2022/03/26

Kaspersky sofre pela sua origem russa

A Kaspersky vai sendo cada vez mais penalizada por ser uma empresa russa, agora ficando na "lista negra" da FCC e sendo excluída do programa de recompensas HackerOne.

Os EUA já tinham desaconselhado a utilização de produtos Kaspersky - que incluem anti-virus, gestores de passwords e outros produtos de segurança - em 2017, e proibindo a sua utilização em entidades governamentais, mas agora a empresa passa a estar na "lista negra" da FCC por ser um risco inaceitável para a segurança nacional. Além disso, a plataforma de recompensas por bugs HackerOne também removeu a Kaspersky, devido às sanções resultantes da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Refira-se que não são apenas os EUA que estão receosos dos potencias perigos decorrentes da utilização de software da Kaspersky. O governo alemão também emitiu uma recomendação para que as empresas alemãs deixem de utilizar produtos da Kaspersky ou de origem russa. Relembrando que mesmo que se queira confiar na neutralidade da empresa, a mesma poderá facilmente ser obrigada pelos serviços de inteligência russa a fazer alterações nos seus produtos que lhes permitam ganhar acesso a informação privilegiada das empresas que os utilizam.

Embora desta vez as atenções recaiam sobre a Rússia, poderá ser importante relembrar que toda a Europa está também extremamente dependente de software de origem norte-americana (começando pelo Windows e Office, e passando pelo Android e iOS), e que já tivemos casos das entidades de segurança dos EUA serem apanhadas a espiar os seus aliados europeus. Pelo que, talvez não fosse má ideia aproveitar a oportunidade para promover um pouco mais de independência, recomendando a utilização de software open-source que pudesse ser facilmente auditado e verificado (e nem será preciso relembrar que o Linux tem origem finlandesa).

5 comentários:

  1. O último parágrafo deveria ser impresso em cartazes gigantes "outdoor" e escarrapachado frente a todos os parlamentos da União Europeia.

    ResponderEliminar
  2. Sim, usar software open-source é a melhor coisa que existe para um país não ficar nas mãos de outro país. Mas entre ser espionado pela Rússia ou China e os EUA eu prefiro mil vezes ser espionado pelos americanos.

    ResponderEliminar

[pub]