2021/11/12

Edge e Chrome vão deixar bloquear ver o código fonte das páginas web

A MS e a Google estão a preparar-se para permitir o bloqueio da opção view-source que mostra o código das páginas web, levantando preocupações sobre o futuro da web e dos browsers.

As páginas web que vemos nos browsers são o resultado visual da interpretação de instruções dadas por código HTML. Desde o início que esse código fonte HTML tem sido de livre acesso e um dos pressupostos base do funcionamento de toda a web; mesmo se por vezes pode revelar coisas que os criadores das páginas ou serviços desejariam não revelar. Por exemplo, testes online podem conter as respostas certas algures no código HTML apresar de não serem visíveis na página web até que o utilizador acertasse nas mesmas; e é por isso mesmo que em sectores como o da educação, ou em ambientes empresariais, há quem queira restringir o acesso a este código fonte.

O problema é que muitos developers também estão conscientes de que foi o acesso a este "view-source" que lhes aguçou a curiosidade e os fez entrar no mundo da programação ou desenvolvimento para a web, vendo como as coisas eram feitas, alterando, e fazendo experiências. E, se essa vertente for bloqueada precisamente no sector educativo que devia fomentar a curiosidade dos alunos, há um enorme risco de muitos pessoas poderem ser "desviadas" desse caminho.

Há várias outras formas de fazer com que o "view-source" se torne praticamente inútil para quem o for espreitar. Há quase uma década falávamos do JScrambler feito em Portugal, capaz de "baralhar" o código fonte de forma a se tornar ilegível. E algo desse tipo seria suficiente para que um simples curioso pudesse espreitar o código fonte de uma página em busca de soluções a um teste online.

Senão... quanto tempo demorará para que alguém pense que este bloqueio do acesso ao view-source deveria ser expandido para todos os utilizadores? Esperemos nunca ter que descobrir.

6 comentários:

  1. O Chrome tem aumentado a quantidade de dados que recolhe do utilizador e em compensação torna-se mais opaco. Mau caminho.

    ResponderEliminar
  2. Restrições artificiais são perde-perde, achei que já tínhamos passado dessa fase. Ainda lembro daqueles sites nos anos 90 cheios de gifs que não deixavam clicar com o botão direito.
    Se o problema são respostas de provas, quem não passou de ano foi o desenvolvedor.

    ResponderEliminar
  3. Acabei de instalar o Firefox para me ir adaptando.

    ResponderEliminar
  4. Por essas e por outras é que uso o Firefox.

    ResponderEliminar

[pub]