2021/05/02

Nova criptomoeda Chia poupa na electricidade mas faz subir o preço dos discos e SSDs

Estamos na fase de lançamento de uma nova criptomoeda, Chia, que troca os processos de computação intensiva das Bitcoins e Ethereum por espaço de armazenamento, com consumos mais reduzidos.

As Bitcoins têm tido forte oposição por parte dos que a acusam de ser um gigantesco desperdício de energia, uma vez que usa processo de computação intensivo. Esta Chia (XCH), sendo completamente open-source e descentralizada, foi concebida por Bram Cohen, o criador do protocolo BitTorrent (e que já a tinha anunciado no final de 2017), e troca o processo "Proof of Work" por um "Proof of space and time", em que todos os que quiserem participar têm apenas que disponibilizar espaço em disco, e tempo, sem temerem contas de energias avultadas por conta de CPUs e GPUs a trabalhar continuamente a 100%.

Isso está a fazer com que esta Chia se torne numa das criptomoedas mais acessíveis de gerar em casa, sem necessidade de grandes investimentos, bastando usar o espaço disponível em discos ou, preferencialmente, SSDs.

Tal como anteriormente surgiram motherboards específicas para levarem o máximo possível de GPUs, também para esta Chia já estão a surgir motherboards especializadas, algumas delas contendo até 32 fichas SATA para poderem ser carregadas de discos / SSDs, como esta Chia-D32H-D4 da Onda. Em contrapartida, tal como as anteriores criptomoedas fizeram aumentar a procura (e preços) dos GPUs, agora esta Chia está a fazer o mesmo pelos SSDs, com os preços dos mesmos a já começarem a sofrer agravamentos na Ásia que se esperam que se venham a fazer sentir no resto do mundo.

E, ao estilo do que alguns fabricantes de GPUs fizeram, ao limitar o funcionamento de alguns GPUs para efeitos de calcular criptomoedas, também há alguns fabricantes de SSDs vieram dizer que utilizar os seus SSDs para Chia invalida a garantia, pois irá dar-lhes um carga de funcionamento muito superior ao uso típico doméstico para o qual foram concebidos.

Pode não vir a dar em nada, ou poderá ser o novo "Bitcoin", em que o baixo valor neste momento se venha a transformar em milhões de euros daqui por uns anos. Se tiverem umas centenas de gigabytes que possam dispensar (no mínimo 108GB), não custará muito darem-lhe uma oportunidade, bastando seguir o seu Quick Start Guide e guia de instalação.

4 comentários:

  1. Qual será o tráfego médio mensal em gigabytes?

    ResponderEliminar
  2. Tudo chupistas crl. E aumentam o preço de tudo.

    ResponderEliminar
  3. Mas que filhos da p**a! Hoje o consumidor comum não pode mais comprar componentes. Ridículo.

    ResponderEliminar

[pub]