outra - esta sim oficial - com a App Store da Amazon a ser outra alternativa de peso, que por isso mesmo deverá ser sempre tida em conta.

Opções não faltam e há ainda o open-source, onde o NewPipe se constitui como uma excelente alternativa à app do YouTube, estranhando-se por isso o facto de a Huawei ainda não a ter na sua AppGallery. Esta variedade de opções acaba contudo por ser uma solução de recurso, que fica sempre aquém daquilo que a Play Store da Google disponibiliza.



Mesmo depois de se escolher a opção manual, a pergunta volta a ser colocada na actualização seguinte.

Com as frequentes actualizações e adição de novos conteúdos, é de crer que a AppGallery e os Huawei Mobile Services possam, a médio prazo, ser uma alternativa válida ao Google Play, até porque a Huawei está a replicar a maioria dos serviços que a Google disponibiliza: Music, Video, Photos, Cloud (onde as fotos pesam no armazenamento) e Assistant, sendo que nem todos estão disponíveis a nível global. É uma opção que se compreende e aceita, mas está longe de ser a melhor opção para todas as partes, com a Huawei a ter de empenhar recursos em áreas onde a Google dá cartas, quando poderia aplicar os mesmos no desenvolvimento de soluções onde a oferta é diminuta.

Há contudo um longo caminho a percorrer, com a EMUI a apresentar falta de evolução, havendo mesmo em algumas situações, retrocessos. O launcher continua a não apresentar as aplicações mais utilizadas, mantendo-se a opção pelas últimas a serem executadas e a App Assistant, que reúne funcionalidades como o GPU Turbo, desapareceu misteriosamente na EMUI 10, voltando a estar disponível na EMUI 10.1. Mais curioso ainda, foi a App Assistant deixar de identificar o Clash Royale como um jogo a poder tirar partido das funcionalidades disponíveis, tendo o utilizador de o adicionar manualmente. Esta situação poderá dever-se à origem da App (Google Play) com o sistema a não a reconhecer automaticamente, algo que acontece também com a aplicação Ai Life da Huawei, a qual foi migrada com o Phone Clone e a App Galery permite a instalação da mesma, não reconhecendo a que esta já está instalada.

É possível passar sem Google Play e Google Services?



Esta era a pergunta que nos assolava. A excessiva dependência da Google não deixava antever uma saída fácil, mas a realidade mostrou-se inesperadamente diferente. Utilizado o Phone Clone para passar a quase totalidade das aplicações para o P40 Pro, foi tempo de encontrar soluções para as questões que ficaram em aberto.

O Youtube, como já acima referido, tem no NewPipe uma excelente alternativa, que até tem a grande vantagem de dispensar os anúncios que inundam os vídeos. O Google Maps funciona, mas sem acesso ao histórico. A AppGalery passou recentemente a contar com o Here Maps, e o Waze é uma alternativa para a navegação.

O Google Photos e o backup automático ficam ausentes, com a Huawei a oferecer o serviço Cloud, que conta com 5GB de armazenamento gratuito. De referir que, ao contrário do que acontece no Google Photos, as fotografias pesam no armazenamento, pelo que o melhor será pensarem noutra opção (Amazon Prime com fotos ilimitadas, por exemplo) ou optarem por uma modalidade paga.



A ausência do GMail é mais um obstáculo a ultrapassar. Não que não seja possível adicionar a conta de email à app Email da Huawei, ou instalar outra aplicação para o efeito, como é o caso do Microsoft Outlook, ou o controverso BlueMail. A questão é que nenhuma destas aplicações consegue organizar o email com a estrutura a que o GMail nos habituou, dividindo as mensagens por assunto. Tratando-se de um hábito, cabe ao utilizador decidir embarcar numa nova experiência, caso contrário, terá de utilizar o browser para consultar o email.

Estes são os principais obstáculos, havendo naturalmente outros de menor dimensão, como é o caso do Google Keep ou Podcasts, sendo que para estas situações, há outras opções disponíveis com o mesmo nível de qualidade.

Assim sendo, sim, é possível passar sem as apps da Google, ou pelo menos reduzir drasticamente a dependência nelas, sendo que, em qualquer dos casos, pois vai forçosamente obrigar à alteração de procedimentos. Se tiverem um smartwatch Android Wear, o melhor mesmo será ponderar a aquisição de uma das várias propostas que a Huawei apresenta no campo dos wearables.

Utilização no dia a dia


Definidas novas modalidade de acção, rapidamente se passa a trabalhar de outra forma. As alterações acabam por passar ao lado, sendo que a principal lacuna está na ausência de actualização para os jogos e aplicações que forem instalados manualmente. Tudo o que tenha origem na AppGallery (ou no APKPure) não terá este problema e na verdade, para a grande maioria dos utilizadores, é bem possível que ausência de actualizações das apps, não seja um problema de grande monta.



Não deixa contudo de ser uma situação que terá que sofrer evolução, passando a AppGallery a contar com um mais vasto e completo leque de jogos e aplicações. Para já, terá o utilizador de se contentar uma notificação limitada às aplicações que a AppGalery sugere para instalação manual.

Quanto à utililzação no dia a dia, a curva do vidro traseiro permite um bom encaixe na mão e os botões laterais estão bem localizados, estando ao alcance dos dedos medido e indicador. Caso haja a tendência para utilizar o smartphone com uma mão, o indicador rapidamente passa para a traseira para equilibrar o equipamento na mão.


Nesta posição, o indicador acaba por ficar por cima da ilha de câmaras, algo que acaba por ser pouco cómodo. Esta ilha, embora tenha um bom efeito estético, acaba por interferir na utilização do equipamento e tendo em conta que o posicionamento das câmaras é exactamente o mesmo que o utilizado no P30 Pro, a opção da ilha acaba assim por ser questionável.

Ainda na traseira, o requintado acabamento do vidro acaba minimizado pelas dedadas que vamos deixando ao longo do dia. Felizmente que esta é uma área menos vista e as impressões dos dedos só são mais visíveis com a incidência de luz directa. Haverá ainda que contar com o "poder deslizante" deste P40 Pro, o qual sai disparado mesa abaixo caso seja pousado sobre uma superfície com um mínimo de inclinação. Ou a ilha de câmaras segura o smartphone, ou terão de o colocar de forma a não escorregar, pois os resultados de uma queda serão seguramente catastróficos.



Na frente, o sensor de impressão digital está bem posicionado, facilmente ao alcance do dedo polegar. É eficiente a detectar a impressão digital, conseguindo ser um pouco mais rápido a responder que o sensor do Mate 20 Pro.



Caso tenham o reconhecimento facial activo, o mais provável é que o P40 Pro esteja desbloqueado antes de tocarem com o dedo no sensor de impressão digital. O reconhecimento da face é menos seguro, mas acaba por ser mais cómodo. E, graças à câmara IR, consegue funcionar em ambientes com pouca ou nenhuma iluminação.

Haverá contudo que ter em conta o espaço que este ocupa, levando a que o orifício do P30 Pro tenha dado lugar a um furo alargado com dimensões consideráveis. Esteticamente, será sempre uma opção controversa, sobretudo para quem gosta de utilizar fundos claros, mas na maioria das aplicações (tirando o vídeo e fotografia), acaba por passar despercebido.



A curvatura nas zonas superior e inferior acaba por ter mais um efeito estético que útil, dado que estas zonas acabam por ter uma utilização reduzida. O acesso ao menu de notificações e a execução de gestos de navegação (caso os utilizem) são onde esta curvatura acaba por mostrar utilidade, com a ausência de arestas, a facilitar a execução dos movimentos.

Na zona inferior, uma única saída de som para a reprodução de conteúdos multimédia, opção que mais uma vez acaba por ser curta para um equipamento do segmento premium. Não que a contribuição do altifalante para chamadas de voz acrescente grande qualidade ao som, apenas se considera que um produto neste segmento de preço deve apresentar uma experiência áudio ao nível dos restantes componentes. Não é esse o caso, mas há que salientar a melhoria quando comparado com o som do Mate 20 Pro, com o P40 Pro a disponibilizar áudio mais limpo e definido.

Ainda em termos de som, a coluna para as chamadas de voz está agora posicionada sob o ecrã. Nas primeiras chamadas, dava por mim a ajustar o smartphone à procura de melhor som. Só mais tarde percebi que estava a colocar a orelha no local errado, com um grafismo no ecrã a mostrar onde a esta deve ser posicionada. A qualidade de som não saiu afectada com esta opção, apresentando um nível de som que nos permite ouvir o nosso interlocutor na perfeição.

Na lateral, a curvatura assenta na palma da mão, mas numa utilização com duas mãos, os dedos na lateral podem dar origem a toques involuntários, com algumas aplicações a não terem esta situação prevista.

O ecrã, com uma resolução conservadora, a meio caminho entre o FHD e o QHD, apresenta agora uma taxa de refrescamento de 90Hz, também ela abaixo daquilo que outros equipamentos neste segmento apresentam. A diferença na resolução acaba por não ser notória, a menos que tenham outro equipamento ao lado. No que diz respeito à taxa de refrescamento, os 90Hz representam uma evolução notória face aos 60Hz, disponibilizando uma fluidez muito superior, ainda que inferior aos disponibilizado pelos ecrãs 120Hz. Segundo a marca, esta acaba por ser uma solução de compromisso entre a qualidade de imagem e o consumo de bateria, opção que por certo acabará por agradar a um alargado grupo de consumidores, adeptos de longas horas de utilização do smartphone, que o poderão fazer até sob forte luz solar, com o ecrã a manter boa qualidade de imagem, num alargado ângulo de visão.






O processador Kirin 990 já foi ultrapassado pelo Snapdragon 865, algo que de resto era esperado, dando novo impulso à inovação e desenvolvimento nas bancadas de trabalho da HiSilicon. Embora não consiga bater recordes, o Kirin 990 disponibiliza um desempenho ao nível que se exige a um topo de gama, sendo que a opção de refinar o design do Kirin 980 se mostrou acertada, sobretudo em termos energéticos, com a autonomia a não sair comprometida.



A bateria de 4200mAh repete a capacidade do modelo lançado no ano anterior. O sistema de carregamento com fios também não apresenta novidades, mantendo os 40W de potência. Já o carregamento sem fios passou dos 15 para os 27W (40W no Pro +), sendo que para usufruírem desta potência de carregamento, terão de utilizar um carregador SuperCharge Wireless.



Nos testes efectuados, uma carga completa dos ~1% aos 100 % levou pouco mais de uma hora, com a bateria do P40 Pro a chegar aos 47% nos primeiros quinze minutos e atingindo 79% de carga em meia hora. Os saltos na imagem, devem-se ao programa utilizado para registo do processo de carregamento, o qual por motivos que desconhecemos, resolveu não apresentar dados durante três períodos de cinco minutos.



De referir que o processo de carregamento também passou a ser inteligente, com o smartphone e aprender os hábitos de carregamento, ajustando a carga completa em função da informação recolhida.



O carregamento não será assim um problema, até porque a autonomia é um dos elementos em destaque neste P40 Pro.



Mesmo com uma utilização intensiva, chegarão ao fim do dia com 20-30% de bateria, ou até mais; isto depois de 5 ou 6 horas de ecrã, WiFi e dados ligados. Um utilizador dito "normal", conseguirá facilmente mais de dois dias de autonomia sem grande esforço de poupanças.



Quem não tiver a autonomia como grande preocupação, poderá sempre optar pelo modo de alto desempenho. Sempre que recebo um smartphone que tenha esta funcionalidade, é a primeira coisa que activo, pois se há mais uns MHz disponíveis, terão de ser espremidos. No caso do P40 Pro, com todas as incógnitas em redor do software, acabei por concentrar a atenção em outras áreas, tendo os testes de desempenho sido efectuados em modo "normal". O facto de tudo se passar de forma extremamente fluída também ajudou a que não me tivesse lembrado de activar esta funcionalidade. Quando o fiz, a autonomia acabou por sair afectada, algo que já seria de esperar, com o tempo de ecrã a baixar para próximo das 4h, se bem que por vezes esta alteração nem se fez notar.



A ligação a um monitor ou televisão continua presente, se bem que bem que desta vez com novidades, embora limitadas a quem tenha um portátil da marca.



É possível estabelecer uma ligação sem fios, com o utilizador a ter a possibilidade de replicar o conteúdo do ecrã do smartphone no monitor/TV, ou em alternativa, utilizando a EMUI Desktop, que dá acesso a um ambiente de trabalho com janelas, se bem que estas estejam limitadas aos formatos definidos pelos developers responsáveis pelo seu desenvolvimento.

Quem tenha um portátil Huawei (ou Honor), pode instalar a versão mais recente da aplicação PC Manager. Tal como no modo de wireless projection, o utilizador passa a ter a possibilidade de replicar o smartphone numa janela com o formato do ecrã, podendo interagir com a mesma, como se estivesse a tocar directamente no ecrã do telefone.



Outra das novidades da EMUI, é a barra lateral com aplicações, algo que já vem de há algum tempo a ser utilizado por outras marcas. A dita barra é chamada com um gesto de swipe com pressão prolongada, podendo ser executada na margem direita ou esquerda do ecrã, aparecendo a barra desse mesmo lado. É possível adicionar novos atalhos para aplicações que, quando chamadas, irão correr em modo janela flutuante. De referir que nem todas as aplicações vão estar disponíveis para serem adicionadas à barra lateral, ficando esta opção limitada às que sejam compatíveis com o referido modo de janela flutuante.



Não havendo Google Apps e Serviços, a Huawei faz pela vida, apresentando no lado esquerdo do ecrã principal o "Today", aquela que será a sua alternativa ao Feed de notícias da Google. Além das notícias é possível ter acessos a atalhos rápidos, consultar informações sobre a utilização do smartphone, sendo que cada um destes itens pode ser desactivado individualmente.



O feed de notícias, é um dos casos onde há muito espaço para melhorar, devendo o smartphone aprender as preferências do utilizador, apresentando assuntos relacionados com as suas pesquisas e consultas na browser. Para já, tal não acontece, com o utilizador a ser bombardeado com conteúdo relacionado com o Covid-19, faltando por isso a opção de escolha e definição do que se pretende consultar neste serviço. Caso não vejam utilidade neste serviço, podem simplesmente desactivá-lo nas definições do ecrã principal, que passam a estar acessíveis através de um gesto pinça, em substituição da pressão prolongada do ecrã.


As câmaras



A série P teve sempre nas câmaras um dos seus destaques. Foi assim, com o P20 Pro e com o P30 Pro, smartphones que conseguiram destronar a concorrência, com Apple e Samsung a terem de correr atrás do prejuízo. Com o P40 Pro, a Huawei conseguiu elevar ainda mais a fasquia, reforçando a liderança no segmento da fotografia mobile.

O conjunto de câmaras, mais um vez desenvolvido em parceira coma Leica, é uma evolução sustentada do quarteto que equipa o P30 Pro. A Huawei aposta agora num sensor de 50MP f/1.9 mais uma vez RYYB, que segundo a marca consegue captar mais luz (40%), num sensor ultra wide com 40MP f/1.8 e num terceiro sensor telephoto de 12MP, o qual disponibiliza um zoom óptico de 5X, que poderá ser estendido até 50X, em modo digital. Este trio, fica completo com um quarto sensor Time of Flight (ToF), para providenciar o efeito bokeh, com os fundo desfocados.

O sensor principal com 50MP, tem a particularidade de ser um dos maiores de sempre utilizados num smartphone, com 1/1.28" com pixeis de 1.22μm, os quais podem ser combinados através da tecnologia pixel binning, juntando 4 pixels num, com uma dimensão de 2.44μm. O resultado é francamente positivo, com as fotografias em zonas pouco iluminadas a ficarem ainda melhores do que aquilo que a marca já havia apresentado. A qualidade é de tal forma elevada, que muita vezes nem é preciso recorrer ao modo noite, bastando utilizar o modo normal, para conseguir obter imagens com excelente nível de luz e detalhe.




É impressionante o que este sensor consegue disponibilizar, conseguindo iluminar uma situação de quase plena escuridão. Poderão verificar isso mesmo nas imagens em cima, comparando o resultado do P40 Pro, com o Pixel 3a, que mesmo sendo de outro campeonato, consegue excelentes resultados nas fotografias com pouca luminosidade.


Huawei P40 Pro


O sensor de telephoto de 12MP, igualmente RYYB, volta a surgir com o sistema de prisma para reflectir a luz. Tal como o sensor de 50MP, também apresenta estabilização óptica de imagem. O zoom de 5X e sobretudo o de 10X, consegue chegar a zonas distantes, mantendo um nível de qualidade de imagem muito elevado, sobretudo se considerarmos que este último é um sistema híbrido. O mesmo já não se poderá dizer do zoom digital 50X, com o resultado a sair demasiado esbatido, com este a ser mais uma manobra de marketing.




Um dos grandes trunfos da Huawei tem sido a facilidade com que um perfeito desconhecedor dos regras básicas da fotografia consegue rapidamente obter imagens de grande qualidade, tendo que apenas apontar e carregar no botão de disparo, com a Inteligência Artificial a fazer todo o trabalho, escolhendo a lente e parâmetros mais adequados em cada situação. O processamento posterior da imagem permite escolher o melhor momento e remover reflexos ou pessoas, sendo que nos testes efectuados, não conseguimos utilizar esta última opção. No caso dos reflexos, os resultados obtidos foram interessantes, conseguindo dar uma nova vida a uma imagem. que de outra forma ficaria arruinada.



O vídeo está "limitado" a 4K 60fps, sendo que se utilizarem estas definições não poderão usufruir dos efeitos de vídeo e filtros. O sensor ultrawide foi pensado primariamente para a captura de vídeo, em locais com pouca luz, como o vídeo captado a apresentar cores fortes e bom detalhe, mas em zonas com menor iluminação o ruído começa a dominar a imagem.

A câmara frontal, com 32MP consegue captar imagens com bastante detalhe em diferentes condições de luz. Os inúmeros efeitos disponíveis no modo retrato da câmara traseira estão também disponíveis na câmara frontal, possibilitando a obtenção de imagens bastante diversificadas. O efeito bokeh consegue uma boa definição de contornos, com o cabelo mais irregular a ficar bem identificado. O alisamento da pele, tantas vezes criticado pelo seu impacto, mesmo quando o filtro se encontrava desligado, quase que não se consegue identificar, permitindo a clara identificação dos poros da pele.


Apreciação final



A história recente tem-nos mostrado que a duplicação de aplicações e serviços pouco ou nada tem contribuído para o sucesso dos equipamentos, com os consumidores a preferirem manter-se nos braços da Google. Esta fuga para a frente por parte da Huawei, pode não recolher a aprovação de uma grande maioria dos utilizadores, sobretudo dos fãs mais acérrimos do Android, mas se atendermos ao que se passou no último ano, é uma opção que se compreende. A renovação do bloqueio aos serviços e produtos de empresas americanas não deixa qualquer margem de manobra à marca chinesa, que se vê obrigada a desenvolver soluções alternativas que lhe permitam manter o nível de qualidade que os seus smartphones vinham a apresentar.



Este continuará a ser o seu grande desafio para os próximos meses (e anos), com a App Gallery a ter de receber mais apps, assim como um refinamento do Huawei Mobile Services (HMS), uma alternativa ao Google Mobile Services (GMS). Só assim os developers poderão apostar na App Gallery e passando os consumidores a ter uma oferta ao mesmo nível que a Google disponibiliza.

Não será uma tarefa fácil, mas a Huawei tem mostrado o seu empenhamento nesta tarefa hercúlea, que outros já tentaram. A App Gallery e os HMS têm vindo a melhorar a cada mês que passa, apresentando mais opções e funcionalidades, mas estão ainda longe do que se pode e deve exigir à Huawei.



É neste cenário de incertezas que o P40 Pro se apresenta, com o software a não ter pedalada para acompanhar o hardware. As câmaras são mais uma vez o grande destaque, com o quinteto que equipa o P40 Pro a brilhar em alto nível, sobretudo num modo noite, que bate a concorrência por larga margem.



O design apresenta linhas refinadas, com os acabamentos a manterem uma qualidade superior. O ecrã fica-se pelos 90Hz, mas consegue disponibilizar um alargado campo de visão quando sob forte luz solar. Se a este facto juntarmos um consumo de bateria comedido e um processador de alto desempenho, também ele poupado em termos energéticos, temos um smartphone com uma autonomia capaz de responder às necessidades dos utilizadores mais exigentes.

Não fosse o bloqueio aos GMS, estaríamos nesta altura a classificar este P40 Pro não só como o melhor smartphone da Huawei até à data, mas também como um dos melhores smartphones actualmente disponíveis no mercado. Não podemos contudo esquecer as lacunas que ainda estão presentes na área do software, razão pela qual este P40 Pro se vê limitado a um distinto "QUENTE".




Huawei P40 Pro
Quente

Prós
  • Câmaras
  • Autonomia
  • Qualidade construção
Contras
  • Sem apps e serviços Google
  • AppGallery e EMUI ainda com limitações



Huawei P40 Pro

Quente (4/5)

6 comentários:

  1. Também se pode instalar a app store da Amazon para obter as apps que faltam na App Gallery.

    ResponderEliminar
  2. Boa Tarde,
    Qual seria a alternativa no mercado? Eu tenho um P20 Pro e penso em mudar, sendo que uso o Huawei Smartwatch GT2.
    Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O suspeito do costume (Samsung), sendo que Xiaomi, OnePlus e Oppo têm igualmente opções muito interessantes, tanto em funcionalidades, como em preço.

      Eliminar
  3. Calculei que fosse essa a opção. No entanto, assisti a um teste e parece que a câmara do Huawei é melhor, o que é natural atendendo ao facto de ser Leica. Isto cada um procura coisas diferentes num telemóvel. Para mim o mais importante é a câmara e ter as apps de redes sociais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nesse caso, este P40 Pro será uma forte opção a ter em conta.

      Eliminar

[pub]