2020/09/04

Apple adia anti-tracking do iOS 14 para 2021


As medidas de protecção da privacidade que a Apple estava a preparar para o iOS 14, e que já estavam a deixar o Facebook em pânico, vão ser adiadas para 2021.

A Apple tem-se posicionado como protectora da privacidade dos utilizadores, procurando demarcar-se da Google, e para isso preparou um novo sistema de anti-tracking no iOS 14 que impede que as apps possam saber que outras apps e sites os utilizadores usam ou visitam, a não ser que os utilizadores dêem consentimento para isso. Uma medida que estava a preocupar o Facebook, que iria perder grande parte da informação que recolhe (a não ser que conseguisse convencer os utilizadores a cederem esses dados), mas que a Apple optou por não implementar desde já.


[O mais recente vídeo publicitário da Apple critica a partilha excessiva]

Ouvindo vários dos seus parceiros, a Apple vai adiar esta medida para 2021, para dar mais tempo às empresas para se ajustarem a estas restrições na recolha de dados.

Pode ser que a Apple tenha reconsiderado e chegado à conclusão que, ao penalizar apps como o Facebook, acabaria ultimamente por se penalizar a si (neste momento a Epic já está de fora da App Store, a última coisa que interessaria neste momento seria ver o Facebook anunciar que também iria abandonar a App Store nas presentes condições, podendo dar início a um movimento generalizado de boicote à App Store); ou, por outro lado, pode ser também apenas uma jogada estratégica para evitar dividir recursos em múltiplos combates em várias frentes - já que a guerra relativa à App Store que estão a decorrer nos EUA e Europa, se vai alastrar também ao Japão, que também anunciou que irá iniciar uma investigação sobre potencial abuso de posição dominante da Apple.

Quanto à opção para evitar o tracking por parte das apps no iOS 14, fica prometido o seu regresso para o início de 2021.

11 comentários:

  1. "Apple adia anti-tracking do iOS 14 para 2021"
    "As medidas de protecção da privacidade que a Apple estava a preparar para o iOS 14, e que já estavam a deixar o Facebook em pânico"

    Para quem esteja or fora, o iOS tem um anti-tracking radical:
    Definições > Privacidade > Publicidade, pondo "Limitar seguimento" em On o identificador para anunciantes (o Android também tem) não pode ser usado para apresentar publicidade dirigida em vez de aleatória. Como detesto anúncios parvos tenho a opção desligada. Se, de qualquer modo, me apresentam anúncios ,que seja alguma coisa de jeito. Como se sabe a publicidade dirigida é mais efetiva e dá mais dinheiro aos anunciantes.

    Na publicidade que aparece nas app, o que tinha sido anunciado para o iOS 14 eram dois níveis de permissão, que permitia publicidade dirigida numas apps mas não noutras, o que não me parece fazer sentido.
    O que a Facebook fez foi alertar que quem recebe rendimentos de anúncios seria afetada, sem se perceber bem porquê. Parece-me que tinha razão.
    Por isso, o tal adiamento não me parece um grave ataque à privacidade.

    Quanto ao Facebook seguir a Epic por causa disto, o movimento generalizado de boicote à Apple Store, as investigações nos EUA, na Europa, agora no Japão (esqueceu-se da Rússia), enfim, faz parte da cruzada :)

    ResponderEliminar

  2. Já agora, informação sobre a situação atual do Fortnite que achei interessante.
    Como sabem, depois do Fortnite ser banido da App Store (e outros jogos) ficou partido em dois: o pessoal do iOS pode jogar entre si uma versão não atualizada e o de outras plataformas pode jogar a versão atualizada.
    A Epic interpôs uma providência cautelar, mas o juiz não atendeu quanto aos jogos da Epic, em parte porque a Epic não provou que realmente foi prejudicada, e em parte porque o juiz sentiu que a Epic "escolheu estrategicamente quebrar seus acordos com a Apple" e, portanto, era pelo menos parcialmente culpada.

    A Epic, agora, interpôs nova providência cautelar para a Apple repor o Fortnite - nas mesmas condições que levaram ao banimento, e outros jogos. Apresenta uns dados curiosos.

    Diz que o iOS é a maior plataforma para Fortnite: 116 milhões de utilizadores registados, ou quase um terço dos 350 milhões de utilizadores que a Epic diz que Fortnite atraiu no total da plataformas. Também afirma que 63 por cento dos utilizadores do Fortnite no iOS acedem o Fortnite apenas no iOS, que é a única maneira de o jogarem.

    E diz que 60% dos utilizadores do iOS já deixaram de jogar o Fortnite e está em risco de nunca mais os ver - e por isso pede a providência cautelar.

    Agora expliquem-me lá como se eu fosse muito burro, por que é que a Epic não esperou pela decisão do tribunal - pode vender os seus jogos através da App Store (e da Google Play) sem pagar comissão ou não pode? - em vez de forçar a Apple a fazer o que já sabia que ia fazer? Quis instrumentalizar os utilizadores e pode-se dar mal.

    https://www.theverge.com/2020/9/5/21423889/fortnite-epic-apple-preliminary-injunction-filing-ios-mac

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... ou pode dar-se bem. Há que esperar para ver o resultado.

      Eliminar
    2. Só não sei é porque não compram um Android e deixam os restantes 14% sossegados por terem um sistema fechado.
      É que isto não é só: "Deixem instalar o Fortnite da loja da Epic como deixa a Google, no Android" (de muito má vontade e com muitas pressões).
      Instala-se uma app de uma loja de confiança, como pode ser a Epic, a seguir de outra manhosa, um APK de uma app modificada, com malware, que circula pela net.
      "Ah, mas é o utilizador que decide. O Android dá monte de liberdade" - dizem os supostos geeks que morrem de medo de instalar qualquer coisa fora da Google Play.
      E a miudagem e a malta que não pesca nada disto? Alguma vez eu dava um Android a um filho para instalar o que quisesse?

      "Ai bate o pé, bate o pé, ...
      iOS igual ao Android é que é ..."
      Eu, se quisesse isso, comprava um Android. Até me saía mais barato.

      Eliminar
    3. Nem quero imaginar como vais conseguir continuar a usar IOS se for obrigado a permitir lojas de terceiros... Mas podes sempre regressar ao iPhone original, aquele que nem tinha app store e assim era perfeito, sem opção de escolha total.

      Eliminar
    4. Isso foi há 13 anos.
      Durante 13 anos ninguém mexeu no sistema fechado da Apple. E agora crês tu que vai mudar por causa das investigações "sobre potencial abuso de posição dominante da Apple" e mais a queixa da Epic em tribunal?
      Não reparaste que o Android é o seguro de vida da Apple? Posição dominante como, se o iOS só tem 14% de quota de mercado?
      Há algum impedimento a que quem quiser instalar apps fora das lojas oficiais comprar um Android?
      E a Apple ia ser obrigada a deixar o sistema fechado porquê, se, reconhecidamente, isso confere maior segurança ao iOS?
      Por que é que o iOS tem que ser igual ao Android e não há liberdade de escolha?
      E quando forem ver a lista dos stores que cobram 30% de comissão? https://techcrunch.com/2020/07/22/apple-digs-in-heels-over-its-app-store-commission-structure-with-release-of-new-study/
      Até se pode juntar a Huawei, embora tenha um desconto inicial.

      Mas força aí na cruzada, eu já contribuí com uma rima ;-)

      Eliminar
    5. Não sou eu que creio. Já tiveste a decisão na Rússia a dizer que a Apple tem que permitir concorrência nas apps de controlo parental; é esperar pelos demais casos em curso na Europa, EUA, Japão, etc.
      Como bem saberás, no post que referiste, a EPIC fundamenta também porque é que nenhum developer se quer arriscar a pisar os pes da Apple e ser expulso, e com o crescimento da Apple isso apenas piorou.
      Haverá 2 ou 3 gigantes tecnológicos com os quais a Apple se importaria (e para os quais até dobra as suas regras, como o caso do prime video), tudo o resto fica na classe do "paga e cala". A EPIC decidiu usar a visibilidade do fortnite como trunfo para mudar as coisas, veremos se tem sucesso ou não. A mim, independentemente do que der o caso da EPIC, será inevitável que a Apple tenha que abrir app store. Veremos que tal as coisas serão daqui por 13 anos.

      Eliminar
    6. Estás a baralhar. Vai à Apple Store e pesquisa por Controlo Parental. O que não falta lá são apps dessas. A Apple alegou que tirou da App Store diversas app de controlo parental, entre elas a da Kaspersky, por não serem seguras. A Kaspersky alegou que a Apple é que decide como quer e a autoridade da concorrência russa disse que a Apple tinha que rever o processo de aprovação das apps mas não disse como. Cria-se uma comissão paritária, cada parte designa um representante, os dois entendem-se para cooptar um terceiro e decidem por maioria? A Apple recorreu e ainda não há decisão.
      Da última vez que se ouviu falar da Rússia foi da proposta de um deputado que propunha baixar as comissões de 30% para 20% - em todos os stores, e que do que recebiam tinham que entregar 1/3 para um fundo estatal de desenvolvimento de TI.

      A Epic & Tencent obviamente quiseram instrumentalizar os jogadores do Fortnite. 60% deixaram de o jogar. Não dei conta de um grande clamor. O que vejo é a Epic preocupada porque pode não voltar a ver o dinheiro que representam.

      Nos outros stores, menos no da Epic (não sei tem outra forma de cobrar aos developers), as comissões são de 30%. Os developers gostavam que as comissões fossem menores ou não existissem para as apps ficarem mais baratas e vender mais? Por certo. Em todos os stores.

      "(...) será inevitável que a Apple tenha que abrir app store". Como a Epic ensaiou com o Fortnite , dos 30% de comissão da Apple (e da Google) os jogos ficam 25% mais baratos aos jogadores, a Epic ficam com 5% e a Apple e a Google ficam sem nada - e ainda facilitam os respetivos stores para a instalação dos jogos por lá?

      Quanto aos 13 anos ... para já espera sentado, mas batendo o pé. "Delenda est Apple Store" :)

      Eliminar
    7. Já estou habituado a esperar e a lidar com nuncas. Já por cá passaram pessoas a garantir que o iPhone nunca ia passar dos 3.5" por ter o tamanho perfeito para as mãos, como nos assegurava Steve Jobs (no novo iPhone 12 Pro Max já se vai a caminho das 7"); outros diziam que a Apple nunca iria usar ecrãs OLED (nem preciso comentar); e isto de ter que abrir a App Store será apenas mais um degrau na inevitável evolução. Mas depois a memória selectiva se encarregará de esbater o passado e fazer de conta que as coisas sempre foram como são.

      Eliminar
  3. "Tomar a nuvem por Juno"
    Ciberdúvidas da Língua Portuguesa: "O significado pode ser iludir-se; supor que algo é melhor do que realmente é; tomar os desejos por realidade, ou interpretar erradamente um sinal ou um acontecimento".

    Andas a misturar sinais sem ligação. Por exemplo, a app de controlo parental da Kaspersky nada tem a ver com os jogos da Epic. Nem sequer está a ver uma nuvem parecida com Juno, está a fazer um puzzle - a juntar pedaços de diferentes nuvens para fazer uma parecida com Juno :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São realmente pedaços... de um todo chamado App Store e o seu controlo pela apple, que é o que está em causa. Mas podes focar-te em controlar apenas uma árvore a arder e ignorares o resto da floresta em chamas. :)

      Eliminar

[pub]