2022/02/19

Ford testa áudio direccionado para alerta de condutores

Os alertas ao condutor – sejam representações visuais ou sons de aviso – ajudam-nos a lidar com as nossas deslocações diárias. E se esses avisos sonoros passarem a simular os sons produzidos pelos reais potenciais perigos, permitindo aos condutores saber exactamente de onde vêm?

A Ford está a testar uma nova tecnologia inteligente de alertas ao condutor que pode revolucionar os sistemas até agora existentes. Os engenheiros estão a explorar uma utilização inteligente do sistema de som de bordo nos automóveis, que seja capaz de transmitir, com clareza, a localização de outros utentes da estrada ou peões. Além disso, os testes incluem a utilização de sons intuitivos, tais como passos, campainhas de bicicleta e ruídos de viaturas em andamento, em vez de uma única fonte sonora de aviso de todas estas situações.

Os testes iniciais revelaram que os condutores que utilizavam a tecnologia Alerta de Áudio Direccionado (Directional Audio Alert) foram significativamente mais exactos na identificação de potenciais perigos e sua respectiva posição. Os veículos Ford dispõem, actualmente, de tecnologias de assistência ao condutor que utilizam um conjunto de sensores para identificar quando peões, ciclistas e outros veículos se encontram nas proximidades do seu veículo. Estas tecnologias oferecem alertas visuais e sonoros e, se necessário, aplicam travagens de emergência. O Alerta de Áudio Direccionado traduz um grande avanço na eficácia destes tipos de alertas. Um software desenvolvido pela Ford utiliza a informação dos sensores para seleccionar o som apropriado e reproduzi-lo através do altifalante mais próximo do obstáculo.


Testes realizados em ambiente simulado demonstraram que, em 74 por cento das vezes, os condutores alertados pelo Alerta de Áudio Direccionado identificaram correctamente a natureza e a fonte do perigo. Mesmo reproduzindo-se apenas um som normal através do altifalante apropriado o condutor conseguiu identificar correctamente a localização do objecto, em 70 por cento dos casos. Os engenheiros também criaram um cenário real no circuito de testes, com um veículo a recuar de um lugar de estacionamento, um peão a aproximar-se e o alerta de pegadas. Os participantes no teste responderam positivamente ao som dos passos, especialmente quando este alerta intuitivo foi reproduzido através de um altifalante específico.

No futuro, os engenheiros acreditam que estes resultados poderão ser ainda melhorados através da utilização de som espacial 3D, semelhante ao utilizado em cinemas e jogos electrónicos, para melhor permitir aos condutores identificar a fonte do perigo.

[publicado originalmente no Pela Estrada Fora]

1 comentário:

  1. Porra, já tenho carros com isso há 10 anos quase. Os avisos de proximidade, de trânsito perpendicular e de ângulo morto. Eles "tocam" nas colunas da direção do perigo.

    ResponderEliminar

[pub]