2021/01/03

YouTube recomenda subscrição "Premium" após crítica de publicidade em vídeo de primeiros socorros

O YouTube entrou em 2021 com o pé esquerdo e total falta de bom senso, respondendo a uma pessoa que se queixava de publicidade num vídeo de primeiros socorros com a sugestão de que aderisse ao YouTube Premium para evitar a publicidade.

Goste-se ou não, o YouTube acaba por ser o repositório de informação a que muitas pessoas recorrem em situações de emergência, e terá sido isso que uma pessoa fez para procurar técnicas para tentar salvar alguém engasgado. Infelizmente, antes de ver poder ver o vídeo, e como é quase inevitável nos tempos que correm, foi-lhe apresentada publicidade - tendo sido isso que levou à sugestão / apelo / desabafo de que talvez o YouTube devesse suspender a publicidade no caso de vídeos de primeiros socorros. Infelizmente, do lado do YouTube a resposta foi muito pouco solidária, aproveitando a situação para tentar vender o YouTube Premium, que dispensa a publicidade!


Esta era uma daquelas situações em que, mesmo que não quisessem sequer considerar essa hipótese, teria sido muito mais produtivo dizerem que a ideia iria ser analisada - ou, simplesmente ficarem calados. Não imagino que tipo de publicidade poderiam imaginar ter se a história que se viesse a seguir fosse: pessoa morre enquanto gramava publicidade no YouTube antes de ver o procedimento de primeiros socorros que procurava.

Haverá situações em que todos os segundos contam e que bem poderiam (deveriam?) contar com excepções; mas infelizmente parece ficar cada vez mais claro que para as empresas, até para aquelas que em tempo poderiam ter a simpatia dos utilizadores, os utilizadores acabam por ser apenas uns numeros dos quais é necessário extrair o máximo de lucro possível - mesmo se para isso até se chegue ao ponto de recomendar que subscrevam o serviço premium numa situação de emergência que poderia ditar a diferença entra a vida ou a morte.

Este é o tipo de coisa que gostaríamos de ver apenas em séries estilo Black Mirror, e não a acontecer no mundo real.

2 comentários:

[pub]