2020/12/10

A segurança acrescida das VPNs


As redes VPN ou Virtual Private Network, são serviços que acrescentam uma camada de segurança adicional às ligações na internet, garantindo a privacidade das comunicações mesmo quando se usam ligações potencialmente inseguras, e no processo protegendo os dados dos utilizadores contra ataques de hackers ou quaisquer tentativas de monitorização, quer por entidades externas quer pelo proprio operador de internet que fornece o serviço de ligação.

As VPNs são utilizadas em inúmeros cenários. Temos o caso da utilização empresarial, em que são utilizadas para fazer com que um colaborador numa localização remota tenha acesso seguro à rede interna da empresa, protegendo o acesso aos dados confidenciais - e que actualmente se tornou em algo praticamente indispensável, considerando o aumento das pessoas em situação de tele-trabalho. Temos o caso da utilização doméstica, de quem quer aceder à sua rede de casa a partir de qualquer lado, com as mesmas garantias de segurança que interessam às empresas; e temos ainda aquele que será o caso mais habitual para utilização casual: dos que procuram um serviço de VPN para melhorar a sua privacidade no acesso à internet, e também para poderem ter acesso a conteúdos de outros países que à partida estariam bloqueados.

Como é que isso é feito? De forma simplificada, a utililzação de uma VPN consiste basicamente em criar um canal encriptado privado que liga o equipamento do utilizador, seja ele um PC, smartphone, tablet ou outro, a um servidor remoto. Essa ligação será garantidamente segura mesmo que esteja a ser feita a partir de uma rede desconhecida e potencialmente insegura, como uma rede WiFi pública; e na prática faz com que todos os acessos que o utilizador faça no seu dispositivo, estejam a ser redireccionados e realizados pelo servidor VPN de destino.


O "truque" é que muitos serviços de VPN disponibilizam servidores em praticamente todos os países do mundo; e dessa forma, um utilizador poderá ligar-se a um servidor nos EUA, ou na Austrália, ou Alemanha, e aceder à internet como se estivesse nesse país. Uma funcionalidade prática e eficaz para ultrapassar bloqueios geográficos de conteúdos, como aqueles irritantes avisos de quando se tenta ver um vídeo no YouTube e se é confrontado com um "este vídeo não está disponível na sua região".

Serviços de VPN há muitos para todos os gostos, e não faltam sites a comparar as melhores VPNS para te manter seguro online, com opções pagas e gratuitas; mas sendo este um mercado bastante concorrencial, quase todas elas - ou pelo menos, as mais recomendadas - já evoluiram no sentido de adoptarem as melhores práticas de segurança e privacidade, como manterem um política "no logs" que não mantém registos que pudessem ser solicitados por outras entidades e utilizados para monitorizar o que os utilizadores fazem.

Por outro lado, é também obrigatório ter em conta que, ao se utilizar uma VPN, se está a depositar uma grande dose de confiança no serviço de VPN que se escolhe, ao estilo da confiança que se deposita no operador do serviço de internet que se utiliza. Obviamente que as mesmas práticas de segurança se mantêm, como a necessidade de usar canais seguros HTTPS mesmo quando se utiliza uma VPN, para garantir que nem o serviço VPN poderá ter acesso aos dados que por lá passam. E uma vez que isso acaba por estar implícito para qualquer serviço moderno na internet, esse acaba por ser menos uma coisa com a qual nos teremos que preocupar.

2 comentários:

  1. está tudo bem dito e explicado, só o que não se explica ou pelo menos eu não entendo, e que já que sabes isso, porque fazes tanta publicidade a purevpn? e que de privacidade não tem nada, e quando vi o título do post até pensei, lá vem de novo.... mas claro o blog e teu....

    ResponderEliminar
  2. “”É TUDO UMA QUESTÃO DE FAZER EXPERIÊNCIA GOSTOU OK FICA. NÃO GOSTOU SAI !!!

    ResponderEliminar

[pub]