2021/04/13

Nvidia Grace marca o adeus à Intel nos servidores para A.I.

A Nvidia apresentou um novo chip - Grace - destinado aos servidores e super-computadores, optimizado para processamento AI, e que visa arrasar os CPUs Intel.

A Intel não tem descanso. Enquanto por um lado tem que se preocupar com a transição iniciada pela Apple dos computadores para CPUs ARM, do outro lado a Nvidia complica-lhe a vida no segmento dos super-computadores e servidores para tarefas de AI. A Nvidia diz que chegou a um ponto em que os CPUs Intel estão a ser o "elo mais fraco" que impede atingir novos patamares de desempenho, e a solução é o seu chip Grace, que permite ligar GPUs e memória com uma largura de banda 30x superior, passando de 64GB/s para 2000GB/s.
Segundo a Nvidia, com este sistema, será possível obter um desempenho dez vezes superior aos dos sistemas com chips Intel em modelos neuronais com 1 bilião de parâmetros, permitindo que o seu treino seja reduzido de um mês para apenas três dias; ou, em alternativa, permitir que isso seja feito em tempo real num modelo com 500 milhões de parâmetros. E a par disto, uma maior eficiência energética, tirando partido da arquitectura ARM que utiliza e as memórias LPDDR5X.

Embora o lançamento oficial só seja em 2023, a Nvidia já tem dois clientes assegurados: o Los Alamos National Laboratory e o Swiss National Supercomputing Centre, sendo que este último, quando ficar operacional (em 2023) deverá ser o super-computador orientado para AI mais rápido do mundo.

2 comentários:

  1. A Intel andou a dormir este tempo todo, a fazer os preços que queria e a vender CPUs que de ano pra ano nada de novo tinham.
    Não quiseram entrar nos CPUs de telemoveis pra competir com a ARM.
    As graficas deles sempre foram uma miséria.
    Agora estão atrasados uns 2 ou 3 anos em relação a AMD

    ResponderEliminar
  2. Isto parece a novela Microsoft vs Google.

    Até me recordo do Steve Ballmer dizer que os telemóveis (iPhone / Android) eram coisas inúteis.

    Agora, andam de carroça atrás da Google em que até o navegador é uma derivação do Chromium...

    No entanto, será divertido assistir aos próximos capítulos...

    ResponderEliminar

[pub]