2022/02/23

Análise ao teclado Mountain Everest Max

Não é comum ter um teclado que escape à normalidade e apresente novidades incomuns no segmento, mas é precisamente isso que se passa com o extravagante Mountain Everest Max, com conceito modular e totalmente configurável.

O Mountain Everest Max

O teclado Mountain Everest Max quer ser o melhor amigo de quem deseja um teclado personalizável e capaz de realizar todo o tipo de funções, incluindo módulo de teclado numérico destacável que se pode colocar do lado direito ou lado esquerdo do teclado, e que contém quatro teclas configuráveis com mini-ecrãs, e um módulo "media control" com teclas de controlo media player que contém também um pequeno ecrã circular adicional.

Mas começando pelo início, tudo chega muito bem acomodado numa caixa bastante volumosa, mas extremamente bem organizada e onde tudo vem bem acondicionado e com fácil acesso.
Todos os acessórios e módulos ficam organizados numa "gaveta" situada por baixo do compartimento do teclado.
O teclado tem o tamanho completo - e layout de teclas em Portugês de Portugal, como convém - e equipado de origem com teclas Cherry MX Red (já lá vamos quanto a isso) com iluminação RGB independente por tecla. Tem ainda um apoio para os pulsos com encaixe magnético.
Em baixo temos a ligação USB-C do teclado, com sistema de guias para posicionar o cabo como for mais conveniente. O teclado integra um hub USB para permitir ligar outros dispositivos, e vem com várias portas USB para ligação dos módulos adicionais em várias posições.

O módulo de teclado numérico

A acompanhá-lo temos um módulo de teclado numérico que conta com quatro teclas personalizáveis equipadas com micro-displays.
O módulo conta com um engenhoso sistema mecânico para fazer com que a ficha de ligação USB-C fique posicionada à esquerda ou direita, para ser encaixado do lado que o utilizador desejar.

O módulo Media Dock

O módulo Media Dock adiciona teclas de controlo multimédia, e um original ecrã circular que pode apresentar informação configurável. Conta com ficha USB-C assistida por encaixes magnéticos, e também pode ser posicionado do lado esquerdo ou lado direito do teclado.
Refira-se que os sistemas de encaixe, de ambos os módulos, são suficiente robustos para dar confiança de que se irão manter na sua posição, mas não ao ponto de tornar difícil a sua remoção e reposicionamento sempre que tal for desejado.


Detalhes

Embora as impressões iniciais tenham sido bastante positivas, há alguns detalhes que não me agradaram particularmente. Com um acabamento em metal escovado que dá um toque de qualidade ao teclado, a secção rebaixada onde se posicionam as teclas apresenta os sinais de fresagem com a passagem da broca circular. Terá sido uma opção estética da marca, que pode agradar a alguns, mas que pessoalmente me faz pensar num produto "inacabado". Mas, obviamente, é meramente um detalhe estético sem qualquer impacto funcional.
O cabo USB fornecido, é de alta-qualidade e inclui adaptador USB-C / USB-A, mas é também extremamente rígido, o que poderá dificultar o seu posicionamento. Felizmente, como o teclado é bastante pesado, não se corre o risco da rigidez do cabo fazer "mexer" o teclado.
Por fim, o módulo Media Dock, fica - na minha opinião - demasiado próximo da fila de teclas FN, podendo fazer com que a tentativa de o utilizar resulte no carregar acidental de teclas. Teria sido conveniente deixar um pouco mais de espaço entre módulo e teclas.

Os extras

Como foi dito logo desde início, este não é um teclado convencional. Na última caixa temos os acessórios de personalização. Incluem vários módulos magnéticos com os quais podemos ajustar a elevação / inclinação do teclado; e, não tão habitual, diferentes teclas Cherry MX - Brown, Blue, Speed Silver, Red, Silent Red - que os utilizadores poderão experimentar para ver quais preferem, cada uma com diferentes forças e estilos de actuação: com mais / menos força, com / sem clique, etc.
A parte mais curiosa é que cada uma das teclas do teclado pode ser facilmente trocada pelo utilizador, sendo simplesmente um trabalho de puxar a tecla usando a ferramenta incluída, e colocar a nova tecla.

Com este sistema, e comprando-se as teclas pretendidas no site da Mountain, cada utilizador pode personalizar completamente o seu teclado, por exemplo, colocando teclas diferentes nas posições das teclas de jogo.


Em funcionamento

Quanto ao teclado em si as coisas funcionam como em qualquer outro teclado, incluindo a possibilidade de o utilizar sem qualquer tipo de drivers adicionais, com combinações de teclas que permitem escolher diferentes efeitos luminosos, e ajustar a sua velocidade e intensidade. Também os módulos extra ficam imediatamente prontos a funcionar sem necessidade de qualquer software adicional.
O módulo Media Dock conta com um aro rotativo em redor do ecrã circular, que pode ser usado para seleccionar entre as diferentes funções disponíveis: como alteração dos diferentes perfis de teclado, selecção de efeitos luminosos, apresentação de dados do computador (CPU, RAM, etc.), número de acções por minuto no teclado, etc. Sendo que neste caso, para algumas das funcionalidades, será necessário ter o software Base Camp da Mountain instalado, para se ter acesso a tudo.
O software também acaba por ser necessário para se personalizarem as teclas com micro-ecrãs no módulo de teclado numérico. De origem as teclas estão pré-configuradas para: aceder ao site da Mountain, abrir o explorador de ficheiros, colocar o computador em suspensão, e aceder ao gestor de tarefas.


O software Base Camp

O software Base Camp está bastante bem concebido, dando aos utilizadores uma infinidade de opções de personalização, que passam pela configuração total dos efeitos luminoso (incluindo poder criar os próprios padrões luminosos à escolha para qualquer tecla), e de um completo sistema de macros que permite redefinir qualquer tecla para que desempenhe qualquer sequência de acções complexa. A Mountain também ajuda na criação de acções para programas populares como o OBS; e o sistema tem compatibilidade com Razer Chroma.
Como o teclado disponibiliza vários perfis, é possível criar configurações do mesmo para diferentes coisas: para diferentes jogos ou apps, para trabalho, para edição de vídeo, para livestreaming - que facilmente se podem seleccionar usando combinação de teclas ou o ecrã circular na Media Dock.


Apreciação final

No que diz respeito a teclados, podemos considerar este Mountain Everest Max como o "Rolls Royce" dos teclados, e será difícil não ficar maravilhado com ele. Qualquer queixa que possa existir poderá quase seguramente ser resolvida graças à sua modularidade e personalização; embora existam alguns detalhes menores que pudessem ser revistos, como o espaçamento do módulo Media Dock e as teclas FN, ou a rigidez do cabo USB.

O processo de configuração inicial para fazer com o que o teclado fique "à medida" pode também ser algo trabalhoso, mas é algo que se fará apenas uma vez. O software Base Camp é completo mas apresenta tudo de forma simplificada e acessível - e felizmente não exige qualquer tipo de criação de conta online, como infelizmente vai sendo cada vez mais comum noutras marcas.

Com um preço de 269 euros (está disponível na PC Diga) não é um teclado para quem procura uma proposta económica. Mas considerando que quem procura um teclado mecânico de qualidade já poderá estar predisposto a pagar cerca de 200 euros, o seu preço acaba por não ser assim tão excessivo quanto possa parecer à primeira vista (além disso, pudemos apanhá-lo por 199 euros quando esteve no Kickstarter). Por isso mesmo, e apesar de se destinar a um segmento de nicho, sai daqui com um dos nossos escaldantes.

Teclado Mountain Everest Max
Escaldante

Prós
  • Qualidade de construção
  • Modularidade
  • Versatilidade de personalização

Contras
  • Preço
  • Software Base Camp só para Windows


Mountain Everest Max

Escaldante (5/5)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]