2022/03/22

Mercedes assume responsabilidade por acidentes com Drive Pilot activado

A Mercedes quer distanciar-se da Tesla nos sistemas de condução autónoma e assume a responsabilidade no caso de acidentes com o Drive Pilot activado.

A Mercedes está a tentar obter certificação de sistema de condução autónoma de nível 3 para o seu Drive Pilot nos EUA, o que faria dela a primeira marca automóvel a obtê-la, e com algumas vantagens significativas para os condutores. Embora o sistema se comporte de maneira idêntica aos sistemas de assistência já existentes (e com um conjunto bastante alargado de restrições), com essa certificação o condutor fica legalmente autorizado a não ter que prestar atenção à estrada, podendo ver filmes ou usar o smartphone, já que o sistema dará um pré-aviso de pelo menos 10 segundos sempre que necessitar de passar o controlo para o condutor - em vez de o fazer de forma quase imediata em poucos segundos, como acontece com os sistemas actuais.
Com isto, a responsabilidade de um acidente com o Drive Pilot activado passa a ser da Mercedes. Mas antes de olharem para isto como um livre passe para deixarem de conduzir, importa referir que o sistema não funciona em túneis, nem estradas com semáforos, nem à noite, nem quando detecta obstáculos sobre a via, ou em rotundas. Também está limitado a funcionamento a velocidades de até 60 km/h.

Ainda assim, é uma posição diametralmente oposta à da Tesla, que se iliba de tudo com o habitual "a culpa é sempre do condutor", e que até chega ao ponto de despedir funcionários que revelem que o modo FSD não é assim tão milagroso como a Tesla vai insinuando.

1 comentário:

  1. Mercedes: o adulto responsável. Tesla: a crinça irresponsável e birrenta.

    ResponderEliminar

[pub]