2020/12/02

Análise ao Oppo Reno4 Pro 5G


Depois de uma tímida aproximação ao nosso mercado, a Oppo agora mostra estar interessada em garantir uma posição de destaque, tendo para isso lançado a nova série Reno4, que inclui este Reno4 Pro 5G que temos em análise.

Unboxing


Ao abrir a caixa, o smartphone aparece em primeiro plano, envolto no plástico com alguns dos destaques seleccionados pela marca.


Num segundo plano, os acessórios.


Dentro da caixa, além do smartphone, podem encontram os acessórios habituais, pelo menos no mundo Android: carregador, cabo USB-C, earphones, documentação de referência e uma capa de silicone, transparente.


Os auriculares USB-C são a alternativa à entrada para um jack de 3,5mm, que cada vez é mais uma miragem. De referir que a Oppo seguiu um design em tudo semelhante ao utilizado pela Apple, não havendo lugar a borrachas para uma melhor adaptação à cavidade auricular.

O Reno4 Pro 5G


O design é claramente um dos pontos fortes deste smartphone, com a marca chinesa a apostar em linhas curvas que, em conjunto com uma espessura e peso reduzidos (7.6mm/172g), acabam por transmitir um inesperado conforto em utilização. A curva da traseira, assim como a do ecrã encaixam na perfeição no corpo em metal, não existindo arestas que tornem menos agradável o encaixe do smartphone na mão do utilizador.

O facto de se tratar de um smartphone com um peso tão reduzido permite que o mesmo seja utilizado com apenas uma mão, sem que o utilizador tenha dificuldade em interagir com o ecrã ou os botões, estrategicamente colocados, para um acesso facilitado. A traseira tem um acabamento muito bem conseguido em termos estéticos. Não sendo uma novidade, consegue dar origem a diferentes tonalidades com o reflexo de luz e tem ainda a vantagem de resistir às dedadas, mantendo sempre um look imaculado, algo que também começa a ser cada vez mais difícil de encontrar no mercado.


A frente fica marcada pela curvatura do vidro frontal, com o ecrã a acompanhar cerca de dois terços da mesma. As margens não são as mais reduzidas entre os smartphones já testados, mas estão longe de apresentar uma dimensão que se possa considerar grande, apresentando cerca de dois milímetros e meio em cima e três milímetros na zona inferior. As laterais têm dois milímetros, mas a curvatura do ecrã faz com que pareçam ser bastante mais finas.


Na zona superior do ecrã, ao centro um pequeno entalhe no vidro frontal enquadra a coluna para as chamadas de voz, sendo que esta coluna também é utilizada na reprodução de conteúdos multimédia. No lado esquerdo, um furo para a câmara frontal. O sensor de luminosidade, aparece dissimulado, à direita da grelha da coluna, sendo imperceptível à primeira vista. Ainda a referir a existência de uma protecção de ecrã, a qual ao contrario da traseira, não consegue resistir às dedadas que inevitavelmente se vão acumulando ao longo do tempo.


As laterais superior e inferior são achatadas, pelo que, com algum cuidado, permite colocar o smartphone na vertical, algo que no entanto não se recomenda, pois será suficiente para que o ecrã ganhe um novo e indesejado acabamento.


A lateral superior apresenta apenas um microfone.


A lateral oposta tem uma grelha para saída de som, porta USB-C, outro microfone e a entrada para o adaptador de cartões SIM, não sendo possível expandir o armazenamento através da instalação de um cartão microSD. Dada a proximidade entre o microfone e o orifício para remover o adaptador de cartões, recomenda-se toda a atenção para que não enfiem o clip no local errado, o que a acontecer, poderá danificar o microfone.


Do lado esquerdo, os botões de volume.


À direita, apenas o botão de power.


Especificações:

  • Processador: Qualcomm Snapdragon 765G (processador de 7nm)
    • Velocidade do CPU: até 2,4GHz
    • Núcleos do CPU: 8 núcleos
    • GPU: Adreno 620@625MHz
  • 12GB RAM
  • 256GB armazenamento
    • Não suporta microSD
  • Ecrã AMOLED de 6,5"
    • Resolução: 2400x1080
    • Taxa de refrescamento: até 90Hz
    • Taxa de Amostragem por Toque: até 180Hz (cinco dedos)
    • Gama de Cores: Modo Vivo 100%DCI-P3, 135,65%sRGB / Modo Suave 73,72%DCI-P3,100%sRGB
    • Densidade de Pixel: 402 PPI
    • Rácio de contraste: 5.000.000:1 (típico)
    • Brilho: 500 nits (típico), 800 nits (máximo à luz solar), 1100 nits (pico)
  • Bateria: 4000mAh/15.48W
  • Sensor de impressão digital sob o ecrã
  • Dual SIM
    • SIM 1 - 5G
    • SIM 2 - 4G
  • Wi-Fi: 2.4G/5.1G/5.8G - MU-MIMO
  • Bluetooth: 5.1 SBC/AAC/APTX/APTX-HD/APTX-TWS/LDAC
  • NFC
  • Interface ColorOS 7.2 / Android 10


Atendendo às especificações acima apresentadas, poderíamos estar a olhar para um topo de gama, não fosse a utilização de um processador Snapdragon 756G, unidade que em termos de desempenho fica uns degraus abaixo do Snapdragon 865. Com 12GB RAM + 256GB para armazenamento, um ecrã AMOLED de 6,5" com resolução de 2400x1080 e taxa de refrescamento de 90Hz, e uma câmara tripla com advanced laser detection auto focus (LDAF), o Reno4 Pro 5G não tem muito que se envergonhar, quando ombreia com equipamentos do segmento premium. Como curiosidade, o facto de não permitir a utilização de armazenamento externo (o que com 256GB disponíveis no armazenamento interno, não deverá ser preocupante para a maioria dos utilizadores).

Em utilização


O primeiro contacto com a mão transmite de imediato uma sensação de conforto e qualidade que por norma só é habitual encontrar nos equipamentos de gama alta. Sendo este um smartphone de gama média (pelo menos em termos de especificações), estes acabam por ser argumentos que favorecem o Reno4 Pro 5G. Os botões de volume e power foram estrategicamente colocados, ficando desde logo ao alcance dos dedos quando se agarra o smartphone na mão. É mais uma situação que contribuiu para o conforto em utilização, com o reduzido peso e largura do equipamento a serem factores que contribuem igualmente para este fim. Se a estes atributos juntarmos uma traseira muito bem conseguida em termos visuais e o facto de a mesma resistir estoicamente às dedadas, este Oppo Reno4 Pro 5G é, em termos de design e conforto em utilização, um dos smartphones mais interessantes que tivemos oportunidade de analisar nos últimos tempos. O elemento que rodeia as câmaras e flash acaba por destoar da restante traseira, uma vez que fica facilmente marcado pelas dedadas.^


O sensor de impressões digitais sob o ecrã começa a ganhar cada vez mais adeptos, sendo que a Oppo optou por implementar esta solução no Reno4 Pro 5G. O ecrã, sempre que detectado movimento mostra um grafismo na zona do sensor, o que ajuda a posicionar o dedo correctamente. Se tal não acontecer, o mais provável é a detecção não ocorrer de forma correcta, obrigando a reposicionar o dedo podendo atrasar ligeiramente o desbloqueio do smartphone, algo que tendencialmente não acontece nos sensores instalados na traseira do equipamento.



O Snapdragon 765G é o processador do momento, com as diferentes marcas a apostarem nesta unidade para equipar os seus smartphones. A própria Google decidiu apostar neste processador em detrimento de um topo de gama como o Snapdragon 865, com o mais recente Pixel a surgir reposicionado na gama média alta, em que também se insere este Reno4 Pro 5G da Oppo.


O processo de carregamento esteve à altura do que a marca anuncia, apresentando um desempenho verdadeiramente impressionante. Era olhar para o adaptador que registava a relação de carregamento a bater nos 60W e ver a percentagem de carga a subir de forma incrivelmente rápida.


Os tempos de carregamento são verdadeiramente impressionantes, com o Reno4 Pro 5G a chegar aos 25% em apenas 5 minutos (sim, leram bem!), 47% em 10 minutos, e conseguindo atingir os 100% em 31 minutos, com as duas baterias de 2000mAh a e o sistema de carregamento VOOC SuperVOOC 2.0 (10V/6A) a mostrar toda a sua pujança. Sem dúvida um desempenho portentoso.


O sistema de carregamento funcionou bem com o cabo e carregador fornecidos pela marca, mas o mesmo não acontecendo com outros cabos/carregadores capazes de fornecer 60W, com o carregamento a ficar-se por uma potência bastante inferior, abaixo dos 20W (Power Delivery 9V/2A), relembrando o quanto ainda há por fazer para que esta questão seja mais universal.


Assim sendo, para um carregamento ultra rápido terão de andar com o cabo e carregador originais atrás, algo que no entanto não deverá ser necessário, pois o conjunto porta-se muito bem em termos de autonomia, conseguindo disponibilizar carga para mais de um dia de utilização intensiva sem preocupações, ou ainda mais com uma utilização mais moderada.



A Oppo opta por apresentar um Android modificado, o ColorOS (v7.2), que nesteReno4 Pro 5G se apresenta a correr sob o Android 10. Questionada a marca, ainda não há datas para a disponibilização de uma nova versão deste ColorOS, baseada no Android 11 (lançado em Agosto pela Google...), sendo expectável que a mesma chegue nos primeiros meses de 2021.


A interface aparece modificada, assente sobre uma aplicação de temas que de momento não está disponível para o nosso mercado, pelo que, ou utilizam a versão de origem ou... a versão de origem; sendo esta uma opção difícil de entender dada a aposta que a marca está a fazer em Portugal. A utilização de um launcher alternativo permite resolver a questão dos ícones, mas o menu drop-down com os atalhos rápidos continuará com o design de origem.


O ColorOS apresenta algumas funcionalidades extra, como é o caso da barra de atalhos na lateral, a detecção de movimentos, gravação do ecrã, clone de aplicações para utilização de duas contas, gestor de jogos e um modo de alto desempenho (com o natural impacto na autonomia). Curiosamente, o facto de a activação deste modo não ter tido reflexo nos testes de desempenho, o que nos leva a concluir que o referido modo foi activado de forma automática para a execução dos benchmarks.

As câmaras


A interface da câmara apresenta-se dividida em duas zonas. À esquerda, uma fila de ícones com o acesso às definições, filtros de imagem (em tempo real), tipo de cor, controlo do modo HDR e controlo do flash. Do lado direito, 3 zonas: uma primeira com o controlo do zoom e a "AI Beautification", seguidos dos modos de captura de imagem/vídeo e mais direita, o botão de disparo, ladeado pelo acesso à galeria e a alternância da câmara (traseira/frontal).


"Vídeo, Como um profissional." A Oppo eleva desde logo a fasquia, apostando forte no seu Vídeo Ultra Estável v3.0, disponível para as câmaras traseiras e frontal. De referir que a câmara traseira ultrawide permite a captação de vídeo em zonas com menos iluminação, aumentando a versatilidade do conjunto. A convite da marca, estivemos no autódromo do Estoril, onde tivemos a oportunidade de testar a estabilização de imagem (óptica em combinação com a digital) ao volante de máquinas ultra potentes, com o resultado a ser interessante, pecando no entanto por vezes por apresentar uma suavização excessiva dos movimentos.

Oppo Reno 4 Pro 5G

A tripla câmara consegue disponibilizar resultados de boa qualidade, com a lente ultra wide a corrigir a curvatura nas zonas laterais da imagem, apresentando uma deformação mínima. Em zonas com pouca iluminação, o conjunto ficou aquém do esperado, com a aplicação da câmara a disponibilizar resultados inferiores aos que a app da câmara da Google permite com as mesmas lentes. Ficava assim a bola no lado da Oppo, tendo a marca que melhorar o processamento de imagem disponibilizado pela sua app para fotografar e filmar.


Foi precisamente isso que veio a acontecer com a última actualização disponibilizada para este terminal, com a prestação da câmara a melhorar substancialmente, se bem que ficando ainda abaixo daquilo que modelos como o Pixel 3a conseguem disponibilizar, havendo por isso espaço para melhorias.

Apreciação final


A Oppo acaba por cometer com este Reno4 Pro 5G o mesmo pecado que a Google cometeu com o Pixel 5, optando por um processador de gama média, sem contudo fazer com que esta decisão se fizesse sentir no preço de venda do smartphone. Não que o equipamento não responda em termos de prestações ou apresente um design menos conseguido, apenas fica desenquadrado, quando comparado com outros equipamentos no mesmo segmento de preço.

Em termos de desempenho, temos um processador capaz de ombrear com os topo de gama de há dois anos, facto que acaba por ser interessante, tendo em conta a extensão do prazo de vida útil dos smartphones. Por esta razão, quem tenha um topo de gama relativamente recente não terá grandes motivos para mudar para um gama média-alta. Quem optar por este Reno4Pro 5G irá adquirir um smartphone com uma boa capacidade de resposta, em linha com o que se deve exigir a um equipamento neste segmento de produto. A grande questão está no preço, com a Oppo a encostar este Reno4 Pro 5G aos 800€, isto quando temos unidades com o mesmo CPU na casa dos 300€-400€, com o consumidor a poder comprar dois equipamentos pelo preço de um. Há naturalmente diferenças no restante hardware, mas o argumento preço continua a ser decisivo para uma grande franja dos consumidores, nomeadamente nos tempos deste "novo normal", razão pela qual este Reno4 Pro 5G se fica por um um honroso "Quente".


Oppo Reno4 Pro 5G
Quente

Prós
  • Design
  • Sistema de carregamento rápido
  • Conforto em utilização

Contras
  • Preço
  • CPU face ao segmento de preço
  • Software com arestas por limar
  • Ainda com Android 10

Oppo Reno4 Pro 5G

Quente (4/5)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]